Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma das trilhas sonoras mais emocionantes de toda sua filmografia.

LEIA TAMBÉM – “O GAROTO”: ECONOMIA NARRATIVA ENCONTRA SENSIBILIDADE MÁXIMA

No filme de 1931, acompanhamos o desajustado Vagabundo (Chaplin) vivendo duas situações heróicas e embaraçosas. Na primeira, tenta ajudar uma vendedora de flores (Virginia Cherrill) cega a recuperar sua visão, enquanto ela pensa que ele é um ricaço. Na outra, o nosso herói maltrapilho impede o suicídio de um milionário bêbado (Harry Meyers). Quando o burguês fica sóbrio, além de não reconhecer seu salvador, ainda o acusa de ser um aproveitador.

Denominando seu filme de pantomima logo nos créditos iniciais, Chaplin parece esquecer que na doçura das ações de seu personagem icônico junto à florista faz de “Luzes da Cidade” também um belo romance. As duas subtramas poderiam fazer do filme um remendo, mas, na verdade, fluem maravilhosamente bem por serem divididos entre o dia e a noite.

CONCLUSÃO PERFEITA

É interessante como a música de “Luzes da Cidade” dialoga com a história para criar uma atmosfera frenética: se de dia temos a rotina do trabalho e de um cotidiano conformado, a noite nos deparamos com a desforra. Chaplin não deixa de alfinetar a soberba de uma sociedade luxuriante, preconceituosa e desinteressada no sofrimento dos miseráveis. O Vagabundo é motivo de chacota e, ao mesmo tempo, involuntariamente zomba da elite, como no momento em que é descoberto dormindo em uma estátua escandalizando a todos.

Não deixa de ser tocante observarmos como o Vagabundo vai agarrando as oportunidades para tentar se encaixar em algum papel, além de ajudar sua paixão. Isso gera gags orgânicas e momentos que se tornaram antológicos na história do cinema como a cena da luta de boxe ou quando ele fica descontente com um elefante quando está trabalhando na limpeza pública.

LEIA TAMBÉM – “EM BUSCA DO OURO”: EQUILÍBRIO PRECISO ENTRE HUMOR PASTELÃO E MELANCOLIA

Insistindo em manter o filme sem diálogos, mesmo com o cinema já possibilitando essa oportunidade – “O Cantor de Jazz” já tinha feito sua estreia quatro anos antes – Chaplin consegue com maestria na conclusão de mais uma obra-prima arrancar lágrimas na junção perfeita de música e um momento tão bonito como a primeira vez que a Florista reconhece o Vagabundo – e não é à toa que ele repetiu o take até se cansar, em busca de um perfeccionismo que parecia não encontrar. Salientando como o coração de “Luzes da Cidade” residia nos olhares de seus protagonistas, por hora perdidos e agora se encontrando e se reconhecendo.

“Luzes da Cidade” é um filme maravilhoso, cheio de histórias e problemas durante sua produção, mas que merecidamente tem o seu lugar garantido nos clássicos da história do cinema.

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...

‘O Garoto’: economia narrativa encontra sensibilidade máxima de Chaplin

Um lugar-comum que vez por outra é repetido por quem trabalha com cinema é que não se dá para realmente dirigir crianças e animais. Em frente à câmera, eles vão mais ou menos fazer o que eles querem. Bem, talvez hoje em dia seja um pouco mais fácil dirigir crianças,...

‘O Anjo Exterminador’: a rebelião da alta sociedade em confinamento

Grandes obras de arte têm o poder de atravessar o tempo mantendo o seu discurso e estilo tão potentes quanto na época em que foram lançadas. Casos assim são exemplos da capacidade do artista em observar o seu tempo, o comportamento da sociedade em que vive, e daí...

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...

‘Estação Central de Cairo’: revolução do cinema egípcio ecoa ainda hoje

Um jornaleiro com deficiência e uma vendedora de mente aberta e sexualmente bem-resolvida não parecem escolhas estranhas para protagonistas em 2019, porém, no Egito dos anos 1950, eles eram tão controversos quanto poderiam ser. No entanto, a decisão de criar uma...