Em 26 de novembro de 2008, terroristas paquistaneses iniciaram uma série de ataques em solo indiano que chegaram a durar quatro dias. Bombaim, a cidade atingida, virou de cabeça para baixo devido a mais de uma centena de mortes e ao terror. Um dos maiores alvos foi o famoso Hotel Taj Mahal, devido à quantidade de turistas de várias partes do mundo hospedados. Terroristas armados com rifles e granadas, e recebendo instruções por telefone, invadiram o hotel, saíram matando funcionários e hóspedes e fizeram reféns. Os eventos daquele terrível momento, com ênfase nas 12 horas em que transcorreram o drama do hotel, são recontados em Atentado ao Hotel Taj Mahal, co-produção entre Índia e Austrália comandada pelo diretor Anthony Marras.

Trata-se de um perfeito exemplar de “cine-mundi”: na produção e no elenco, há pessoas de várias nacionalidades. Durante a projeção, diferentes línguas são ouvidas: definitivamente não é um filme daqueles onde todo mundo fala inglês. Dentre os atores, temos alguns rostos conhecidos: Dev Patel, Armie Hammer, Jason Isaacs… Mas esses nomes estão ali em nome da história, da recriação daquele momento histórico. Isso é o mais importante. As atuações, completamente naturalistas, servem a esse propósito.

E felizmente, Marras e sua equipe demonstram respeito e inteligência ao efetuar essa recriação. Pegando inspiração em lições de cineastas que abordaram o tema do terrorismo e recriaram eventos parecidos, como o italiano Gillo Pontecorvo e o inglês Paul Greengrass, Marras mantém sua câmera em movimento, como um observador camuflado, seguindo personagens, escondendo-se quando eles se escondem, tranquila no início do filme e mais desesperada no final. Ele não chega realmente a desenvolver nenhum personagem dentro da narrativa – o de Patel é o único que apresenta um pequeno, e tocante, desenvolvimento. E ainda bem, nenhum personagem é transformado em herói de ação. Mas nota-se que esse não é o objetivo do diretor. Seu objetivo é o de imergir no momento, no evento, e nisso ele é muito bem auxiliado pelo trabalho fluido de montagem – O próprio Marras é creditado como montador, ao lado de Peter McNulty.

IMERSÃO TOTAL

É um filme forte, até difícil de assistir em alguns momentos: algumas das melhores cenas se configuram em verdadeiros exercícios de suspense. Praticamente todas as cenas envolvendo um bebê e sua babá se escondendo dos assassinos provocam um grande nervosismo. Atentado ao Hotel Taj Mahal não se furta a recriar a barbárie, e em nome disso até joga algumas surpresas ao espectador: nem os atores famosos do filme e seus personagens estão imunes à morte, e quase sempre ela vem rápida e sem sentido.

Apesar dessas qualidades, o filme acaba incorrendo também em alguns estereótipos meio típicos do cinema: há o ricaço russo misterioso, um dos terroristas sofre de uma pequena crise de consciência – uma tentativa até louvável de injetar um pouco de profundidade aos vilões da trama, mas que acaba não sendo tão desenvolvida. Mesmo com esses deslizes, o filme acaba nos trazendo de volta à experiência, com uma cena bastante dramática ou com o uso pontual e inteligente de noticiários da época que servem para fornecer informações ao espectador.

O tom do filme é apolítico, na verdade. O roteiro não explora de fato as razões por trás dos atentados, nem o espectador sai da sessão com uma compreensão um pouco maior da sempre complicada relação entre Índia e Paquistão. O resultado é uma experiência não muito profunda, mas que consegue encontrar – e celebrar – alguns momentos de coragem e humanidade entre o terror e a carnificina. E acima de tudo, Atentado ao Hotel Taj Mahal sobrevive como cinema e pelas suas cenas tensas e fortes, que devem ficar por um bom tempo na memória do espectador.

Entrevista: Kristina Grozeva e Petar Valchanov, diretores de ‘The Father’

“The Father”, novo filme dos diretores Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foi o vencedor do Globo de Cristal, prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. A produção búlgara acompanha a história de Vasil, um homem de idade avançada que acaba de...

Entrevista: Felipe Ríos Fuentes, diretor de ‘El Hombre del Futuro’

O diretor chileno, Felipe Ríos Fuentes, lançou seu primeiro longa da carreira, “El Hombre del Futuro”, na mostra competitiva do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019. A produção recebeu uma menção especial do júri por conta do emocionante desempenho da...

‘Bandidos na TV’: diretores falam sobre os desafios de fazer a série

Manaus é palco da primeira série documental em português da Netflix. Intitulada ‘Bandidos na TV’, a produção estreia no próximo dia 31 de maio e vai contar a história do ex-deputado estadual mais bem votado da história do Amazonas e também apresentador de TV, Wallace...

Dedé Santana: o ajudante do palhaço que moldou o humor nacional

Durante mais de três décadas, os “Trapalhões” dominaram a comédia brasileira na televisão e no cinema. Responsáveis pela diversão de crianças e adultos, o grupo formado por Didi, Dedé, Mussum e Zacarias lotou as salas de exibição do Brasil inteiro. A trupe possui...

Entrevista: Gabriela Amaral Almeida, de ‘A Sombra do Pai’

O novo filme de Gabriela Amaral Almeida, "A Sombra do Pai", chega aos cinemas nacionais nesta quinta-feira (2). Manaus ainda aguarda um pouquinho: somente dia 16, através do projeto Caixa de Pandora, no Cinépolis do Millenium Shopping. A produção premiada...

Karim Ainouz e a esperança de uma nova vida em ‘Aeroporto Central’

Estradas e aeroportos são figuras recorrentes que permeiam as buscas e transformações dos personagens no cinema de Karim Aïnouz, cineasta brasileiro responsável por filmes como “Madame Satã”, “O Céu de Suely”, “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo”,...

‘O Clube dos Canibais’ leva boa fase do terror brasileiro para o Festival de Londres

Em uma noite de quarta-feira, uma sala de cinema no coração de Londres lota de espectadores ansiosos por conferir um novo produto da excelente safra do terror brasileiro. Dirigido por Guto Parente (“Inferninho”), "O Clube dos Canibais" é uma sátira social...

Luiz Bolognesi: Cinema, Povos Indígenas e Política

A sessão de “Ex-Pajé” no Casarão de Ideias estava com ingressos esgotados e muitos que não conseguiram entrar permaneceram para participar da conversa que se seguiu após o filme com o cineasta Luiz Bolognesi. Convivendo entre os índios Paiter Suruí durante...

Adanilo Reis: ‘Marighella’, Wagner Moura e o Futuro do Jovem Ator Amazonense

Com passagem pelo teatro local, Adanilo Reis iniciou os primeiros passos nos cinemas junto com a Artrupe Produções no curta-metragem "A Menina do Guarda-Chuva". Pouco depois, ele retomou a dobradinha com Rafael Ramos e protagonizou "Aquela Estrada" e, em seguida, "O...

Henrique Amud: ‘Como Você Me Vê’ e o trabalho da atuação no Brasil

Morando atualmente no Rio de Janeiro, o manauara Henrique Amud é roteirista do documentário Como Você Me Vê, produzido pela Bond’s Filmes e co-produzido pelo Canal Brasil e Asteróide. Ganhador dos prêmios de Melhor Documentário no festival FICA.VC e de Melhor Roteiro...