Depois de ‘MIB’ e ‘O Iluminado’, a franquia ‘As Panteras’ ganhou reboot neste ano, sendo quase um revival da série e longas anteriores. Apesar de encarar um público saturado de remakes e antigas propostas recicladas de Hollywood, a produção consegue se tornar relevante e justificar sua existência. Entretanto, para isto ser possível, o roteiro beira o simplismo na tentativa de emplacar o trio de protagonista, o que é feito com muita dificuldade.

Nesta versão, a trama apresenta uma Bosley mulher (Elizabeth Banks) comandando as Panteras em uma grande e perigosa missão. Assim, as veteranas Sabina (Kristen Stewart) e Jane (Ella Balinska) aprendem a trabalhar com Elena (Naomi Scott), alvo de uma grande empresa após denunciar um perigoso programa de energia.

Desde os primeiros minutos, “As Panteras” luta para emplacar as três protagonistas como novos rostos da franquia e, mesmo com a ótima escolha de elenco, a construção das personagens não colabora em nada para esta causa. Jane é apresentada como a mais calculista do trio, porém seus momentos de humor se revelam muito bons perto das tentativas dadas à Sabina, a qual é obviamente o alívio cômico juntamente de Elena. Aqui, além das cenas vergonhosas de humor, o principal problema é que as personagens não possuem momentos suficientes para aprofundar suas trajetórias pessoais. Assim, todo carisma necessário para o trio demora até ser vislumbrado pelo público.

Como se isso já não bastasse, as cenas de ação não apresentam grandes novidades, apesar de serem bem filmadas. Fechando este arco, a montagem do filme cria inúmeros momentos de transição com a trilha sonora e imagens de um novo país explorado pelas protagonistas, o que se torna essencialmente cansativo.

Empoderamento até a última gota

Presente no próprio nome do filme, o empoderamento presente no filme reflete em diferentes elementos da produção. Desde a trilha sonora feita unicamente por mulheres até a negação da hipersexualização feminina, Banks, como diretora e roteirista, insiste em deixar sua marca na franquia. Assim, o roteiro ganha diálogos mais simbólicos e situações que tocam em diversas feridas do universo feminino como a descredibilização da mulher e rivalidade feminina.

A ideia de ser uma continuação, na verdade, é aproveitada como uma forma de atualizar as narrativas dos antigos filmes para a atualidade. Desta forma, diversas homenagens e easter eggs são feitos relembrando as produções anteriores de forma muito respeitosa e apropriada, criando uma boa relação com o público. Outro fator que também ajuda nesta dinâmica é a presença de rostos conhecidos: além de Noah Centineo e Sam Claflin, as cenas pós-crédito relevam boas surpresas.

Apesar de não ter recebido uma resposta positiva nas bilheterias, “As Panteras” vale a ida ao cinema se você busca uma história simples e divertida. Mesmo com uma nova roupagem e elenco, a proposta iniciada em 1976 ganhou mais um importante capítulo, o qual consegue preservar a premissa de mulheres como protagonistas em uma trama de ação. Em um ano cheio de tantos remakes e reboots ruins, ‘As Panteras’ é a menor das preocupações.

‘Você Nem Imagina’: agradável e irregular romance adolescente

Há dois pontos que ficam claros em Você Nem Imagina, novo romance adolescente da Netflix: o primeiro é que a sua realizadora Alice Wu foge do feijão com arroz tradicional dos coming of age (filmes de amadurecimento) lançados pela plataforma. Existe uma preocupação...

‘O Caminho de Volta’: Ben Affleck se destaca em filme médio

Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de...

‘Wendy’: no limbo da indecisão entre o infantil e o adulto

Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o...

‘Capone’: a esquisitice brilhante de Tom Hardy vale o filme

Alguma coisa está acontecendo com Tom Hardy. Sempre foi um bom ator – daqueles discípulos do método Stanislavski, se imerge no personagem e não sai dele – e especializado em tipos intensos, às vezes atormentados, às vezes até vilanescos. Mas aí em 2018 o cara fez o...

‘Emma’: adaptação irritante com Anya Taylor-Joy robótica

Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da...

‘Ilha da Fantasia’: candidato a episódio dos piores de ‘Lost’

“O avião! O avião!”. Essa fala e o anão Tattoo são os elementos mais lembrados do seriado da TV Ilha da Fantasia dos anos 1970. Esses elementos são suficientes para garantir a produção de uma nova versão, destinada ao grande público de cinema de hoje? Bem, alguém...

‘Sete Dias Sem Fim’: filme certo para relaxar na quarentena

 Sete Dias Sem Fim é o típico filme que você passa diversas vezes por ele no catálogo da Netflix, lê a sinopse sem dá qualquer bola para ela e decide escolher outra produção para ver no final das contas. É verdade que o resumo disponibilizado pela plataforma não ajuda...

‘Never Rarely Sometimes Always’: sororidade na angústia do aborto

Particularmente assistir produções que tenham como temáticas ou subtextos o aborto é emocionalmente desgastante. Mesmo quando elas têm um tom mais leve como “Aprendendo com a Vovó”, por exemplo, a carga emocional e unilateral que esse tipo de jornada narra me deixam...

‘A Assistente’: o retrato dos abusos na indústria do cinema

Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A...

‘Devorar’: senhoras e senhores, conheçam Haley Bennet

O título nacional do filme Devorar é impreciso e sensacionalista, como muitas vezes acontece. O original em inglês é “Swallow”, que significa literalmente “engolir”, e esse é o drama na vida na protagonista da história. É um filme que combina um olhar sobre um...