Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de imagens e da linguagem que é própria ao cinema. A diretora se apropria da arte para transformar questões pessoais em situações inerentes a todos os seres humanos como a brevidade da existência, a imensidão de nossos sentimentos e a própria vida. 

Por isso, é difícil definir “A Metamorfose dos Pássaros”: o que temos é uma verdadeira obra de arte, utilizando composições sensoriais e etéreas para dialogar conosco. Não é a toa que a obra conquistou o prêmio da Federação Internacional de Críticos (Fipresci), na edição de 2020 do Festival de Berlim. 

Vasconcelos conta a história de sua família em três momentos distintos. Na primeira fase, acompanhamos o casal Henrique e Beatriz, carinhosamente chamada de Triz. Vemos sua história de amor alicerçada em concessões e apoio incondicional que termina resultando no distanciamento corpóreo e emocional do casal. Tal aspecto é importante para compreendermos a relação de Jacinto, filho do casal, com o mundo e com a mãe. Para finalmente, chegarmos ao último momento do longa-metragem: a ligação de Vasconcelos com sua família. 

Em todos esses instantes, a diretora destaca as angústias, preocupações e realizações dos habitantes de seu clã. A narrativa em off utilizada durante toda a produção auxilia para que sintamos o que o narrador-personagem perpassa. E como se fossemos co-participantes de suas memórias, especialmente, se notarmos que as imagens estão dispostas como um álbum de família: imagens estáticas com filtros que remetem à fotografia analógica e atenta a detalhes que facilmente seriam editados ou ignorados na era das fotos digitalizadas captadas da câmera de um smartphone. 

Além disso, as imagens são potencializadas por amparar, proteger e perpetuar a memória contra a força implacável do tempo. Vasconcelos conta a sua história e nos leva a pensar em nossa própria ancestralidade, naquilo que levamos e guardamos de nossos parentes mais próximos e isso se manifesta na narração. As palavras discorridas possuem a ânsia de encontrar um interlocutor que as compreenda, as absorva. 

RETRATO ÍNTIMO E UNIVERSAL

Deve ser por isso que ao casá-las com as imagens, a sensação que fica é vívida, pulsante, libertadora e dolorosa. Porque entendemos que, na vida real, amar pode doer e deixar feridas que nos acompanham por toda a existência. De um lado, por exemplo, temos o amor de um casal que é sôfrego pela individualidade imposta. Por outro lado, temos dois filhos que precisam lidar com o luto, e, em todas essas facetas, o roteiro é perspicaz em conduzir a reflexões e o peso de amar.

A narrativa não linear e a cadência com que os fatos são apresentados contribuem para que percebamos até mesmo o que não é dito. O avançar, desacelerar e estado de suspensão de alguns momentos são equiparados com maestria a nossa memória, por isso simbologias que poderiam ser óbvias – como a tentativa de levantar uma árvore caída – ganham novos significados e criam uma aura mágica laureada com cuidado e a técnica precisa para construir uma trajetória cinematográfica.

Toda essa complexidade narrativa reveste-se de questões simples do cotidiano e da própria existência humana. Vasconcelos traz um relato íntimo, mas com alto poder de identificação e de empatia que tornam a obra universal, enfim, uma verdadeira poesia imagética. Uma carta de amor e libertação de seus ancestrais.

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...