A figura do Fora-da-lei faz parte do imaginário do público do cinema através de filmes marcantes. Dos mafiosos Scarface à família Corleone passando por Bonnie e Clyde ao brasileiro Mané Galinha, de “Cidade de Deus”, exemplos não faltam deste tipo de personagens icônicos na Sétima Arte.  Da Austrália, o mais famoso é Ned Kelly, o qual já teve versões estreladas por Mick Jagger (sim, o líder dos Rolling Stones) e Heath Ledger.

Agora, o diretor Justin Kurzel (do ótimo “Macbeth” e do terrível “Assassins Creed”) apresenta uma nova versão, desta vez, protagonizada por George MacKay, conhecido mundialmente após estrelar “1917”. Dividindo a trama em atos, “A Verdade História de Ned Kelly” troca o tradicional “Baseado em fatos reais” por “Nada do que está prestes a ver é verdadeiro”. Com isso, podemos, de antemão, abraçar que a obra não tem compromisso em ser uma adaptação fidedigna aos fatos, o que, por outro lado, não significa que Kurzel abre mão de debater a mítica construída ao redor de um personagem histórico e, de algum modo, representar a origem de sua natureza violenta.

Partindo da perspectiva do protagonista e contando com uma narração em off, acompanhamos parte da infância de Ned (interpretado por Orlando Schwerdt) e sua vida adulta (MacKay) até seu triste fim. O diretor, junto de um belo design de produção aliada a fotografia de Ari Wegner (“Lady Macbeth”), cria uma atmosfera onírica que passeia pelas memórias do assaltante e destrincha sua relação com a mãe Ellen, interpretada com intensidade por Essie Davis (“Babadook”).

O elo de Ned Kelly com a mãe e os traumas adquiridos em sua relação com o pai fortalece uma espécie de laço edipiano entre Ellen e o filho. Em todos os momentos decisivos da vida do rapaz, a mãe tem forte influência, sendo ela a responsável por criar uma aura mítica de que ele possui um destino a cumprir.

SÉRIAS DERRAPADAS

George MacKay constrói muito bem seu Ned Kelly, entregando camadas e motivações plausíveis ao personagem. Ao crescer em meio à miséria, o anti-herói se dá conta de que deveria lutar pelos seus e isso fica mais evidente em um momento em que vemos um policial apontando uma arma para seu filho, um bebê de colo. Com introspecção e vitalidade, Kelly é duro quando se entrega à violência seja ao lutar boxe ou executar friamente oficiais da lei. Mas também não deixa de ser intenso quando ama nas cenas com a namorada.

O diretor com o roteiro escrito por Shaun Grant também traz complexidade para os personagens que cercam ou que passam pela vida de Ned Kelly. Interpretados por gente de peso como Russel Crowe (Harry Power) e Charlie Hunnam (Sgt. O’Neill), eles funcionam como espécies de figuras paternas e modelos masculinos do assaltante. Pessoas com momentos afetuosos, mas, capazes de cometer atos condenáveis logo em seguida. Pena figuras tão interessantes com pouco tempo de tela.

Isso, entretanto, não impede que o roteiro tenha suas graves derrapadas. A formação da gangue de Ned, por exemplo, é brusca e seu modo de agir quase não é explorado e, quando nos damos conta, já estamos em um clímax. Apesar de belos, os tiroteios são confusos em nome de uma estética que beneficia o visual, mas não a compreensão de quem está assistindo.

Com humanidade e intensidade nos personagens, “A Verdadeira História de Ned Kelly” poderia ter explorado melhor as possibilidades em uma história com mais vigor. Esmiuçando o seu protagonista de maneira confusa, o western acaba soando pretensioso.

‘The Twentieth Century’: alegoria fascinante de um Canadá estranho

Raramente se conhece como calçados e cactos influenciam o governo de um país, mas "The Twentieth Century” mostra exatamente isso. O filme de estreia de Matthew Rankin, parte da ousada seleção do último Festival de Berlim, é um sonho delirante, altamente...

‘The Fall’: Jonathan Glazer em curta duração e impacto

Jonathan Glazer é um diretor que, goste-se ou não, possui uma maneira particular de realizar cinema. Seus filmes são calcados nas suas composições visuais inusitadas, e na criação de atmosfera auxiliada por processos de montagem que a princípio soam convencionais para...

‘Você Nem Imagina’: agradável e irregular romance adolescente

Há dois pontos que ficam claros em Você Nem Imagina, novo romance adolescente da Netflix: o primeiro é que a sua realizadora Alice Wu foge do feijão com arroz tradicional dos coming of age (filmes de amadurecimento) lançados pela plataforma. Existe uma preocupação...

‘O Caminho de Volta’: Ben Affleck se destaca em filme médio

Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de...

‘Wendy’: no limbo da indecisão entre o infantil e o adulto

Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o...

‘Capone’: a esquisitice brilhante de Tom Hardy vale o filme

Alguma coisa está acontecendo com Tom Hardy. Sempre foi um bom ator – daqueles discípulos do método Stanislavski, se imerge no personagem e não sai dele – e especializado em tipos intensos, às vezes atormentados, às vezes até vilanescos. Mas aí em 2018 o cara fez o...

‘Emma’: adaptação irritante com Anya Taylor-Joy robótica

Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da...

‘Ilha da Fantasia’: candidato a episódio dos piores de ‘Lost’

“O avião! O avião!”. Essa fala e o anão Tattoo são os elementos mais lembrados do seriado da TV Ilha da Fantasia dos anos 1970. Esses elementos são suficientes para garantir a produção de uma nova versão, destinada ao grande público de cinema de hoje? Bem, alguém...

‘Sete Dias Sem Fim’: filme certo para relaxar na quarentena

 Sete Dias Sem Fim é o típico filme que você passa diversas vezes por ele no catálogo da Netflix, lê a sinopse sem dá qualquer bola para ela e decide escolher outra produção para ver no final das contas. É verdade que o resumo disponibilizado pela plataforma não ajuda...

‘Never Rarely Sometimes Always’: sororidade na angústia do aborto

Particularmente assistir produções que tenham como temáticas ou subtextos o aborto é emocionalmente desgastante. Mesmo quando elas têm um tom mais leve como “Aprendendo com a Vovó”, por exemplo, a carga emocional e unilateral que esse tipo de jornada narra me deixam...