Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de imagens e da linguagem que é própria ao cinema. A diretora se apropria da arte para transformar questões pessoais em situações inerentes a todos os seres humanos como a brevidade da existência, a imensidão de nossos sentimentos e a própria vida. 

Por isso, é difícil definir “A Metamorfose dos Pássaros”: o que temos é uma verdadeira obra de arte, utilizando composições sensoriais e etéreas para dialogar conosco. Não é a toa que a obra conquistou o prêmio da Federação Internacional de Críticos (Fipresci), na edição de 2020 do Festival de Berlim. 

Vasconcelos conta a história de sua família em três momentos distintos. Na primeira fase, acompanhamos o casal Henrique e Beatriz, carinhosamente chamada de Triz. Vemos sua história de amor alicerçada em concessões e apoio incondicional que termina resultando no distanciamento corpóreo e emocional do casal. Tal aspecto é importante para compreendermos a relação de Jacinto, filho do casal, com o mundo e com a mãe. Para finalmente, chegarmos ao último momento do longa-metragem: a ligação de Vasconcelos com sua família. 

Em todos esses instantes, a diretora destaca as angústias, preocupações e realizações dos habitantes de seu clã. A narrativa em off utilizada durante toda a produção auxilia para que sintamos o que o narrador-personagem perpassa. E como se fossemos co-participantes de suas memórias, especialmente, se notarmos que as imagens estão dispostas como um álbum de família: imagens estáticas com filtros que remetem à fotografia analógica e atenta a detalhes que facilmente seriam editados ou ignorados na era das fotos digitalizadas captadas da câmera de um smartphone. 

Além disso, as imagens são potencializadas por amparar, proteger e perpetuar a memória contra a força implacável do tempo. Vasconcelos conta a sua história e nos leva a pensar em nossa própria ancestralidade, naquilo que levamos e guardamos de nossos parentes mais próximos e isso se manifesta na narração. As palavras discorridas possuem a ânsia de encontrar um interlocutor que as compreenda, as absorva. 

RETRATO ÍNTIMO E UNIVERSAL

Deve ser por isso que ao casá-las com as imagens, a sensação que fica é vívida, pulsante, libertadora e dolorosa. Porque entendemos que, na vida real, amar pode doer e deixar feridas que nos acompanham por toda a existência. De um lado, por exemplo, temos o amor de um casal que é sôfrego pela individualidade imposta. Por outro lado, temos dois filhos que precisam lidar com o luto, e, em todas essas facetas, o roteiro é perspicaz em conduzir a reflexões e o peso de amar.

A narrativa não linear e a cadência com que os fatos são apresentados contribuem para que percebamos até mesmo o que não é dito. O avançar, desacelerar e estado de suspensão de alguns momentos são equiparados com maestria a nossa memória, por isso simbologias que poderiam ser óbvias – como a tentativa de levantar uma árvore caída – ganham novos significados e criam uma aura mágica laureada com cuidado e a técnica precisa para construir uma trajetória cinematográfica.

Toda essa complexidade narrativa reveste-se de questões simples do cotidiano e da própria existência humana. Vasconcelos traz um relato íntimo, mas com alto poder de identificação e de empatia que tornam a obra universal, enfim, uma verdadeira poesia imagética. Uma carta de amor e libertação de seus ancestrais.

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...