Bem, uma coisa ninguém pode dizer de Lovecraft Country: ser um seriado chato e previsível. O sexto episódio da temporada, “Me encontre em Daegu”, é um momento inspirado da série, uma hora cheia de imagens grotescas muitas vezes contrapostas a um clima tocante, belo mesmo, de uma improvável história de amor. É também um episódio capaz de deixar o espectador coçando a cabeça… Uma coisa é certa, é interessante e emotivo.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

É o segundo desvio narrativo seguido. Já por dois episódios consecutivos, as aventuras e toda a trama do nosso trio de protagonistas fica na espera, enquanto acompanhamos a história de uma personagem paralela, mas que deverá ter importância na resolução do arco principal da temporada – no episódio anterior, acompanhamos Ruby enquanto ela passava a usar uma pele branca por um tempo e, em apenas breves momentos, víamos o que estava acontecendo com Tic, Letitia e Montrose.

Em “Me encontre em Daegu”, nem chegamos a dar uma parada no presente para ver o trio principal. O episódio é um flashback, destinado a explicar a curiosa conexão entre a misteriosa mulher coreana e Tic, da qual tivemos apenas algumas poucas dicas desde o início da temporada. Pois bem, essa mulher coreana é Ji-Ah, vivida por Jamie Chung. Estamos em 1950, na Coréia do Sul ocupada pelo exército norte-americano, e o clima de tensão é forte. Ji-Ah se distrai vendo musicais de Hollywood – o título deste episódio é um trocadilho com “Meet me in St. Louis”, título original de Agora Seremos Felizes (1944), famoso musical estrelado por Judy Garland. Na cena inicial, vemos Ji-Ah querendo sair pulando e cantando no meio do cinema – como já faz parte da narrativa de Lovecraft Country, ela é mais uma figura apaixonada pela arte produzida por uma sociedade que a odeia.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

Ela realmente gosta de musicais. Mas precisa reprimir sua vontade de cantar e dançar. Porque ela é… diferente. Ji-Ah é, na verdade, uma entidade monstruosa (claro) chamada Kumiho, que possui muitas caudas (!) e é usada por ela e sua mãe para captar almas de homens durante o ato sexual (!!). Ao matar 100 homens, na teoria, o demônio a abandonará e Ji-Ah voltará ao normal.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

Com o tempo, Ji-Ah conhece Tic em circunstâncias terríveis, mas um sentimento começa a nascer entre eles. Aliás, é um artifício muito interessante de “Lovecraft Country” introduzir o herói da série na posição de quase-vilão, justo quando um tocante relacionamento começa a surgir entre Ji-Ah e sua amiga Young-Ja (Prisca Kim). O episódio adiciona várias camadas interessantes ao protagonista. Mas, a partir daí, o relacionamento deles é tão bem construído, e tão bem defendido por Chung e Jonathan Majors, que o espectador não consegue deixar de torcer por eles.

CAMINHOS INESPERADOS

As atuações são o grande destaque deste episódio, e a diretora Helen Shaver extrai o máximo das interações entre Chung e Majors. Não tão bem sucedida é a parte dos efeitos de computação gráfica: o CGI ficou devendo um pouco ao retratar os momentos das manifestações do bizarro Kumiho, embora isso não chegue a comprometer o episódio. Já a reconstituição de época segue o alto padrão que já nos acostumamos a esperar de uma produção HBO, e o fato de a maior parte do episódio ser falado em coreano, e estrelado por um elenco do país adiciona ainda mais autenticidade.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×04

No fim das contas, temos em “Me encontre em Daegu” uma tocante história de aceitação que se encaixa bem com os temas de Lovecraft Country até o momento: Ji-Ah percebe que tudo bem ser diferente, e se autoaceitar é o mais importante. “Nós dois fizemos coisas monstruosas, mas não quer dizer que somos monstros”, ela diz a Tic numa cena, e este episódio torna o relacionamento entre eles, de uma mera curiosidade, ao mais forte da série. E ele ainda termina insinuando grandes possibilidades para o futuro, com o relacionamento de Ji-Ah e Tic devendo ter uma importância grande no conflito final da temporada.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×05

A bizarrice do Kumiho e seus poderes impressionam o espectador, mas quem poderia dizer que a explicação para um mistério que parecia bobo e maluco renderia a maior quantidade de emoção genuína que a série já mostrou até o momento? Aprender a esperar o inesperado parece ser a melhor forma de se acompanhar Lovecraft Country.

