Quando assisti “Joan Didion: The Center Will Not Hold” – documentário sobre Joan Didion disponível na Netflix –, percebi que adentrar no universo da escritora é uma tarefa um tanto complexa. Pelo visto, muitos cineastas possuem esse mesmo sentimento, visto que, apesar da vasta produção dela, apenas duas foram adaptadas para o cinema. A primeira, “O Destino que Deus me deu” em 1972, dirigida pelo seu companheiro – John Gregory Dunne – e a segunda, em 2020, por Dee Rees (“Mudbound”, “Pariah”), que assina também o roteiro.

“A Última Coisa que Ele Queria” acompanha a trajetória de Elena McMahon (Anne Hathaway), uma jornalista política que cobre as revoluções da América Central na década de 80. Eventualmente, ela abandona sua carreira para ajudar o pai (Willem Dafoe), quando este adoece. É neste intrincado de informações que o roteiro de Dee Rees, em parceira com Marco Villalobos, começa a desandar.

ROTEIRO SEM FOCO

Em quase duas horas de duração, o filme cobre em torno de uma década da vida de McMahon, que, infelizmente, só se torna conhecido devido a um curto diálogo recalcado entre ela e seu pai. A personagem passa por duras complicações como a morte de sua mãe, a difícil criação de sua filha adolescente e um diagnóstico de câncer de mama, que são apenas pincelados na construção de identidade da protagonista. A solução do roteiro é conectar todos estes perrengues com coincidências rasas que movimentam de forma forçada a trama política.

Isso choca ao pensar que os trabalhos anteriores de Dee Rees apresentam personagens complexos que eram definidos por seus relacionamentos familiares disfuncionais, que realmente causavam sensações incômodas positivas no público. Em “A Última Coisa que Ele Queria”, no entanto, as relações familiares acabam por fazer a personagem se contradizer e criam narrativas paralelas que não convergem no mesmo ritmo e nem para o mesmo final da trama principal. O filme perde força, porque a escolha de contar a história desse jeito não gera a empatia necessária para segurar a trama. O resultado é que nada se conecta: as tramas ficam flutuantes e a narrativa de perde.

A parceria Anne Hathaway/Dee Rees

Apesar dessa construção problemática, é preciso salientar que Dee Rees brilha na direção de “A Ultima Coisa Que Ele Queria”. Ela possui um olhar narrativo delicado, capaz de obter as expressões e entregas mais complexas de sua equipe. A sensibilidade da cineasta é visível nessa produção e cria o ambiente que, infelizmente, seu roteiro não consegue aproveitar. A direção, no entanto, é o que consegue despertar curiosidade no espectador e sustentar sua frágil relação com a produção.

Um exemplo disso são as cores utilizadas em cena. Enquanto McMahon se mantém firme em seus ideais e a trama política flui, a cor vermelha e os tons terrosos compõem o cenário e figurinos, demonstrando a força e intensidade da personagem. Conforme o filme vai avançando, no entanto, o vermelho cede espaço ao azul e a tons mais sombrios, denotando não apenas o momento em que a protagonista se perde, mas que o próprio filme começa a desandar.

Quem também consegue apresentar um desempenho positivo na trama é Anne Hathaway. Ela entrega uma composição madura na qual os traumas da personagem podem ser tocados em cena, mesmo sem ela entregar suas dores por meio das palavras e sem conhecermos realmente sua trajetória. Seu olhar confiante e sua postura temerária revelam as camadas complexas que compõem a personagem. Dee Rees realmente extrai o que há de melhor na atriz, uma pena que o mesmo não possa ser dito sobre o seu roteiro.

“A Última Coisa que Ele Queria” apresenta-se como um filme frágil, que tenta construir um thriller político empolgante, mas incapaz de decolar. Realmente a complexidade da narrativa de Joan Didion ainda não conseguiu ser transposta para o cinema.

Filmografia Tim Burton: Os 10 Melhores Filmes e o Pior

Aproveitando a estreia de "Dumbo" nos cinemas, Caio Pimenta traz uma lista com o melhor e o pior de Tim Burton.https://www.youtube.com/watch?v=k4KTeTA30Bw

Filmografia Jordan Peele: o cara do terror no cinema americano

Jordan Peele se consolida um dos grandes nomes da atualidade dentro do cinema americano com a estreia de "Nós" .Caio Pimenta traz a trajetória dele na nova filmografia do Cine Set.https://www.youtube.com/watch?v=ch835vK-k2s

Filmografia Liam Neeson: consegue ou não superar o escândalo racial?

Caio Pimenta analisa a carreira e o momento complicado de Liam Neeson após o escândalo racial causado durante a divulgação de "Vingança a Sangue Frio".https://www.youtube.com/watch?v=7FyjWpFsBbo

Filmografia Brie Larson: da música pop ao Oscar até Capitã Marvel

Ganhadora do Oscar por "O Quarto Jack", Brie Larson traz uma carreira iniciada na infância para encontrar o auge da popularidade em "Capitã Marvel". Caio Pimenta traz todos os detalhes desta trajetória curta, mas, com grandes momentos neste videocast....

Especial Wes Anderson: O Grande Hotel Budapeste (2014)

Meu olhar de cinéfilo hipster em relação O Grande Hotel Budapeste não é de enxergá-lo como a obra favorita de Wes Anderson, cargo que pertence ao Fantástico Senhor Raposo. Nem mesmo, a que mexe intensamente com as minhas emoções, função exercida pela A...

Ingrid Bergman: a sueca que mostrou que há vida fora de Hollywood

Bergman, Lumet, Rossellini, Hitchcock, Renoir. Apenas o mencionar de um desses sobrenomes em uma conversa já é capaz de levantar as sobrancelhas de qualquer cinéfilo. E não é exagero nenhum dizer que qualquer ator de certo renome que tenha em sua...

Especial Wes Anderson: Moonrise Kingdom (2012)

"Moonrise kingdom" (2012) é o primeiro filme de Wes Anderson que poderíamos classificar explicitamente como infantil. Ainda que tenha dirigido a animação "O Fantástico Senhor Raposo" (2011) no ano anterior, e expresso tramas que perpassam o universo...

Especial Wes Anderson: ‘Viagem a Darjeeling’ (2007)

Meu primeiro contato com Viagem a Darjeeling foi através do curta Hotel Chevalier. Nele, os personagens de Jason Schwartzman e Natalie Portman (que faz uma ponta no finalzinho de Darjeeling) encontram-se, antes da viagem que os três irmãos farão na Índia,...

Especial Wes Anderson: ‘A Vida Marinha com Steve Zissou’ (2004)

Visual marcante e diálogos significativos: estes são os dois elementos são grandes norteadores das histórias assinadas por Wes Anderson. Muitos filmes do cineasta americano apresentam argumentos aparentemente simples e que, algumas vezes, lembram tramas...

Especial Wes Anderson: Os Excêntricos Tenenbaums (2001)

Excentricidade. Essa palavra combina bem com Wes Anderson. O terceiro filme da carreira do cineasta norte-americano ressalta as estranhezas, sutilezas e experimentações que o estilo narrativo e estético de Anderson ditam. É excepcional como ele consegue...