Indicado ao Leão de Ouro e vencedor do Prêmio Marcello Mastroianni de Ator Revelação para Toby Wallace no Festival de Veneza de 2019, ‘Dente de Leite’ repercutiu positivamente pelos festivais que passou. Isso se deve principalmente à estreia da australiana Shannon Murphy (‘Killing Eve’) na direção de um longa-metragem, a qual acerta ao abordar um tema tão rotirineiro no cinema: o amadurecimento adolescente. Sim, já existem filmes coming of age aos montes assim como obras que retratam o câncer atingindo adolescentes, porém, a visão de Murphy sobre a temática cria uma ótima história acerca de morte, juventude e família, sem ter receio de deixar o público angustiado com a realidade proposta. 

Sendo também uma estreia para Rita Kalnejais no roteiro, “Dente de Leite” tem como protagonista Milla (Eliza Scanlen, conhecida por viver a estranha irmã de Amy Adams na minissérie “Sharp Objects), uma adolescente com câncer terminal que se apaixona por Moses (Toby Wallace), um traficante viciado em drogas. Obviamente a proximidade de ambos não agrada aos pais da personagem, entretanto, a sua morte iminente torna possível a existência de um acordo que lhe mantenha feliz e perto de todos. Entretanto, a nova perspectiva de felicidade é melancólica e cercada de momentos desagradáveis para Milla. 

A grande dedicação do elenco para transitar entre a leveza de algumas cenas e a maturidade de outras, sem dúvida, se transforma em um dos pontos altos de “Dente de Leite”. No início morno do filme, alguns acontecimentos possuem notoriamente um peso na feição dos atores, como os diálogos entre os pais da garota, Anna (Essie Davis) e Henry (Ben Mendelsohn). Aos poucos, a construção dos personagens evolui e o elenco principal consegue acompanhar todos os estágios da doença de Milla. Nesse aspecto, Toby Wallace rouba os holofotes para si, sempre mostrando ao espectador o quanto ele eleva sua atuação a cada instabilidade do personagem. 

Apesar de possuir algumas cenas desinteressantes em seu primeiro momento, o longa consegue preparar o terreno para as cenas mais densas que começam a surgir na segunda parte. Durante toda a trama existe uma angústia notória envolvendo seus personagens, algo muito bem colocado na trilha sonora já que Milla e sua mãe possuem uma proximidade musical, sendo a trilha uma constante para transitar mais facilmente entre os momentos de felicidade e melancolia. 

MATURIDADE PARA EVITAR ROMANTIZAÇÕES 

Como um subgênero, filmes coming of age sempre retratam o crescimento pessoal, familiar ou profissional na adolescência. Nesse quesito gosto de pensar que ‘Dente de Leite’ é um coming of age elevado: suas discussões vão além do amadurecimento: elas perpassam questões mais sérias e urgentes. Sim, existem elementos clássicos do gênero como romance proibido, conflitos familiares e até mesmo a negação a antigos costumes pessoais, porém a existência do câncer para Milla permite uma relação de paridade com seus pais, tanto por seu amadurecimento frente à morte quanto pelos comportamentos errantes da família. 

A exemplo filmes recentes como ‘A Culpa é das Estrelas’ e ‘A Cinco Passos de Você’ sabemos que doenças terminais já foram utilizadas como recurso em produções deste gênero. E um dos pontos positivos de ‘Dente de Leite’ é justamente a abordagem do câncer de Milla porque ele não fica restrito à doença como outros longas adolescentes que romantizam essa situação. Mesmo com todos os efeitos da doença presentes no filme, o grande trunfo aqui é o foco em Milla e o amadurecimento sobre seus problemas. 

É possível perceber que Kalnejais possui o intuito de alcançar mais discussões importantes em seu roteiro. Embora isso fique somente em segundo plano, é compreensível a delimitação temática do longa e enfoque em uma narrativa coesa. Desta forma, ‘Dente de Leite’ consegue chamar atenção para a trama proposta desde sua primeira cena, sendo encerrada de forma melancólica e agradável ao mesmo tempo – tudo isso graças a abordagem de sua diretora que não deixa o longa parecer uma mera cópia de algo já visto anteriormente. 

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...