Oito histórias não contadas de grandes nomes do audiovisual nacional ganham destaque no novo documentário “À Luz Delas”, de Nina Tedesco e Luana Farias. Baseado na pesquisa “Mulheres atrás das câmeras: inícios de uma trajetória“, realizada desde 2014 na Universidade Federal Fluminense, a produção explora um dos cenários mais desiguais do audiovisual no mundo – a direção de fotografia. 

Através dos resultados do estudo, nasceu o entusiasmo por trás do documentário: “ainda tinha muitas coisas que queríamos entender sobre a trajetória dessas diretoras de fotografia e sobre como elas conseguiram começar e permanecer na carreira”, esclarece Nina. De acordo com dados da Ancine (Agência Nacional de Cinema), de 2016, a área de direção de fotografia é a que menos possui mulheres no Brasil, com cerca de 88% das produções nacionais fotografadas por homens.

Em 72 minutos, o longa narra as trajetórias das diretoras de fotografia Dani Azul (Fragmentos, 2013), Heloisa Passos (Como esquecer, 2010), Jane Malaquias (Danado de Bom, 2016), Joyce Prado (Um corpo no mundo, 2017), Julia Zakia (Guigo Offline, 2017), Kátia Coelho (A Via Láctea, 2007), Luelane Corrêa (MML, 1978) e Martina Rupp (Desculpe o Transtorno, 2016), que precisaram lidar com o preconceito no audiovisual e, em alguns casos, com os desafios de conciliar suas carreiras com a maternidade. “São histórias muito pouco contadas, algumas de um outro momento, que ainda são atuais em termos de dificuldade de entrada, de permanência, acesso e discriminação”, afirma Nina.

Lançado no final de 2019, o documentário é o primeiro a trazer esse questionamento dentro da área cinematográfica. Para Nina, a desigualdade dentro da área ainda é muito forte, mas, com a consciência que está sendo tomada ao redor do mundo, já existe um constrangimento maior pela falta de inclusão de mulheres diretoras de fotografia. “Existe uma sub representação muito grande, que vai aumentando à medida em que o orçamento aumenta também. As mulheres não são chamadas para os filmes de maior sucesso de bilheteria e o único espaço que estava à sua disposição era o cinema independente”, explica.

Em fase de distribuição, é esperado que o documentário seja transmitido em escolas, universidades, cineclubes e em exibições especiais com rodas de debate, para que o tema seja cada vez mais discutido e traga mais conhecimento sobre essa realidade tão desigual. 

Nina Tedesco é professora da Universidade Federal Fluminense e trabalha com audiovisual há mais de 15 anos. Tem experiência nas áreas de direção, roteiro e, principalmente, direção de fotografia. Destacam-se, na sua filmografia, a autoria de argumentos e roteiros de curtas-metragens contemplados em editais e a assistência de direção e a direção de fotografia de O Prólogo, melhor Filme de Longa/média-metragem no Recine – Festival Internacional de Cinema de Arquivo 2013.

Ficha técnica

Produção: Nina Tedesco

Direção, direção de fotografia e captação de som: Luana Farias e Nina Tedesco

Edição de imagem: Jéssica Hartmann e Luana Farias

Edição de som, mixagem e trilha sonora original: Natalia Petrutes

Correção de cor: Jéssica Hartmann

Composição: Vitor Novaes

Designer de créditos: Gianna Larocca

com informações de assessoria

‘Carne’: a difícil realidade de ser uma mulher em premiado curta

“Toda mulher não vive o corpo que ela tem” Em uma sociedade fundamentada em conceitos patriarcais, a mulher precisa encaixar-se no padrão pré-estabelecido. E, quando isso não acontece, ela se torna objeto de violência até mesmo entre as pessoas do mesmo sexo. Camila...

Pequenas, porém diferentes: mulheres, raça e classe e ‘Docinho da América’ e ‘Branquinha’

Há filmes que apresentam uma intencionalidade de representação fiel da realidade, seja por seu uso da linguagem cinematográfica, trama, ou ambos. “Docinho da América” (American Honey, 2016), de Andrea Arnold, e “Branquinha” (White Girl, 2016), de Elizabeth Wood,...

Onde se localiza o mal: interseções entre ‘Elle’ e ‘Nathalie Granger’

"Elle" (2015) e "Nathalie Granger" (1971) são dois filmes que contam com improváveis pontos de interseção. O primeiro, dirigido por Paul Verhoeven, e o segundo, por Marguerite Duras, tratam suas mulheres-centros de ação com uma dubiedade que perturba o espectador por...

Espectador, cinefilia e crítica: o gênero influencia percepções?

O cinema nos transforma na medida em que nos transporta para os universos que cabem em telas. Pela duração do filme, passamos por um fluxo duplo, no qual somos outra pessoa ao passo que mudamos ou reforçamos quem somos através da fruição. Para as cinéfilas, esse...

‘A luz azul’ e as duas faces de um filme que previu a estética nazista no cinema

Leni Riefenstahl é uma diretora intrigante: por um lado, ela é a responsável por “O Triunfo da Vontade” (Triumph des Willens, 1935), o filme de propaganda nazista mais conhecido da história do cinema, o que, por si só, já a colocaria no hall de realizadores a não...

#52filmsbywomen: filmes dirigidos por Mulheres para ver em 2020

Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com...

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...

‘Varda por Agnès’: testamento final de um ser humano raro

Inspiração, criação e compartilhamento.  Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a...

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...