O veterano produtor Ant Timpson estreia na direção com “Come to Daddy”, uma enérgica comédia com toques de terror que transita livremente por diferentes gêneros de gênero, criando um híbrido potente e fresco. Com trinta e poucos anos, Norval (Elijah Wood, o Frodo de “O Senhor dos Anéis”) viaja para uma cabana (na floresta, é claro) para ver seu pai, que enviou uma carta para ele. Quando chega lá, uma selfie que sai errada coloca seu telefone fora de ação. A cada confronto, o homem com quem ele está tentando se reconectar fica mais e mais estranho. Sem comunicação e cercado por quilômetros de deserto, ele logo percebe que está preso. Eventualmente, a atmosfera na casa – que nunca foi muito familiar – se transforma em brutalidade.

“Come to Daddy” muda constantemente de forma, com todos os detalhes puxando o público para uma toca de coelho. O primeiro ato acontece como um drama familiar de ritmo lento, mas uma ruptura abrupta coloca tudo em movimento em uma rápida cadeia de eventos. Assim, o filme se transforma em um thriller de invasão de domicílio, e tudo acaba em horror. Na verdade, nunca chega aonde é esperado e nunca fica em lugar algum por muito tempo – e é melhor que assim seja.

ESTREIA CHEIA DE VIDA

Nessa jornada, Norval precisa enfrentar seus sentimentos por seu pai, mesmo que isso tenha um preço: terríveis revelações sobre sua própria vida. No roteiro, escrito por Toby Harvard a partir de uma ideia de Timpson, ele é um jovem que passou por momentos difíceis e que vive ansiando por algo que ele não conhece. Músico aspirante a ator, está desempregado e voltou a morar com a mãe depois de se recuperar do alcoolismo e de tentar suicídio. No entanto, ele se propõe a encontrar o homem que o deixou ansioso para impressionar, uma decisão que acabará por colocá-lo em água quente.

Elijah Wood apresenta um personagem cheio de contradições sem esforço e com uma linguagem corporal perfeita. Ele passa de uma relação sadia e afetuosa com o pai a uma reação cômica a ruídos estranhos em casa à noite, sem grande dificuldade. Aumentando ainda mais o humor, a virada ameaçadora de Michael Smiley como o vilão Jethro é absolutamente hilária.

O diretor mencionou em entrevistas que a inspiração para “Come to Daddy” foi a morte de seu próprio pai. Apesar de todas as suas palhaçadas, o coração do filme é a busca de um filho por amor e reconexão paternais. Nos momentos mais dramáticos, quase se assemelha a uma sessão de terapia, mas quando o conjunto é tão engraçado, quem se importa? Ao combater a dor pela morte de seu pai, Timpson criou um longa-metragem de estreia, cheio de vida.

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...