Alguma coisa está acontecendo com Tom Hardy. Sempre foi um bom ator – daqueles discípulos do método Stanislavski, se imerge no personagem e não sai dele – e especializado em tipos intensos, às vezes atormentados, às vezes até vilanescos. Mas aí em 2018 o cara fez o blockbuster Venom, baseado no vilão/anti-herói das HQs do Homem-Aranha, e ali demonstrou que havia umas doses de loucura histriônica dentro dele. Venom, com o perdão do termo, caro leitor, é uma merda – tanto que o incluí na minha lista de piores daquele ano, publicada aqui no site. Mas eu estaria mentindo se dissesse que, em algumas cenas, Hardy não me fez rir com sua atuação tresloucada. Quem diria, havia um mini-Jim Carrey, um mini-Nicolas Cage dentro dele, esperando para aflorar.

Hardy retorna às telas com Capone, projeto do produtor Lawrence Bender – parceiro de Quentin Tarantino em muitos dos seus clássicos – e do diretor Josh Trank, na sua volta à cadeira de diretor depois de passar uns anos na geladeira de Hollywood. Para quem não lembra, Trank é aquele do infame Quarteto Fantástico de 2015. Naquele tumultuada produção, foi Trank quem inventou de misturar doses de horror aos personagens clássicos da Marvel, e durante as filmagens brigou com elenco, equipe e produtores. Depois, a 20th Century Fox tentou minimizar o estrago forçando Trank a fazer extensas refilmagens, porém nada funcionou e o filme acabou afundando nas bilheterias.

Trank é o próprio autor do roteiro de Capone, que é baseado no mais icônico mafioso de todos os tempos. Ambientado no último ano da sua vida, o filme nos mostra Al Capone – interpretado por Hardy – vivendo numa mansão na Flórida após ter cumprido sua pena por sonegação de impostos, o único crime pelo qual conseguiram condená-lo, apesar de todo o contrabando de bebida e dos assassinatos que ele cometeu ou ordenou.  Capone vive lá com sua família, mas encontra-se afastado de um dos seus filhos e sofrendo de demência decorrente de sífilis. Ao mesmo tempo em que sua saúde e sanidade começam a piorar, se intensifica ao redor dele uma busca dos agentes federais que o monitoram por uma fortuna que o ex-chefão teria escondido.

Felizmente, o diretor aqui parece ter levado seu trabalho a sério.  Sua direção ressalta em vários momentos a claustrofobia da mansão e da deterioração mental de Capone. A certa altura da narrativa, o personagem mergulha em seus delírios – com direito até a participação de um sósia do Louis Armstrong numa cena de baile que lembra O Iluminado (1980) – e revive um pouco dos seus tempos de glória misturados com horror. Alguns dos melhores momentos do filme são justamente estes, quando não sabemos ao certo se o que vemos é real ou está apenas na mente do protagonista.

Não que Capone seja uma meditação sobre o fim da vida ou algo profundo – o roteiro não tem estofo para tanto. Mas é interessante, ocasionalmente esquisito, e bem narrado, e Trank também se mostra competente na condução dos atores, cercando Hardy de um elenco de apoio consistentemente sólido que inclui Linda Cardellini, Matt Dillon e Kyle MacLachlan.

O VERDADEIRO BRILHO

Embora o filme nasça com Trank, Hardy se apossa dele. A atuação dele em Capone é de novo uma coisa bonita de se ver, vital e imprevisível, aliando doses de histrionismo com toques de sensibilidade. Há momentos no filme em que vemos Hardy murmurando, falando um italiano meio macarrônico ou gritando com as pessoas – é quase impossível não soltar umas pequenas risadas nessas cenas. Em outros, vemos o ator usando seu rosto, seus olhos – e como ele usa os olhos! – e sua postura corporal para transmitir o verdadeiro terror existencial pelo qual Capone está passando, e os indícios de compreensão da tragédia que foi sua vida. Uma cena dele falando com o agente do FBI perto do fim, com Hardy só usando suas expressões faciais, se torna um momento eletrizante na tela. E a conclusão, com o filho distante, é outro momento sem palavras que o ator torna especial.

É uma atuação realmente multifacetada, que embora não chegue a atingir níveis de esquisitice comparáveis aos de Venom – e nem poderia, dada a natureza do material – demonstra ser mais um trabalho especial e diferenciado deste ator. Capone é um filme meio esquisito e nem todo mundo deve abraçar: não é realmente uma cinebiografia nem filme de gangsteres, nem diz nada de novo sobre essa figura que já foi mostrada no cinema várias vezes antes. Mas dentro dele existe realmente um centro brilhante, um ator que demonstra saber usar um pouco de loucura em prol da sua arte.

Apesar de que, quando recordamos da sua carreira, vemos que Hardy já tinha demonstrado essa faceta mais louca na sua também poderosa atuação em Bronson (2008), lá atrás. Demorou alguns anos, mas aquele lado dele está aflorando cada vez mais. Alguns filmes se tornam especiais por causa dos atores, e isso é mais comum do que diretores gostam de admitir. Parece que Capone entrou nessa lista e que venham mais esquisitices de Tom Hardy…

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...