Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a cidade em franca expansão, mas, que ao mesmo tempo, esquece suas raízes, identidades e passado. Uma meta ambiciosa demais para uma execução desencontrada. 

A história acompanha Pietro (Victor Kaleb), um jovem nascido em Manaus, voltando para a capital amazonense após ser convocado por um espírito da floresta para salvar a cidade da destruição da Cobra Grande. Para tanto, ele terá a missão de fazer as pessoas resgatarem este passado através de memórias afetivas e lendas, lembrando as origens manauaras. 

AFETO, IDENTIDADE, MEMÓRIA 

“De Costas pro Rio” busca ser um projeto híbrido, ou seja, transitar de maneira fluida entre o documentário e a ficção, ainda que o foco esteja mais neste último. Para dar certo, porém, é necessário que o equilíbrio entre os dois funcione muito bem e ambos sejam bem construídos; caso contrário, ocorre uma autossabotagem não intencional, pois, o que funciona melhor perde força diante das falhas do que deu errado e vice-versa. Eis o ponto de Aquiles do curta. 

Toda a parte documental do projeto traz uma riqueza identitária, memorial, afetiva da construção de uma cidade. Nela, ouvimos a história do Curupira contada na infância de um hoje jovem adulto; um senhor de origem italiana falando sobre a decisão de vir para Manaus e as diferenças gastronômicas encontradas por aqui; e, por fim, uma garota com pouco mais de 18 anos recordando de uma época em que determinada rua não tinha asfalto e tudo era barro.  

Esta construção ganha força pela direção de fotografia de César Nogueira (“Purãga Pesika”), capaz de registros preciosos de pequenos detalhes e observações agudas seja de casarões abandonados com janelas quebradas, dos orelhões vandalizados, da fiação elétrica desorganizada em contraste aos prédios históricos de beleza arquitetônica europeia. Nada mais simbólico desta cidade quase esquizofrênica. São momentos tão potentes que minimizam a ‘necessidade’ desnecessária de rebater nosso complexo de inferioridade ao quadrado – o brasileiro e o amazônico – de como Manaus é uma cidade com 2 milhões de habitantes onde jacarés não andam pelas ruas, como dito por alguns entrevistados na reta final de “De Costas Pro Rio”. 

AONDE QUER CHEGAR? 

Por outro lado, a parte ficcional diminui grande parte do impacto de “De Costas Pro Rio”. A sequência inicial com Anderson Kary Bayá (ator indígena protagonista de “Antes o Tempo Não Acabava” e “A Terra Negra dos Kawá”) tentando acompanhar/imitar/interpretar ‘apenas’ Luciano Pavarotti na ópera “Caruso (Te Voglio Bene Assai)” ao lado do Teatro Amazonas já mostra o tamanho da pretensão objetivada por Aufiero. O roteiro criado por ele sabe onde quer chegar, mas, não necessariamente como fazer para percorrer o caminho.  

A angústia transmitida por Victor Kaleb a Pietro passa longe de encontrar vazão no que se vê em tela por ser um personagem o qual não temos muitos elementos para criar qualquer tipo de ligação com o drama dele. A conversa com a mãe interpretada por Koia Refskalefsky até insinua esse desenvolvimento ao remeter ao passado dos dois, mas, o desfecho frustrante joga tudo à estaca zero novamente. A cereja do bolo, entretanto, fica para o didatismo à la Christopher Nolan em que não se confia no público e precisa-se dizer tudo literalmente. Claro que estou falando do nonsense encontro entre Pietro e Eduardo Ribeiro (sim, ele mesmo, o primeiro governador do Amazonas no século XIX) e da música dos créditos finais. 

Selecionado para o 24º Festival de Cinema de Avanca, em Portugal, “De Costas Pro Rio” é um projeto irregular com problemas característicos de um jovem diretor – pequenos excessos, didatismo, falta de unidade -, porém, também consegue trazer momentos realmente inspirados, capazes de indicar rumos futuros promissores se bem trabalhados. Mesmo assim, como valor histórico para uma cidade incapaz de olhar para si longe de complexos como Manaus, acaba por ser uma experiência válida. 

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...