Em 1961, Leonel Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, foi o principal responsável por liderar um levante popular em defesa da democracia brasileira. Chamado de Campanha da Legalidade, o movimento buscava garantir a posse do vice-presidente João Goulart após a renúncia de Jânio Quadros, a fim de cumprir a Constituição e evitar um golpe militar (o que viria a se concretizar três anos depois). 

Tal episódio marcante da nossa política já seria suficiente para render um filme e tanto. Mas, em “Legalidade”, o diretor gaúcho Zeca Brito parece não ter confiado o suficiente no potencial cinematográfico dessa história e a tornou plano de fundo para uma trama ficcional repleta de clichês explorados exaustivamente pelo cinema ao longo das décadas, com o objetivo de tornar a obra mais comercial e atrair uma maior fatia de público. 

Exibido no Festival de Gramado numa sessão especial em homenagem ao ator Leonardo Machado (morto no ano passado, aos 42 anos, em decorrência de um câncer), “Legalidade” foi bastante criticado pelo seu tom folhetinesco. O roteiro, assinado pelo próprio diretor em parceria com Leo Garcia, usa e abusa de artifícios de telenovela antiga, resultando em um verdadeiro melodrama com direito a triângulo amoroso e trilha sonora com boleros repetidos à exaustão.

 ELENCO ENTRE ALTOS E BAIXOS

Cleo (ex-Pires) não convence como Cecília Ruiz, a misteriosa jornalista brasileira radicada nos Estados Unidos que retorna ao país de origem em meio ao turbilhão e se envolve com os irmãos Luiz Carlos e Tonho, vividos por Fernando Alves Pinto e José Henrique Ligabue. Estes, inclusive, são os grandes destaques do elenco, garantindo bons momentos enquanto Cleo exagera nas caras e bocas durante toda a projeção e não consegue transmitir a ambiguidade necessária à sua complexa protagonista.

Por outro lado, Leonardo Machado defende com unhas e dentes o seu Leonel Brizola, imprimindo na tela toda a tensão que o político enfrentou durante os 14 dias em promoveu a Campanha da Legalidade. Poderia e merecia ter brilhado muito mais caso tivesse sido o personagem central do filme, que ainda conta com uma pequena participação do grande Paulo Cesar Pereio.

Outro enorme desperdício é Letícia Sabatella, que surge deslocada como a filha de Cecília Ruiz em uma trama paralela desnecessária ambientada em 2004, pouco antes da morte de Brizola (aqui interpretado por Sapiran Brito, pai do diretor). Blanca, a personagem de Letícia, pesquisa documentos da ditadura militar em busca de informações sobre o passado de sua mãe e, consequentemente, sua origem.

RELEVÂNCIA EM TEMPOS DE AMEAÇA DEMOCRÁTICA

Dentre os pontos positivos em “Legalidade”, merece destaque a belíssima fotografia de Bruno Polidoro trabalhada em tons escuros, uma escolha bastante adequada para retratar aquele período sombrio.

A direção de arte, assinada por Adriana Nascimento Borba, reproduz com fidelidade a época retratada, ressaltando a grandeza de locações como o Palácio Piratini e o Paço Municipal de Porto Alegre. Apenas derrapa em pequenos detalhes como, por exemplo, jornais guardados por mais de 40 anos que aparecem brancos e novos como se tivessem acabado de sair da banca. Inclusive, tais jornais históricos são rabiscados por Blanca em plena hemeroteca, algo ilógico e bizarro, resultando em mais uma falha por parte da direção.

Excessivamente didático na parte histórica, o filme conta com raras imagens de arquivo no decorrer de sua narrativa, que ajudam a solucionar questões de orçamento, mas também ressaltam o compromisso do diretor e roteirista com a veracidade dos fatos. Tal preocupação é refletida até nos traços psicológicos dos personagens fictícios, que foram moldados a partir de figuras reais que viveram os acontecimentos da época.

Segundo o filósofo Edmund Burke, “um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”. Ao terminarmos de assistir “Legalidade”, é possível constatar que nunca estivemos tão perto daquele Brasil de 1961 como agora. E é justamente isso que faz com que o filme mereça ser visto, independentemente de suas falhas. Porque, cada vez mais, o cinema brasileiro torna-se uma vitrine para a reflexão e discussão sobre os rumos que o nosso país vai tomar em um momento em que voltamos a ter nossa democracia ameaçada.

‘Cadê Você, Bernadette?’: Cate Blanchett reina em melodrama simpático

Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e...

‘Pacarrete’: uma síntese do artista brasileiro

Quando “Pacarrete” foi selecionado para o Festival de Gramado deste ano, o filme cearense era visto como um patinho feio dentre as obras em competição. Concorrendo com grandes produções, dirigidas por nomes consagrados como Miguel Falabella (com o aguardado “Veneza”)...

‘Papicha’: resistência feminina ao extremismo religioso em grande drama

Ter sido mulher na Argélia de 1990 durante uma guerra civil e a escalada do poder de grupos muçulmanos a partir do extremismo islâmico e intolerância religiosa foi uma jornada de sobrevivência. Em “Papicha”, o filme que representa a Argélia como pré-candidato ao Oscar...

‘Doutor Sono’: sequência constrói ponte entre visões de King e Kubrick

Existe O Iluminado de Stephen King e O Iluminado de Stanley Kubrick, e eu sempre digo às pessoas para experimentarem os dois. O de King é um livro de terror sobre aprender a vencer os próprios demônios, principalmente alcoolismo e abuso. O de Kubrick é um filme de...

‘Apollo 11’: documentário protocolar sobre a chegada do homem à Lua

“Um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para a humanidade”. A frase proferida por Neil Armstrong no momento em que pisava na Lua pela primeira vez é, sem dúvida, o momento mais memorável da Missão Apollo 11. Já retratada em diversos meios, a última...

‘O Rei’: ressignificações da masculinidade em poderoso épico

O que mais impressiona em O Rei, drama histórico da Netflix e do diretor David Michôd, o mesmo de Reino Animal (2010) e The Rover: A Caçada (2014), são as caras jovens na tela. Geralmente épicos não são estrelados por atores com cara de garotos, nem os vemos...

‘A Música da Minha Vida’: coming of age ao som e espírito de Springsteen

Tanto em “Apenas uma Vez” quanto em “Mesmo Se Nada Der Certo”, o diretor irlandês John Carney demonstrou o poder que a música exerce sobre nossas vidas. Em “Sing Street”, considerado seu trabalho mais pessoal, Carney consegue estabelecer um diálogo ainda maior com seu...

‘O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio’: replay dos melhores momentos da série

De todos os filmes de ação/ficção-científica dos anos 1980 que fizeram sucesso, O Exterminador do Futuro (1984) era, em tese, o que tinha a menor probabilidade de virar franquia. Vigoroso e impactante longa que impulsionou as carreiras do seu roteirista/diretor, James...

‘Zumbilândia – Atire Duas Vezes’: preguiça completa de buscar algo novo

Toda vez que é lançada uma nova versão de algum filme famoso eu me pergunto se irá valer a pena. “Zumbilândia - Atire Duas Vezes”, já adiantando bastante, é totalmente desnecessário. Parece haver uma cultura em Hollywood onde as pessoas devem ganhar mais pontos ao...

‘Meu Nome é Dolemite’: Eddie Murphy reencontra as boas comédias na Netflix

Famoso movimento do cinema americano nos anos 1970, o Blaxploitation teve como público-alvo os negros do país tão mal representados nas grandes produções de Hollywood. Sempre com o nível de violência acima da média, as produções transitavam entre policiais, westers,...