Brooklyn Sem Pai Nem Mãe é o segundo filme escrito e dirigido por Edward Norton, que estreou na função em 2000, com Tenha Fé. Figura respeitada por ter grandes performances durante a sua carreira de ator, Norton é um personagem interessante de ser observado dentro da indústria cinematográfica norte-americana. Por mais que o seu talento seja notável, isso não significa que o seu nome sempre estará em projetos de destaque, respeitados. Chama a atenção, na verdade, como vez ou outra o seu nome aparece vinculado a projetos que fracassam em público, e chamam pouca atenção dos festivais e premiações.

Sua segunda direção é um exemplo. Filme que passou batido, que aparentemente ninguém viu.

Projeto de longa data do ator, diretor e roteirista, Brooklyn Sem Pai Nem Mãe é uma adaptação do romance homônimo de Jonathan Lethem, que conta a história do detetive particular Lionel Essrog investigando a morte do seu grande mentor e amigo, Frank Minna (Bruce Willis), assassinado durante uma negociação corrupta mal sucedida com membros do alto escalão do governo de Brooklyn nos anos 1950. Lionel tem síndrome de Tourette, o que faz com que ele grite palavras aleatórias no meio de frases (normalmente trocadilhos misturados com xingamentos), toque sem querer nas pessoas, etc.. Esta condição pode ser vista como um problema, mas ao mesmo tempo contribui para que o detetive tenha memória muito aguçada, e se enxergue os detalhes mais ocultos dos casos que investiga. A morte de Minna é o seu caso agora.

É impossível saber se, pelo fato de ser um projeto pessoal que o diretor demorou quase 20 anos para realizar, Norton estava muito atrelado ao romance original, ou se ainda não adquiriu um olhar mais amadurecido como diretor, mas o fato é que Brooklyn Sem Pai Nem Mãe é um filme arrastado, quase monótono. Parece confiar demais na ambientação do período, mas algo parece errado.

As cenas até são bem filmadas em termos de luz e cores, a direção de arte e figurino de fato são potências do trabalho (na verdade são, de longe, as maiores qualidades da película), mas tudo passa lento demais. A investigação em si é intrincada, mas caminha para conflitos em que os personagens parecem não se importar tanto com as consequências. Minna é uma figura repleta de trambiques na sua trajetória, todos sabem disso, Lionel sabe disso, logo entender os detalhes da sua morte surge como uma motivação que importa apenas para o protagonista.

PONTO CENTRAL EM SEGUNDO PLANO

Ok, até aí “tudo bem”. Mas o fato é que a condição médica do protagonista o torna difícil de ser acompanhado por muito tempo, pois os seus tiques nervosos soam repetitivos, e não se concretizam como uma característica que deem mais cor ao personagem. Talvez a adaptação da literatura precisasse de mais elementos de roteiro e direção para transformar esta característica em qualidade, e não em um trejeito que não leva a história adiante.

Ninguém ao redor se importa com a investigação, e como público temos que acompanhar um protagonista que, apesar das boas intenções, não nos cativa. A relação com o filme torna-se difícil. Principalmente por ele durar longas duas horas e vinte e cinco minutos. Passa devagar, e o trajeto não compensa.

Influenciado por essa característica do personagem, o filme brinca um pouco com o tom sério da investigação trazendo situações cômicas, às vezes com humor nonsense. Ecos de McDonagh (“Três Anúncios Para um Crime”). Ou Clube da Luta, nos momentos com a narração em off em que Lionel fala mais abertamente sobre a sua condição, lembrando demais a melancolia de Tyler Durden. Mas as saídas mais leves ressaltam ainda mais o clima de que a investigação interessa muito pouco, esvaziam a tensão. O momento no clube de jazz, a dança, o improviso na música… mais atrapalham que ajudam.

Os atores estão corretos, e suas composições quase nos fazem esperar por algum tipo de visceralidade (mais especialmente Alec Baldwin), mas ela sempre é substituída por uma condução mais cadenciada, em que a direção demonstra que o ritmo estabelecido é mesmo lento, quase contemplativo. Na minha visão, monótono.

