Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e homossexual, prestigiado por presidentes como Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas e a Rainha Elizabeth, nunca deixou de ser quem era e, sem temor de retaliações, tinha verdadeiro amor ao carnaval (chegou a se fantasiar de mulher para desfilar em 1956) e indumentárias de extrema beleza.

Selecionado para a mostra competitiva do Festival de Gramado 2020 entre os curtas-metragens nacionais, o documentário “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé”, dirigido por Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra, mostra a mesma ousadia e provocação do seu personagem principal, aqui, presente como narrador da própria história em um resgate histórico de uma pesquisa brilhante feita por Uilton Dutra, Tais Noronha junto com os dois cineastas. Longe da tradicional linha de filme biográfico – já vista, inclusive, no evento gaúcho deste ano com “O Samba é Primo do Jazz” – a produção utiliza a trajetória do babalorixá para fazer paralelos pertinentes entre aquele Brasil e o desta era distópica através do corpo preto, do constante reacionarismo hipócrita e da necessidade de resistência para seguir existindo.

A construção visual do documentário é um show à parte, pois, coloca grande parte da força nas performances de Átila Bezerra. Da sequência inicial no antigo local onde Joãozinho da Goméa tinha seu terreiro como ao desfilar por uma feira no Rio de Janeiro ao lado de feirantes e compradores, a existência daquele corpo ali, destacado em planos detalhes, é fundamental não apenas para ajudar o espectador em uma identificação mais imediata do personagem, mas, também por continuar sendo um ato transgressor uma pessoa preta ocupar espaços, sendo o que ela é e o que quer ser. Isso se completa com a riqueza do material de acervo com as indumentárias utilizadas por Joãozinho, gerando momentos belíssimos. 

Paralelo a isso, “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé” deixa claro como os discursos conservadores de 60, 70 anos atrás repetem-se à exaustão para tentar calar a cultura e religião afro no Brasil e, consequentemente, os pretos e pretas. O editorial de uma rádio da época se opondo ao babalorixá com frases de efeito, levantando um falso alerta sobre os riscos da degradação da família, dos lares, da moral e, claro, da Pátria soam tão familiares aos feitos por pastores neopentecostais donos de extensos horários na televisão e no discurso do governo federal através da ministra Damares Alves, da pasta da Mulher, Família (sempre ela) e Direitos Humanos.

No fim das contas, Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra fazem de “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé” um projeto tão rico que tornam os 14 minutos de duração do documentário muito pouco para o tanto que tinham à disposição. Quem sabe um longa não seja o próximo passo?

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...