‘Lovecraft Country’ 1×10: final apressado destoa da temporada

O título deste episódio final da temporada de Lovecraft Country é “Círculo Completo”, e ele é quase que totalmente dedicado ao grande arco da temporada, o do confronto entre nossos heróis contra os planos de Christina Braithwhite. De fato, ele acaba fazendo um circulo...

‘A Maldição da Mansão Bly’: terror dá espaço para o drama em boa série

Dois anos após o sucesso estrondoso de ‘A Maldição da Residência Hill’, o showrunner Mike Flanagan voltou a nos assombrar com sua forma sensível de contar histórias sobre fantasmas. Mas, embora tenha uma proposta parecida com a série anterior, ‘A Maldição da Mansão...

‘The Boys’ 2×08: temporada encerra lembrando fim do primeiro ano

Subvertendo o gênero de super-heróis mais uma vez, ‘The Boys’ chega ao final de sua segunda temporada correspondendo às expectativas do público. Ao apostar em cenas marcantes e revelações aguardadas, a série consegue entreter e dar continuidade às narrativas...

‘Lovecraft Country’ 1×09: massacre de Tulsa para jamais esquecer

Na minha crítica do oitavo episódio da temporada de Lovecraft Country, ressaltei como um evento real ditou o tom daquele segmento em particular. Pois neste nono episódio, intitulado “Voltando para 1921”, a série repete esse expediente, de forma até mais efetiva, ao...

‘Bom Dia, Verônica’: roteiro excelente encontra elenco em alto nível

Baseada no livro homônimo de Raphael Montes e Ilana Casoy, ‘Bom dia, Verônica’ é mais uma série nacional na Netflix que traz muito orgulho para o audiovisual brasileiro. Digo isto, pois, além de contar com uma história instigante e muito bem apresentada ao longo de...

‘Lovecraft Country’ 1×08: ‘Fuck the Police’

Se há uma coisa que o triste ano de 2020 deixou absolutamente óbvio para o mundo é que, nos Estados Unidos, a polícia é inimiga da população negra. Sério, como alguém pode discordar disso ao ver algumas poucas estatísticas, e ao presenciar a comoção mundial que casos...

‘The Boys’ 2×07: crítica social e sadismo lado a lado em grande episódio

Embora o episódio final da temporada sempre seja o mais aguardado e, por vezes, aclamado nos seriados, muito da expectativa sobre ele é construída no episódio anterior, responsável por unificar narrativas e preparar um bom desfecho. Sabendo disso,...

‘Lovecraft Country’ 1×07: sci-fi à serviço do empoderamento

Até agora, a série Lovecraft Country explorou mais os ingredientes de terror e de fantasia das obras da literatura pulp e do autor H. P. Lovecraft. Mas literatura pulp também é território da ficção-científica... Já sabíamos, desde a menção de uma tal “máquina do...

‘The Boys’ 2×06: irreverência em divertida releitura do Asilo Arkham

Desde detalhes nos figurinos até os diálogos, ‘The Boys’ sempre encontra uma forma de referenciar outros universos de super-heróis, rendendo ótimas piadas e até mesmo críticas. Desta vez, a série nos leva diretamente a uma releitura do Asilo Arkham de Gotham City,...

‘Lovecraft Country’ 1×06: surpreendente romance em meio ao terror

Bem, uma coisa ninguém pode dizer de Lovecraft Country: ser um seriado chato e previsível. O sexto episódio da temporada, “Me encontre em Daegu”, é um momento inspirado da série, uma hora cheia de imagens grotescas muitas vezes contrapostas a um clima tocante, belo...