No Festival de Cannes deste ano, Christopher Nolan lançou uma versão especial em 70mm de “2001 – Uma Odisseia no Espaço”, clássico da ficção científica que completa meio século de lançamento em 2018. O diretor de sucessos recentes como a trilogia “O Cavaleiro das Trevas”, “A Origem” e “Dunkirk” ainda se mostra impactado com a experiência e se declarou para o mestre Stanley Kubrick. As informações são do site Indiewire.

Em participação especial no podcast do KCRW, Christopher Nolan admitiu uma adoração incontida em relação a Stanley Kubrick ao afirmar que se trata do maior cineasta de todos os tempos. O diretor indicado ao Oscar deste ano ainda falou como “2001 – Uma Odisseia no Espaço” consegue ter uma força visual mesmo sem a tecnologia do digital dos dias de hoje.

“Há uma profundidade na cor, há uma superioridade na resolução, há uma profundidade nos negros, nos contrastes, em tudo. Quero dizer, existem todos os tipos de coisas que a tecnologia digital não consegue duplicar. Quando você começa a olhar para a história do cinema, a olhar para ‘2001’ e a experiência que pude assistir em um relançamento antecipado, para dar ao público hoje a mesma experiência analógica, eu acho isso muito importante”, declarou Nolan.

Desde a pré-história, um misterioso monólito negro parece emitir sinais de outra civilização, interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas a bordo na nave Discovery é enviada a Júpiter para investigar o enigmático monólito. Esta é a história de “2001 – Uma Odisseia no Espaço”, obra-prima de Kubrick realizada em 1968, auge da corrida espacial e antes da chegada do homem à Lua.

Facebook Comments