A sociedade brasileira continua profundamente dividida um ano e meio depois de a presidente Dilma Rousseff ter sofrido um impeachment e sido destituída, disse a diretora de um novo documentário sobre o período.

“O processo”, da cineasta Maria Augusta Ramos, mescla filmagens do julgamento de Dilma com imagens de manifestantes favoráveis e contrários a ela nas ruas.

“Ele diz muito sobre o que está acontecendo neste momento”, disse Maria Augusta em uma entrevista concedida nesta quinta-feira (22), um dia depois de sua produção estrear no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim. A exibição aconteceu na mostra Panorama, programação paralela do evento.

“O país continua completamente dividido”, declarou Maria Augusta Ramos.

Dilma, a primeira mulher presidente do Brasil, perdeu o cargo em agosto de 2016, depois de um processo de impeachment que rachou a opinião pública em meio a um escândalo de corrupção e uma crise econômica. Seus aliados sustentam que sua deposição, decorrente das chamadas “pedaladas fiscais”, foi um golpe.

“Quando você tem um golpe parlamentar, isso tem consequências profundas para a sociedade como um todo em todos os níveis, e é isto que estamos vendo agora”, argumentou a diretora.

A democracia está “doente” no Brasil, e o país precisa lidar com grandes questões, disse ela.

“É impossível, quando você tem um golpe de Estado, um golpe parlamentar… acreditar que isso não afetou em nada a democracia.”

Maria Augusta disse esperar que “O processo” ajude os brasileiros a enxergarem estes acontecimentos de uma maneira menos emotiva.

O Brasil terá eleições em outubro e o popular ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva provavelmente será impedido de concorrer devido a uma condenação por corrupção em segunda instância.

“Estou realmente preocupada com as eleições deste ano”, disse Maria Augusta. “Espero sinceramente que tenhamos eleições realmente democráticas e abertas, com todos os candidatos nos quais o povo quer votar, e isso inclui Lula.”

Perto do fim, o documentário ressalta que, nove meses após o impeachment de Dilma, seu sucessor, Michel Temer, foi acusado pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de corrupção.

“A história se repete”, afirmou Maria Augusta, acrescentando que a desilusão e a frustração são predominantes no Brasil.

da Agência Reuters

Facebook Comments