Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense “Goddess of the Fireflies” acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar um conto que soa atual mesmo com seu apelo nostálgico. 
 
No dia em que Catherine (Kelly Depeault) faz 16 anos, uma briga familiar termina com seu pai deliberadamente batendo o carro de sua mãe contra o portão de casa. Com seus pais imersos em um divórcio pra lá de contencioso, ela busca apoio no grupo de rebeldes da escola, entre eles, Marie-Eve (Éléonore Loiselle), Keven (Robin L’Houmeau), Mélanie (Marine Johnson) e Pascal (Antoine DesRochers). Ao se envolver com Pascal, ela consegue uma porta de entrada para o grupo, uma iniciação na sua própria vida sexual e uma válvula de escape na forma de drogas pesadas. 
 
Apesar do peso inerente à temática, a diretora Anaïs Barbeau-Lavalette opta por uma abordagem poética na hora de retratar a história de Catherine, adaptada do livro de Geneviève Pettersen pela roteirista Catherine Léger. Em colaboração com o diretor de fotografia Jonathan Decoste, ela povoa as cenas com planos-detalhes, enfatizando mãos, tatuagens e roupas – coisas que chamam a atenção dos adolescentes. 

UMA INCÔMODA SOMBRA 

Condizendo com um filme cuja protagonista se refugia em mundo altamente sensorial por conta de drogas, sequências que retratam como os personagens processam suas angústias internamente servem como contraponto à dura realidade desses jovens. Elas funcionam largamente por conta do trabalho do designer de som Paul Lucien Col e pela trilha que explora ao máximo o momento em que o rock capitaneado por mulheres definiu o zeitgeist noventista: uma importante cena ocorre ao som de The Breeders e outra gira em torno da banda Hole. 

Ainda que seja clara a paixão que Barbeau-Lavalette tem por seu material-base, não há muito que diferencie o longa de outros feitos nas mesmas linhas. “Eu, Christiane F.,13 Anos, Drogada e Prostituída“, por exemplo, é um grande ponto de referência – e o fato de que Catherine ganha o livro no qual o drama alemão é baseado como presente de aniversário reforça uma comparação não exatamente lisonjeira. 
 
O filme se sai melhor quando busca mostrar a vida dos jovens do interior de Québec antes da internet revolucionar a maneira como eles se encontram e se relacionam. As cenas entre Catherine e seus pais também figuram entre os melhores momentos do longa, pois provêm um contexto para a sua rebeldia. Em sua presente forma, no entanto, o barato de “Goddess of the Fireflies” se esvai rápido. 

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...