Você já parou para pensar, caro leitor, como nasce uma cidade? Como nasce uma comunidade? Um país? Em meados da década passada, a HBO, no seu processo de revolucionar a TV, fez um faroeste diferente, a série Deadwood. Produzida entre 2004 e 2006, a criação do roteirista e produtor David Milch pegava fatos históricos e pessoas que realmente existiram, além de elementos tradicionais do gênero, e os subvertia, em nome de uma narrativa cujo objetivo era falar sobre a humanidade, sobre como e porque as pessoas se juntam, sobre uma cidade sem lei – a Deadwood do título, fundada pelo garimpo – que aos poucos evoluía para algo maior, uma verdadeira comunidade.

A HBO estava na sua grande onda quando produziu Deadwood. Mas apesar da qualidade, Deadwood representou um capítulo estranho desse período: os direitos da série eram divididos com o estúdio Paramount, o que fazia dela um pequeno “estranho no ninho”. E o temperamental Milch conduzia a série de um jeito diferente, frequentemente mudando cenas e diálogos antes das filmagens e proporcionando uma atmosfera única no set. Por causa dos direitos, e talvez por não compreender direito o que tinha nas mãos, a HBO acabou cancelando a série de forma súbita em 2006, e depois por anos, prometeu que iria produzir dois telefilmes, depois apenas um, para concluir a narrativa. O próprio Milch e o elenco duvidaram que fosse acontecer, por mais de uma década… Por isso mesmo, Deadwood: O Filme é um pequeno milagre: Com quase todo o elenco de volta, Milch no roteiro e Daniel Minahan, veterano da série na direção, é o encerramento aguardado pelos fãs por anos, e se complementa perfeitamente às noções da série sobre comunidade e união.

É realmente um presente para os fãs – não iniciados podem até compreender a história, mas só quem viu as 3 temporadas de Deadwood receberá todo o impacto emocional deste sensível roteiro de Milch, que aliás remete diretamente ao episódio final da série. O filme se passa em 1889. A cidade de Deadwood está agitada com a entrada da Dakota do Sul na União e com a volta do agora senador George Hearst (Gerald McRaney, excelente). Hearst – aliás, ancestral do William Randolph Hearst, aquele do Cidadão Kane (1941) – foi o grande antagonista da série, homem rico e poderoso que deseja expandir o telefone na região a todo custo. A chegada dele desperta antigos fantasmas, e quando uma tragédia ocorre, surge a noção de comunidade de novo, com basicamente toda a cidade se unindo contra seu inimigo.

PRESENTE ESPERADO PELOS FÃS

O tempo passou e o filme não faz a menor questão de esconder isso: os atores agora estão mais enrugados, ligeiramente diferentes, mas todos reencontram seus personagens com precisão. De novo, percorremos as ruas da cidade, filmadas com reverência por Minahan – O corte de um trem passando para uma panorâmica da cidade, ao som do tema de abertura, é um momento visualmente belíssimo. Retorna também aquela sensação de estarmos adentrando um mundo, concebido com riqueza de detalhes e habitado por aquelas figuras tão interessantes. Até personagens secundários parecem vivos, com caracterizações ricas. Pequenos detalhes, que os fãs captam, fazem a diferença, como os pêssegos servidos antes da reunião, ou alguns diálogos. A sensação é de reencontrar velhos amigos e passar tempo com eles uma última vez.

E é realmente incrível como, em duas horas, Deadwood: O Filme dá, ao menos, uma coisa interessante para praticamente todo o elenco fazer – aliás, um dos melhores elencos já reunidos na história da TV. É um filme de pequenos momentos, como a terna cena de amor entre Calamity Jane (Robin Weigert) e Joanie (Kim Dickens), a dona de um dos bordeis da cidade. Ou os olhares e gestos trocados entre a viúva Alma (Molly Parker) e o xerife Bullock (Timothy Olyphant, soberbo). Ou o diálogo perto do fim entre a ex-prostituta Trixie (Paula Malcolmson, perfeita) e o inesquecível Al Swarengen (o gigante Ian McShane), o desbocado e brutal dono do saloon e o mais memorável e interessante personagem da série.

Al Swarengen continua observando tudo o que ocorre em Deadwood da sua sacada, mas na visão de David Milch ele já sente o fim chegando. De certa forma, o personagem é o alter ego do autor dentro do filme: Recentemente Milch revelou que está com Alzheimer e sua mente, o principal atributo de um escritor, está desaparecendo. Os diálogos dele sempre foram um prazer de se ouvir na série, igualmente repletos de poesia e palavrões, porém algumas falas sobre passagem do tempo e finitude, especialmente as ditas por Al, adquirem ainda mais força por causa tanto do estado atual de Milch, quanto pelos 13 anos que levaram para serem ditas.

Deadwood: O Filme é ao mesmo tempo bonito e triste, apesar dos momentos de violência presentes. Por causa do tempo comprimido, é um pouco mais agitado do que a série costumava ser, com tiroteios, um nascimento, um funeral, reencontros e um casamento. Talvez o tom – ligeiramente – episódico seja o único senão verdadeiro do filme. Mesmo assim, tudo é feito com tanta delicadeza que o fã que esperou mais de uma década por um final para um dos melhores seriados de todos os tempos não sai desapontado. E de novo, tudo retorna àquela noção de comunidade: É interessante observar, no filme, a coleção de enjeitados da sociedade, com negros, prostitutas, lésbicas e imigrantes, ajudando a combater o poder opressivo do dinheiro e do homem branco.  Deadwood, a série, era essencialmente otimista, mesmo com o sexo e violência marca registrada HBO, e O Filme, seu epílogo magistral. Numa nota pessoal, eu gosto de onde a série parou, mesmo com as pontas soltas. Mesmo assim, na indústria do cinema e da TV, onde as coisas raramente acabam, ou raramente acabam bem, algo como Deadwood: O Filme deve ser celebrado pela beleza e inteligência do seu final. Além da despedida daqueles personagens, parece ser também a despedida do seu criador. Mas ele, assim como a sua criação, se despede nos seus termos. E rodeado de amigos.

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 8: revolução eletrizante

As pessoas a bordo do Snowpiercer acreditam no mito de um salvador: o homem que criou o trem, Wilford, e salvou uma parte da raça humana quando o congelamento do planeta se tornou realidade. Isso é algo muito poderoso. A humanidade tem, sim, uma necessidade por mitos,...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 5: luta de classes até no fim do mundo

Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A...

‘Reality Z’: padrão Netflix tira brasilidade de série fraca

Em minha opinião, um dos aspectos mais positivos da Netflix, desde que o serviço de streaming se popularizou e basicamente mudou a maneira como nos relacionamos com a produção audiovisual, é o fato de ele ser uma vitrine global, nos dando acesso a filmes, seriados e...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 4: reviravoltas reenergizam série

Depois de muita preparação num episódio desanimador na semana anterior, Expresso do Amanhã pisa no acelerador da temporada nesta semana com “Sem Seu Criador”. O resultado é um episódio envolvente e que encerra uma história, aparentemente, e inicia outra, mais...

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...