O prolífico cineasta alemão Werner Herzog retorna construindo um filme surpreendentemente tocante em cima de uma premissa absurda: “Family Romance, LCC” estreou fora da competição em Cannes e, agora, foi exibido no Festival de Londres. A obra é uma análise imperfeita das necessidades humanas em estilo que lembra o francês Michel Gondry, diretor de “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”.

No filme, um empresário japonês (Ishii Yuichi) é contratado para fingir ser o pai de uma garota (Mahiro Tanimoto). Aos poucos, o roteiro ­­– também escrito por Herzog – revela que o empresário dono de um negócio que consiste no aluguel de pessoas para promover experiências. Cenas do cotidiano de seu trabalho são alternadas com suas interações com a garota, que começa a se afeiçoar demais a ele e, com isso, gerar um problema.

A princípio, a estética sem orçamento do longa incomoda: a falta de resolução do vídeo digital é perceptível, a luz estoura em vários momentos e uma música onipresente chateia depois dos primeiros 10 minutos. O diretor, que tem uma longa carreira em documentários, até pega emprestada uma das pragas atuais do gênero: as longas tomadas aéreas feitas por drones, usadas sem nenhum propósito.

Entre ficção e realidade

Os espectadores que passarem por cima das limitações do projeto encontrarão um filme sobre as medidas extremas que pessoas tomam na busca de sentir algo ou proporcionar algo a alguém. O fato de que, na vida real, Yuichi realmente trabalha para uma empresa similar e, assim, interpreta uma versão ficcional dele mesmo dá um tom quase surreal ao filme.

O emprego de Yuichi não é muito diferente do Mr. Oscar – o protagonista de “Holy Motors”, de Leos Carax: ele vai de lugar a lugar, interpretando papéis para pessoas dispostas a acreditar em sua atuação. Pegando a empresa real como ponto de partida, Herzog quer olhar para essa auto-ilusão de frente e perguntar o que ela diz sobre a condição humana.

Nesse intuito, o diretor não faz julgamentos e reconhece o valor tanto das pessoas que fornecem essas ilusões quanto das pessoas que as pedem. Como não sentir empatia, por exemplo, da dona de casa que contrata a empresa para, regularmente, bater à sua porta e fingir que ela ganhou na loteria? Em uma vida ditada pelo ordinário, um pouco de extraordinariedade é o bem mais cobiçado.

O “conforto” do faz-de-conta

Mais pungente, no entanto, é o peso emocional de viver em um mundo de faz-de-conta. Yuichi fica encantado com a possibilidade de fingir seu próprio funeral, pois, na morte, ele encontra uma paz que sua série de papéis não lhe proporciona. Como nada a sua volta é real, ele questiona a realidade e chega a pensar que, talvez, sua própria família seja formada por atores – algo que o atormenta e expõe uma humanidade que ele não pode mostrar aos clientes.

É na habilidade de tocar grandes questões de forma quase improvisada que o talento de Herzog fica claro. Com apenas 89 minutos, “Family Romance, LLC” não tem a profundidade dos melhores do diretor, mas é um projeto cuja fascinante ideia mostra o poder que a ficção exerce na vida contemporânea.

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...

‘A Beautiful Day in the Neighbourhood’: além dos limites do burocrático

O estado atual da indústria cinematográfica permite engraçados paralelos. De um lado, temos filmes que imploram a tela grande sendo produzidos por empresas de streaming, como “Roma”, de Alfonso Cuáron, ou o “Suspiria” de Luca Guadagnino. Por outro, há projetos como...

‘Wasp Network’: Olivier Assayas derrapa em suspense sem rumo certo

"Wasp Network" não é o inferno, mas está cheio de boas intenções. A trama real dos Cinco Cubanos, que espionaram em prol da terra natal em pleno solo americano, rende um thriller implacável. Infelizmente, ele continua na promessa. O novo longa de Olivier Assayas,...

‘O Farol’: horror brota da solidão em ótimo terror de Robert Eggers

Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, "A Bruxa", almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em "O Farol", seu novo...

‘Histórias de um Casamento’: os dolorosos detalhes do fim de um casal

O mais difícil de “Histórias de um Casamento” é saber lidar com o quão engraçado ele é. Não se engane: essa é uma história devastadora sobre um divórcio e a subsequente batalha judicial dos ex-cônjuges. Porém, a delicadeza com que o diretor-roteirista...