À primeira vista, “Lucia Cheia de Graça” parece ser uma produção divertida e aberta a vários caminhos, entretanto, o filme de Gianni Zanasi mostra-se frustrante e genérico.  Estrelado por Alba Rohrwacher, a trama acompanha a personagem-título, uma mãe solteira que vive em dificuldades financeiras, afetivas e sociais. Em um de seus trabalhos como topógrafa, ela percebe que o terreno estudado sofreu muitas alterações desde as últimas medições, porém, por pressão do chefe, ela deixa passar o fato nos registros. Essa situação poderia ser corriqueira, se isso não lhe rendesse visões de Nossa Senhora, que veio impedir que o projeto siga em frente.

Com esta premissa, “Lucia Cheia de Graça” poderia seguir por caminhos distintos e interessantes como a fé na correria contemporânea ou o significado de ser religioso na pós-modernidade. Dentro desse quadro, sua linguagem também poderia ser melhor tecida: uma comédia familiar ou um drama religioso. Porém, entre tantas vertentes, nenhuma é escolhida: Zanasi patina entre todas elas e não consegue ser satisfatório em nenhuma.

Santo versus Profano

Até antes da aparição da figura religiosa, o roteiro parece meio perdido entre as incongruências da vida de Lucia e sua busca por consertar o que acredita ser disfuncional em sua existência. Mas engana-se quem possa acreditar que as visões de Nossa Senhora melhorem a condução da trama; pelo contrário, o que antes soava como humor, torna-se sem nexo, infantil e um tanto herege.

O humor se propõe a partir da junção entre o terreno e o etéreo, o sacro e o profano. A protagonista e a personagem religiosa são construídas com aspectos diferentes do que o senso comum ofertaria a elas. Enquanto o medo de Lucia a afasta da adoração e do comportamento que seria previsto nessa situação, a Santa não hesita em atacá-la fisicamente quando há necessidade. Essa troca entre elas promove algumas risadas, mas a relação se mantém nisso, sem aprofundar as questões levantadas pela aparição nem tampouco desenvolver as personagens.

O desequilíbrio narrativo

Tudo isso acaba por desequilibrar o tom do filme, nunca encontrando um ritmo narrativo e um fim ao qual desembocar. E isso só piora quando o terceiro ato decide relegar a Lucia à imagem de mulher louca (devido às visões) e entrega a solução de seus problemas e da resolução do filme a seu ex-companheiro. Restando à personagem a dependência de um homem que a abandonou e ressurgiu do nada “para salvar o dia”.

Somado a isso, está a dificuldade do roteiro em conectar as tramas paralelas. “Lucia Cheia de Graça” se debruça em arranhar críticas ao machismo, à moral religiosa e a diferença entre gerações, mas nunca se aprofunda em nenhuma das temáticas. Nem mesmo a aparição de Nossa Senhora, o argumento narrativo condutor, consegue encontrar espaço para desenvolver-se. Os motivos da aparição nunca ficam muito claros e nem a presença da santidade se mostra necessária para enriquecer alguma discussão (a não ser para alimentar o velho clichê machista da mulher louca), nem mesmo as que poderiam se desencadear a partir disto como o cristianismo contemporâneo.

Um sopro de esperança

No mar de tantas irregularidades, o que consegue tornar funcional a projeção é a atuação de Alba Rohwacher. Reconhecida em festivais importantes como o de Veneza e Berlim, ela é um dos maiores talentos da atual geração. Aqui, ela oferta equilíbrio à personagem, não permitindo que seja ridícula ou se torne uma paródia, mas possibilitando certa magia ao transitar entre o medo e a coragem, a crença e a descrença. Há momentos em que sua entrega consegue nos fazer enxergar o potencial dramático que a obra poderia ter.

É realmente uma pena que com tanta potencialidade a ser explorada ”Lucia Cheia de Graça” se perca em um mar de irregularidades e caminhos desencontrados.

‘O Jovem Ahmed’: lacunas na história deixam Dardenne pelo meio do caminho

A radicalização é um problema que se arrastou para o século XXI, encontrando na era da informação um período fértil para sua proliferação. Pode até parecer contraditório achar que em uma época onde se pode saber absolutamente tudo, a ignorância ainda capture pessoas e...

‘Escape From Pretoria’: personagens esquecidos em nome da ação

Escrito e dirigido por Francis Annan (“Woyzeck”), “Escape From Pretoria” apresenta a história real de Tim Jenkin (Daniel Radcliffe, o eterno 'Harry Potter') e Stephen Lee (Daniel Webber), dois ativistas anti-apartheid levados para a prisão de segurança máxima de...

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...

‘Maria e João – O Conto das Bruxas’: terror inova sem esquecer do clássico

Se há algo que sempre foi fascinante nos contos dos irmãos Grimm é a enorme capacidade que eles tinham de integrarem um conjunto de ideias que sempre mexeram com o imaginário infantil. No fundo, os seus contos são fortes na essência por apresentaram uma linguagem...