Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química dos seus astros principais. Em Bill & Ted: Uma Aventura Fantástica (1989) e Bill & Ted: Dois Loucos no Tempo (1991), esses dois caras que não sabiam tocar, e que também não eram os sujeitos mais inteligentes da escola, viajaram no tempo, conheceram figuras da História, aplicaram um “cuecão” na Morte e enfrentaram seus Eus malvados. Lembrou? Pois é, a onda nostálgica do cinema atual não deixou nem Bill & Ted em paz. Parece que a maioria dos filmes que um dia passaram na Tela Quente ou na Sessão da Tarde ganhou algum tipo de sobrevida em anos recentes.

Felizmente, Bill & Ted, os personagens, eram cults antes de esse termo virar moda. Cults, não populares ao extremo, como outros fenômenos da cultura pop que de vez em quando passam por percalços ao serem revividos. Bill & Ted são um fenômeno menor, mas têm fãs fervorosos que mantiveram o interesse em mais um filme vivo, e justamente por ser fiel ao espírito cult e nonsense das suas aventuras passadas, a nova investida da dupla, Bill & Ted: Encare a Música, acaba sendo uma boa diversão para este conturbado ano de 2020.

A trama traz de volta os bobocas William “Bill” S. Preston, cavalheiro, e Ted “Theodore” Logan, novamente vividos por Alex Winter e Keanu Reeves. Quando os deixamos eles eram jovens; agora são dois tiozões, astros do rock, vivendo confortáveis, casados com as princesas que trouxeram da Idade Média e cada qual com uma filha jovem, Billie (Brigette Lundy-Paine) e Thea (Samara Weaving). Porém, o dom da música fugiu de Bill e Ted e eles não realizaram o sonho de compor a música que uniria o mundo – o que foi profetizado que fariam. Quando uma encrenca começa a ameaçar a realidade – não pergunte – os heróis iniciam uma nova viagem no tempo em busca da tal música, onde se depararão com os seus futuros, enquanto suas filhas também viajam para ajudá-los a reunir uma banda para tocar a tal música.

NONSENSE INVENTIVO

Não foram só Reeves e Winter que retornaram para esta terceira parte tardia: vários dos atores que participaram dos dois anteriores, e os mesmos criadores da dupla, os roteiristas Chris Matheson e Ed Solomon, também voltaram. E o maior acerto da dupla de roteiristas é não levar a sério a trama do filme em momento algum. A chave para se apreciar Bill & Ted é não se apegar muito à lógica de viagem no tempo: É o tipo de filme que o espectador deve embarcar e seguir de um ponto imaginativo a outro, e o roteiro joga vários deles na direção do público: Os heróis conhecem suas versões futuras, com divertidas caracterizações e um engraçado trabalho de maquiagem para os astros; as filhas de Bill e Ted roubam a cena; há um robô assassino bem distante do espírito de O Exterminador do Futuro (1984); uma viagem ao inferno, algumas pontas de músicos famosos e um clímax apocalíptico. É um filme boboca, mas no bom sentido, com um clima de nonsense inventivo.

Contribui para esse clima a direção eficaz de Dean Parisot, e de comédia cult ele entende, tendo sido responsável pelo divertidíssimo Galaxy Quest: Heróis Fora de Órbita (1999). Como diretor, ele administra as oportunidades para seu elenco brilhar. Ainda assim, é verdade que nem todas as piadas acertam o alvo – algumas cenas com o robô e alguns diálogos e situações do meio para o final não funcionam. Mesmo assim, não é por falta de tentativa. Percebe-se que o elenco se diverte bastante aqui, especialmente Lundy-Paine e Weaving, William Sadler retornando como a Morte – a DR entre a Morte e Bill e Ted é uma das melhores cenas do longa – e, claro, Reeves e Winter, cuja química permanece forte mesmo depois de tantos anos. É graças aos dois que esses três filmes existem.

No fim das contas, como a cultura da nostalgia vem nos ensinando, é impossível voltar no tempo, então Bill & Ted: Encare a Música acaba sendo inferior aos seus dois predecessores. Mas, ao mesmo tempo, é exatamente o filme que precisava ser: feito para os fãs para dar uma sensação de encerramento, com aquele mesmo clima ingênuo e uma mensagem sincera e apesar de toda a maluquice, válida, sobre “sermos excelentes uns para com os outros”. Não deixa de ser irônico que o retorno de dois sujeitos de alto-astral inabalável como Bill e Ted ocorra no triste ano de 2020. Mas talvez eles tenham surgido no momento certo, trazendo uma mensagem singela e algumas risadas. Não se pode pedir mais que isso deles, e essas risadas são de uma variedade que você simplesmente não encontraria em outro tipo de filme. E isso é a definição de cult…

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...