O visual, o uso da luz em determinadas sequências, são capazes de gerar interesse, quadros bem pensados. Mas daí pra se tornar um bom filme, a distância é grande, como é o tempo de espera até a chegada dos créditos.

Oscar 2021: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 2

https://www.youtube.com/watch?v=JsmRtta4Nqg THE TRIAL OF CHICAGO 7 Roteirista premiado com o Oscar por “A Rede Social”, o Aaron Sorkin vem se aventurando nos últimos anos na direção e prepara, agora, o filme mais ambicioso da carreira.  “The Trial of Chicago 7”...

Oscar 2021: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 1

Caio Pimenta inicia o especial para falar dos possíveis candidatos ao Oscar 2021 e na primeira parte tem David Fincher e Christopher Nolan. https://www.youtube.com/watch?v=Nck_QYS-01c "MANK", DE DAVID FINCHER "Seven", "Clube da Luta", "Zodíaco", "Benjamin Button", "A...

Oscar 2020: Cinco Fatores que levaram à vitória de ‘Parasita’

Caio Pimenta analisa os fatores que levaram "Parasita" a ser o histórico vencedor do Oscar 2020. https://www.youtube.com/watch?v=AwxPOOASJA8 Vencer um Oscar envolve muito mais do que ter “apenas” um grande filme em mãos. É preciso levar em conta uma série de fatores...

Oscar 2020: Resultado do Bolão do Cine Set

Com mais de 250 participantes, o bolão do Cine Set revela quem foi o grande vencedor para levar os Blu-Rays de "Coringa" e "Ford Vs Ferrari", o DVD de "Era uma vez em Hollywood", um livro autografado do Cine Set e dois pares de ingressos Cinépolis....

Oscar 2020: De ‘Parasita’ a Eminem – O Melhor e Pior da Cerimônia

Caio Pimenta analisa quais os melhores e piores momentos do inesquecível Oscar 2020 vencido por "Parasita". https://www.youtube.com/watch?v=fIP1QP_CisY

Oscar 2020: ‘Parasita’ vence Melhor Filme e alcança feito inédito

Quem diria que um dia veríamos isso, senhoras e senhores? O Oscar 2020 vai para uma produção falada em língua-não inglesa e sem astros mundiais. “Parasita” é o Melhor Filme do Ano. https://www.youtube.com/watch?v=7Kj8eNpNpXY Além desse feito histórico, o “Parasita”...

Oscar 2020: Renée Zellweger conquista Melhor Atriz por ‘Judy’

Renée Zellweger conquista o segundo Oscar da carreira. O primeiro foi em Atriz Coadjuvante por “Cold Mountain” e, agora, ela leva por “Judy - Muito Além do Arco-Íris”.   https://www.youtube.com/watch?v=ZDzTP79kCFE Desde setembro, outubro quando comecei com a série de...

Oscar 2020: Joaquin Phoenix vence Melhor Ator por ‘Coringa’

Não tinha como ser diferente: por "Coringa", Joaquin Phoenix é o grande ganhador do Oscar de Melhor Ator. O cara simplesmente dominou esta temporada de premiações: Globo de Ouro, Critics Choice, SAG, Bafta e, finalmente, a primeira estatueta dourada. ...

Oscar 2020: Bong Joon-Ho supera Sam Mendes e vence Melhor Direção

Para tirar o Oscar 2020 do marasmo, uma grande surpresa: Bong Joon-Ho superou o Sam Mendes e levou o Oscar de Melhor Direção por “Parasita”. Essa conquista mantém a categoria sobre o domínio estrangeiro: nos últimos 10 anos, apenas um americano venceu, foi o...

Oscar 2020: Elton John vence Melhor Canção Original com ‘Rocketman’

Outro favorito leva o Oscar 2020: “I´m Gonna Love Again”, de “Rocketman”, conquista o prêmio de Melhor Canção Original. Essa é a segunda estatueta do Elton John: a primeira vez foi com “O Rei Leão” em 1995. https://www.youtube.com/watch?v=fu14i3Bq220 Fica claro que...