Avalanches podem assolar as mesmas montanhas de vez em quando, mas raios raramente atingem o mesmo local duas vezes. “Downhill“, o remake em inglês de “Força Maior”, de Ruben Östlund, faz o possível para fazer justiça ao material original, mas os resultados são tão pálidos quanto a neve em comparação. 

Aqui, Julia Louis-Dreyfus e Will Ferrell são Billie e Pete Staunton, um casal americano que está definitivamente fora de sua fase de lua de mel e tentando tirar o máximo proveito de uma viagem para esquiar nos Alpes. Apesar da ocasião, Pete permanece distante o tempo todo, constantemente checando seu telefone e invejando a vida de seu amigo mais novo, Zach (Zach Woods). Quando uma avalanche envolve a varanda de um restaurante onde a família está descansando e Pete abandona brevemente sua esposa e filhos ao caos, a fratura da família fica exposta e o casal deve enfrentar seus problemas de frente. 

No centro da história, o drama familiar dos Stauntons se transforma em uma jornada dupla desconfortável para atores incríveis. Louis-Dreyfus e Ferrell – comediantes de alto nível que compartilham uma história de interpretar personagens maiores do que a vida – apresentam algumas de suas performances mais contidas aqui. 

Entre os dois, a estrela de “Veep” assume o papel mais denso e o arco narrativo de Billie permite que ela explore uma gama mais ampla de emoções do que o personagem de Ferrell. Atuando como agente provocadora, a maluca gerente de hotel Charlotte (Miranda Otto) é uma ótima fonte de humor, apesar de ser relativamente solitária na função. 

PARA FAZER HOLLYWOOD REFLETIR 

Se o espectador casual assistir “Downhill” sem antecedentes, ele poderá se divertir, dependendo da tolerância ao humor estridente. Os diretores Nat Faxon e Jim Nash imitam a aura de seu antecessor com algum sucesso e, na maioria das vezes, se desenrola como a comédia de arte européia na qual se baseia. 

No entanto, a semelhança com “Força Maior” impede que a comparação seja deixada de lado. A acidez e o puro desconforto dos escritos de Östlund são consideravelmente reduzidos para o grande público. Os golpes não são tão fortes e não parece haver nenhuma razão explícita para esse projeto ser feito – especialmente considerando o quão bem o filme sueco indicado ao Oscar abordou esse conto de falta de comunicação, sofrimento conjugal e masculinidade frágil seis anos atrás. 

À medida que o streaming amplia o apelo global por produções em língua estrangeira como nunca antes, com algumas delas ganhando grande reconhecimento popular, Hollywood repensará seu modelo antiquado de remakes sem sentido em inglês? Só o tempo irá dizer. Enquanto isso, “Downhill” permanece como um filme que, embora não seja exatamente ruim, não diz nada de novo e cuja memória derrete rapidamente. 

‘Relíquia’: terror psicológico se destaca pelos simbolismos em boa história

Com uma vasta carreira dirigindo curtas-metragens, a australiana Natalie Erika James finalmente fez sua estreia à frente de um longa com o terror psicológico ‘Relíquia’. Protagonizado por Emily Mortimer (“A Livraria”), a produção possui o abandono familiar e o...

‘Matthias & Maxime’: Xavier Dolan recoloca carreira nos trilhos

Matthias e Maxime é uma história de descoberta de amor contada com singeleza e sinceridade, e é também provavelmente a melhor coisa que o jovem cineasta franco-canadense Xavier Dolan poderia fazer a esta altura de sua carreira. Dolan é um nome muito badalado – mesmo...

‘O Tempo Com Você’: Makoto Shinkai repete fórmula de ‘Your Name’

Makoto Shinkai tem um jeito único de contar histórias: ele se baseia na concepção de tempo oriental para falar de amadurecimento. Por meio de narrativas simples, suas produções mostram como o tempo - mais do que a distância – é um catalisador para os relacionamentos....

‘Peterloo’: Mike Leigh foca na aula de história e esquece personagens

Mike Leigh fez alguns pequenos grandes filmes que estão entre os mais celebrados do cinema britânico das últimas décadas: Nu (1993), o indicado ao Oscar Segredos e Mentiras (1996), O Segredo de Vera Drake (2004), Simplesmente Feliz (2008), Mr. Turner (2015), entre...

‘The Souvenir’: déjà vu de outros filmes supera qualidades

Aclamado em diversos festivais de cinema, incluindo Berlim e Sundance (do qual também saiu premiado), ‘The Souvenir’ é um filme de narrativa simples com grandes atributos. Para começar, ele é escrito e dirigido unicamente por Joanna Hogg, já conhecida por marcar...

‘Crip Camp’: rico registro de uma revolução nascida do amor

“Crip Camp: Revolução pela Inclusão” é o novo documentário da Netflix com produção executiva do casal Barack e Michelle Obama e aborda um momento da história do ativismo social do qual nem temos consciência hoje porque os benefícios desse movimento foram amplamente...

‘Dente de Leite’: coming of age bem acima da média

Indicado ao Leão de Ouro e vencedor do Prêmio Marcello Mastroianni de Ator Revelação para Toby Wallace no Festival de Veneza de 2019, ‘Dente de Leite’ repercutiu positivamente pelos festivais que passou. Isso se deve principalmente à estreia da australiana Shannon...

‘Luce’: suspense enigmático explora faces do racismo americano

“Luce” se inicia com um aluno de colégio norte-americano discursando para uma plateia de estudantes e pais, um discurso, na verdade, raso sobre o futuro que aguarda os jovens e coisa e tal. O aluno é o tal Luce do título, um jovem negro. Luce Edgar nasceu na Eritreia,...

‘A Batida Perfeita’: superficial tal qual as canções pops de rádio

Veterana em dirigir seriados de comédia leves e divertidas, Nisha Ganatra (‘Transparent’ e ‘Cara Gente Branca’) apresenta novamente seu estilo de narrativa em ‘A Batida Perfeita’, resultando em um filme fácil de ser assistido e que consegue misturar humor com...

‘My Zoe’: Julie Delpy entrega grata surpresa repleta de reviravoltas

Consagrada por seu papel como Céline na trilogia ‘Antes do Amanhecer’, Julie Delpy acumula sucessos na atuação desde a década de 1990, possuindo também uma carreira sólida como roteirista e diretora. Tal combinação rendeu o ótimo drama ‘My Zoe’, protagonizado, escrito...