O cinema e a televisão já retrataram dramas de tribunal em diversas formas. Seja em ficção ou documentários, do ponto de vista do júri, advogados, réus. E muitas dessas obras vem para debater o papel da justiça na vida das pessoas, principalmente, se ela exerce seu poder apenas em favor dos poderosos contra os pobres e, ainda mais cruel, contra os negros.

“Luta por Justiça” é um filme correto, bem feito, competente e com atuações formidáveis. Entretanto, é uma pena, que uma produção realizada com tanta força e vontade sobre tema tão delicado e desolador caia em uma série de armadilhas dos filmes do gênero como previsibilidade, clichês e caminhos fáceis.

O filme retrata a história real de Bryan Stevenson a partir da autobiografia dele. Interpretado com uma convicção inabalável por Michael B. Jordan (“Pantera Negra”), o advogado recém-formado em Harvard, deixa sua terra natal e parte para o Alabama para trabalhar em uma causa vista por parte da cidade como uma ameaça: auxiliar juridicamente condenados ao corredor da morte. Para os cidadãos da região – leia brancos – todos os presos são culpados, independente de ser verdade ou não. Um dos condenados chega a dizer em sua cela: “se não foi você, então você pagará no lugar de seu mano”.  Chegando no local, Stevenson trabalha no caso de Walter McMilliam (Jamie Foxx), acusado em um caso absurdo e cheio de furos.

O erro de “Luta por Justiça” é cercar os protagonistas de figuras unidimensionais, com olhares maldosos e atitudes grotescas, indo sempre em direção segura e sem complexidade – ao ponto de mostrar um carro suspeito passando devagar e de forma ameaçadora na frente da casa em que Bryan se hospeda. O filme tem discurso, texto afiado, mas poderia ser mais profundo e debater melhor o cerne do assunto.

Os casos dos colegas de cena de McMilliam, por exemplo, interpretados por O’Shea Jackson Jr. e Rob Morgan (que tem uma cena forte e que ganha muito com sua interpretação sensível), expõe definitivamente o terrível descaso e um grave problema do sistema judiciário local, fora a má vontade policial em fazer um trabalho investigativo verdadeiro – chega a me lembrar de um certo país da América do Sul em que vivo. E ver o resultado de suas histórias citadas durante os créditos chega a ser frustrante, pois, poderiam ter sido melhor exploradas.  

Aliás, os personagens em volta de Bryan funcionam apenas como vetores para auxiliar a forma como a narrativa flui. Eva (Brie Larson) tem dois momentos interessantes, porém, triviais com o protagonista. Em dois diálogos em que ela expõe como os amigos lidam com a sua nova empreitada (trabalhar com Bryan) e em outro momento em que o advogado contextualiza para a nova amiga a possível origem da segregação racial local. E não deixa de ser interessante que a personagem sempre apareça quando o personagem esteja em um momento de dúvida, o que pode ser visto como descaso com as figuras femininas da história.

ECOS DE “A CABANA”

Junto a tudo isso, a estrutura de roteiro colabora para que tudo se torne mais previsível: diálogos motivadores, viradas de noite trabalhando no caso, momentos iluminados em que livros com soluções e justificativas são descobertos. Sinceramente, eu estava esperando alguém cobrir Bryan com um cobertor no momento em que cochilasse.

A direção de Destin Daniel Cretton é competente com a câmera focada sempre nas expressões das vítimas do sistema, com sombras e tons pastéis para carregar os momentos com uma compreensível tristeza. O diretor ainda faz questão de expor os algozes, todas pessoas brancas, inescrupulosas e cercando os condenados, fazendo com que a sensação de abandono e opressão sejam potencializadas.

Vindo do covarde “A Cabana”, o diretor/roteirista não resiste à tentação do melodrama, sabotando não só o filme, mas, também o trabalho formidável do elenco. “Luta por Justiça”. no fim. é um bom filme, expõe um problema já conhecido sem muita inovação, tinha potencial para muito mais, mas não quis arriscar. 

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...