Mais conhecida pela vasta carreira como atriz, Amy Seimetz (Cemitério Maldito e ‘Alien: Covenant) também se arrisca em alguns trabalhos na direção de filmes independentes e séries como Atlanta. Sua produção mais recente, ‘Ela Morre Amanhã’, foi baseada em sua própria ansiedade e consegue mostrar de forma bem-sucedida a essência desses conflitos pessoais e de seu propósito como diretora. Entretanto, mesmo sendo muito bom na temática que propõe, o filme é refém de si próprio e não consegue desenvolver outras tramas além da principal, se desgastando pela linearidade narrativa. 

De forma muito simples, “Ela Morre Amanhã” aborda a protagonista Amy (Kate Lyn Sheil)  que acorda achando que irá morrer no dia seguinte. Ao dizer sua premonição para a amiga Jane (Jane Adams), ela cria uma rede de pessoas que também passa a acreditar ter a morte marcada para amanhã. Tal situação é enfrentada de forma diferente pelos personagens, mas sempre cercada de angústia, ansiedade e diálogos filosóficos. 

Ao colocar uma temática tão pessoal em seu projeto, Amy ressalta a sensibilidade e destreza de fazer esta narrativa ser acessível como se a própria tivesse atuando na produção, conversando com o público. Isto por si só é um grande feito considerando a dificuldade pessoal de falar sobre transtornos psicológicos e a própria negligência de diversos filmes ao tentar abordar esse tema. Mesmo que a ansiedade não seja propriamente dita no longa, diálogos como “estou bem, não, não estou bem” e outras seguidas dualidades, apreensões e conflitos pessoais conseguem passar a sensação de constante angústia. 

A criação de diferentes núcleos de personagens torna mais dinâmico o enfrentamento da morte, gerando interesse em cada trama. Porém, qualquer que seja o cenário, “Ela Morre Amanhã” força o espectador a refletir juntamente de seus personagens, a pensar e mergulhar na vastidão de angústia presente, o que é muito bom pelo lado imersivo e por seu propósito, mas, verdadeiramente incômodo para quem assiste. 

TUDO IRRITANTEMENTE IGUAL 

A escolha de criar diferentes cenários de personagens tinha tudo para enriquecer a narrativa através novas possibilidades e pensamentos sobre a morte. Porém, diferente disso, todos eles são tomados por uma grande sinceridade, tornando a narrativa linear mesmo com a mudança de cenário. Assim, não existem momentos mais fortes ou memoráveis que outros e sim uma coesão incômoda por tudo parecer sempre igual. 

É neste ponto de não se arriscar mais, não procurar evoluir seus diálogos extremamente filosóficos e nada casuais que “Ela Morre Amanhã” perde o interesse. Mesmo possuindo apenas 1h30 de duração, a ideia de morte contagiosa do filme parece até ser real podendo alcançar o espectador com o tédio intuído por sua linearidade. Acredito que isso ocorra justamente pela ausência de conflito, contraste, de aprofundamento em seus personagens e falta de outro direcionamento além da morte. 

Definitivamente, ‘Ela Morre Amanhã’ é um grande filme por sua abordagem sobre ansiedade e enfrentamento da morte, mas, ao mesmo tempo, que essa honestidade é positiva, ela também repele o público por não minimizar ou esconder a urgência temática, a qual não é tão prazerosa de se enfrentar (mesmo que somente na posição de espectador). Esse tipo de fidelidade à proposta também exerce um aspecto negativo de priorizar o conceito ao invés de desenvolver uma coerência narrativa, a qual seria muito bem-vinda para tornar sua experiência mais completa e atrativa. 

‘Subsolo’: deliciosa ironia sobre o universo das academias

Lembra quando o presidente Jair Bolsonaro, no meio da pandemia da COVID-19 com mortes superiores a 1000 por dia, resolveu decretar que academias eram atividades essenciais? A surreal decisão parece saída do roteiro de “Subsolo”, animação satírica da dupla Erica...

‘Inabitável’: vamos fugir deste lugar?

‘Brasil 2020, Pouco Antes da Pandemia’.  Não é à toa este letreiro ser a primeira informação a surgir na tela no início de “Inabitável”: durante seus 20 minutos, o curta pernambucano apresenta o retrato de um país marcado pela violência e intolerância religiosa...

‘Por que Você não Chora?’: boa intenção não salva filme péssimo

Sabe aquele ditado popular: ‘de boas intenções, o inferno está cheio’? Pode ser cruel, eu sei, mas, cabe à perfeição para definir o fraquíssimo “Por que Você Não Chora?”. Escolhido como o filme de abertura da mostra competitiva de longas-metragens nacionais do...

‘Receita de Caranguejo’: metáforas sobre o luto

Baseado em memórias de infância da diretora e roteirista Issis Valenzuela, “Receita de Caranguejo”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, aposta em simbolismos e metáforas com a vida marinha para abordar o...

‘4 Bilhões de Infinitos’: homenagem ao cinema e a esperança de dias melhores

Cordisburgo ficou conhecida nacionalmente por ser a terra natal do escritor Guimarães Rosa. Recentemente, a cidade mineira, distante 96,9km em linha reta de Belo Horizonte, virou cenário de uma pentalogia de outra cria da terra, o diretor Marco Antônio Pereira. Com...

‘Queen & Slim’: Black Lives Matter em estética arrebatadora

Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen &...

‘Memories of My Body’: ode à existência de um corpo em plenitude

Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”,...

‘Invasão Zumbi 2: Península’: terror caça-níquel made in Coreia

Em nenhum outro gênero do cinema se produzem tantas continuações como o terror. Elas são feitas porque é um bom negócio: filmes de terror geralmente são baratos, e há o reconhecimento da marca. Quando é lançado e causa impressão junto ao público, ele vira uma marca, e...

‘Estou Pensando em Acabar Com Tudo’: estilo de Kaufman ao ponto da exaustão

Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras...

‘Narciso em Férias’: a violência brasileira em resposta à poesia

Os 54 dias das prisões de Caetano Veloso e Gilberto Gil, entre dezembro de 1968 a fevereiro de 1969, não apenas simbolizaram o mais claro sinal do endurecimento contra a classe artística e intelectual promovido pela ditadura militar no Brasil após o Ato Institucional...