Em tempos de pandemia de Covid-19 e isolamento social, é curioso assistirmos filmes que nos entretém explorando outros tipos de paranoia e ansiedade que costumavam ser mais fortes. Como 7500, suspense da Amazon Prime Video sobre o medo do terrorismo aéreo. Passados quase 20 anos dos atentados de 11 de Setembro, essa sensação já diminuiu, foi substituída recentemente no imaginário popular por vírus e doenças. Mas ela ainda provoca insegurança em passageiros do mundo todo.

7500, do diretor alemão Patrick Vollrath, se alimenta dessa sensação de forma engenhosa… ao menos pela sua primeira metade. No filme, Joseph Gordon-Levitt vive o piloto norte-americano Tobias, que está conduzindo um voo partindo de Berlim, onde mora com a esposa, junto com o comandante Michael (Carlo Kitzlinger). De repente, após a decolagem, sujeitos armados com cacos de vidro tentam arrombar a porta e entrar na cabine. Logo Tobias descobre que são terroristas… e é isso. Por 90 minutos, acompanhamos os esforços do protagonista para impedir que os terroristas assumam o comando do avião. E exceto por alguns poucos planos durante os créditos de abertura, nos quais vemos os sujeitos com pinta de muçulmanos andando pelo aeroporto, e o plano final do filme, todo o resto da experiência que o espectador presencia se passa dentro da cabine, em tempo real.

Estamos juntos com Tobias o tempo todo, e ele dispõe apenas de um monitorzinho em preto-e-branco para acompanhar o que está acontecendo no avião. É quando 7500 se configura como um efetivo exercício de suspense, e bem claustrofóbico, claro. A direção de Vollrath é bem competente do ponto de vista visual, pois o diretor consegue explorar o cenário da cabine em vários ângulos sem tornar a experiência enfadonha. Toda a ação dentro da cabine é exemplarmente encenada.

O som também é uma ferramenta poderosa no filme: as batidas constantes na porta geram angústia no espectador, assim como os gritos e barulhos ouvidos pelo fone do protagonista. O som também é usado para gerar suspense, com os alarmes e ruídos do avião, durante uma cena tensa e crucial lá pela metade do longa. E, a propósito, o filme não tem trilha sonora instrumental.

Mas o grande atrativo do filme é a atuação de Gordon-Levitt. De novo, o ator oferece um ótimo trabalho, transmitindo o profissionalismo do seu personagem no início e todos os estados de tensão no decorrer da história. Seu desempenho está sempre na medida, sempre imerso na situação. Mais do que a direção, até, é Gordon-Levitt quem conduz o espectador até o final de 7500.

FRAGILIDADES DA METADE FINAL

Tudo vai bem até a metade do filme… Mas aí problemas de caracterização do roteiro e algumas conveniências começam a esvaziar a tensão inicial. A caracterização dos terroristas é problemática: são malvadões unidimensionais que querem destruir o Ocidente por causa do clichê religioso. Não há nuance entre eles, e quando o roteiro – de autoria de Vollrath e Senad Halilbasic – tenta introduzir alguma, acaba metendo os pés pelas mãos e indo para o outro extremo, na forma de um questionável terrorista “arrependido”, Vedat, vivido pelo jovem ator Omid Memar, uma figura extremamente inverossímil numa situação como esta. As interações entre Tobias e Vedat não vão além do óbvio – nem o fato do protagonista ser americano é explorado para criar tensão nessa altura do filme, aliás.

Essas opções narrativas tiram o espectador do filme e o resultado final acaba sendo um experimento narrativo, mais do que uma história realmente capaz de engajar. 7500 é um entretenimento razoável, mas é uma pena que a boa condução da primeira metade não se sustente até o fim. O que poderia ser um filme poderoso sobre um real medo da sociedade moderna acaba se configurando apenas num mero exercício. Bem realizado e que até consegue entreter quem busca uma opção para um sábado à noite no Prime Video… Mas que não consegue deixar o espectador realmente paranoico. Bem, dadas as circunstâncias atuais, isso não pode ser considerado tão ruim…

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...

‘Extratos’: a melancolia de uma fuga pela existência

Dois gigantes do cinema brasileiro juntos em fuga da repressão pesada da ditadura militar compõe o documentário “Extratos”, dirigido por Sinai Sganzerla e selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. Mais do que o...

‘Wander Vi’: protagonista segura filme no limite do correto

Candidato do Distrito Federal na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Wander Vi”, de Augusto Borges e Nathalya Brum, é, ao lado de “Blackout”, verdadeira incógnita desta seleção. Trata-se, sem dúvida, de uma produção com boa...