Mais conhecida pela vasta carreira como atriz, Amy Seimetz (Cemitério Maldito e ‘Alien: Covenant) também se arrisca em alguns trabalhos na direção de filmes independentes e séries como Atlanta. Sua produção mais recente, ‘Ela Morre Amanhã’, foi baseada em sua própria ansiedade e consegue mostrar de forma bem-sucedida a essência desses conflitos pessoais e de seu propósito como diretora. Entretanto, mesmo sendo muito bom na temática que propõe, o filme é refém de si próprio e não consegue desenvolver outras tramas além da principal, se desgastando pela linearidade narrativa. 

De forma muito simples, “Ela Morre Amanhã” aborda a protagonista Amy (Kate Lyn Sheil)  que acorda achando que irá morrer no dia seguinte. Ao dizer sua premonição para a amiga Jane (Jane Adams), ela cria uma rede de pessoas que também passa a acreditar ter a morte marcada para amanhã. Tal situação é enfrentada de forma diferente pelos personagens, mas sempre cercada de angústia, ansiedade e diálogos filosóficos. 

Ao colocar uma temática tão pessoal em seu projeto, Amy ressalta a sensibilidade e destreza de fazer esta narrativa ser acessível como se a própria tivesse atuando na produção, conversando com o público. Isto por si só é um grande feito considerando a dificuldade pessoal de falar sobre transtornos psicológicos e a própria negligência de diversos filmes ao tentar abordar esse tema. Mesmo que a ansiedade não seja propriamente dita no longa, diálogos como “estou bem, não, não estou bem” e outras seguidas dualidades, apreensões e conflitos pessoais conseguem passar a sensação de constante angústia. 

A criação de diferentes núcleos de personagens torna mais dinâmico o enfrentamento da morte, gerando interesse em cada trama. Porém, qualquer que seja o cenário, “Ela Morre Amanhã” força o espectador a refletir juntamente de seus personagens, a pensar e mergulhar na vastidão de angústia presente, o que é muito bom pelo lado imersivo e por seu propósito, mas, verdadeiramente incômodo para quem assiste. 

TUDO IRRITANTEMENTE IGUAL 

A escolha de criar diferentes cenários de personagens tinha tudo para enriquecer a narrativa através novas possibilidades e pensamentos sobre a morte. Porém, diferente disso, todos eles são tomados por uma grande sinceridade, tornando a narrativa linear mesmo com a mudança de cenário. Assim, não existem momentos mais fortes ou memoráveis que outros e sim uma coesão incômoda por tudo parecer sempre igual. 

É neste ponto de não se arriscar mais, não procurar evoluir seus diálogos extremamente filosóficos e nada casuais que “Ela Morre Amanhã” perde o interesse. Mesmo possuindo apenas 1h30 de duração, a ideia de morte contagiosa do filme parece até ser real podendo alcançar o espectador com o tédio intuído por sua linearidade. Acredito que isso ocorra justamente pela ausência de conflito, contraste, de aprofundamento em seus personagens e falta de outro direcionamento além da morte. 

Definitivamente, ‘Ela Morre Amanhã’ é um grande filme por sua abordagem sobre ansiedade e enfrentamento da morte, mas, ao mesmo tempo, que essa honestidade é positiva, ela também repele o público por não minimizar ou esconder a urgência temática, a qual não é tão prazerosa de se enfrentar (mesmo que somente na posição de espectador). Esse tipo de fidelidade à proposta também exerce um aspecto negativo de priorizar o conceito ao invés de desenvolver uma coerência narrativa, a qual seria muito bem-vinda para tornar sua experiência mais completa e atrativa. 

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...