Matthias e Maxime é uma história de descoberta de amor contada com singeleza e sinceridade, e é também provavelmente a melhor coisa que o jovem cineasta franco-canadense Xavier Dolan poderia fazer a esta altura de sua carreira. Dolan é um nome muito badalado – mesmo com todo o hype em torno dele, numa nota pessoal acho que Dolan realmente fez alguns ótimos filmes, como Eu Matei Minha Mãe (2009), Laurence Anyways (2012) e Mommy (2014). Mas então o hype aparentemente lhe subiu à cabeça, ele fez a bomba É Apenas o Fim do Mundo (2016) – e depois brigou com os críticos que chamaram seu filme de ruim, porque era – e então lançou The Death and Life of John F. Donovan (2018), que passou em brancas nuvens. Seus filmes começaram a ser exibidos em Cannes, ele começou a trabalhar com grandes estrelas como Marion Cotillard e Natalie Portman, e sua carreira ameaçou desandar. Matthias e Maxime é, felizmente, uma correção de curso.

Os dois personagens do título são amigos de infância que estão chegando a um momento importante de suas vidas. Matthias (vivido por Gabriel d’Almeida Freitas) tem uma vida estável profissionalmente, uma namorada e é um cara certinho. Já Maxime (interpretado pelo próprio Dolan) é um sujeito meio perdido na vida, tem uma relação conturbada com a mãe (Anne Dorval, voltando a trabalhar com o diretor/ator) e está prestes a viajar para a Austrália sem ter muita noção sobre como vai viver por lá. Numa noite, durante uma festa, os dois aceitam, mediante uma aposta, participar da filmagem do curta estudantil de uma amiga. Na cena, eles precisam se beijar, e se beijam. A partir daí, os dois rapazes começam a se sentir sacudidos emocionalmente, descobrindo um sentimento entre eles que vai além da mera amizade.

Dolan filma essa história de maneira focada e investindo no naturalismo. Embora ele às vezes até caia nuns exageros estilísticos, Matthias e Maxime é um filme bem sóbrio e dominado pelo naturalismo, tanto nas atuações quanto na estética. Alguns momentos mais dramáticos são filmados com a câmera na mão, mas de modo geral é um filme bastante delicado – um gesto envolvendo a mancha no rosto de Maxime numa cena importante é bem efetivo, justamente por ser pequeno, por não ser exagerado.

RETORNO À ZONA DE CONFORTO

De fato, Dolan investe na introspecção dos seus personagens. Como, por exemplo, quando filma Matthias nadando num lago e se perdendo, ou quando vemos Maxime observando um outdoor com a enorme foto de uma família tradicional. As cenas de confraternização entre os jovens realmente transmitem uma sensação de autenticidade, com a câmera do filme se comportando como uma mosquinha na parede, a espera de um momento de desconforto ou de um conflito fervilhando sob a superfície. Dolan nem mostra o beijo dos personagens no curta-metragem e deixa esse momento-chave da história para a imaginação do espectador.

Embora o cineasta se mostre mais contido, ainda há um floreio ou momento meio exagerado aqui e ali, como uma cena em que Maxime quebra um espelho, mas continuamos vendo seu “reflexo”, ou nas brigas do personagem com a mãe, que no fim das contas não acrescentam muito à narrativa. Mesmo assim, são momentos pontuais numa obra que prima pela singeleza.

Matthias e Maxime é um filme de jovens irrequietos que são surpreendidos e acabam tendo que dar uma parada. De certa forma, o mesmo parece ter ocorrido com o realizador, que entrega aqui sua obra mais madura até agora. É um filme de um jovem maduro, sobre outros jovens, descobrindo algo sobre a vida, e por isso acaba se tornando cativante. É aquele típico filme pequeno que cineastas de vez em quando fazem após alguns grandes projetos, para recarregar as baterias. Pode-se até argumentar, tendo em vista seus primeiros filmes, que para Xavier Dolan, Matthias e Maxime representa um retorno a uma zona de conforto. Mas zonas de conforto não são algo necessariamente ruim, depende de como elas são usadas. Neste filme, Dolan dá um passo para trás, para enxergar mais longe.

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...

‘Extratos’: a melancolia de uma fuga pela existência

Dois gigantes do cinema brasileiro juntos em fuga da repressão pesada da ditadura militar compõe o documentário “Extratos”, dirigido por Sinai Sganzerla e selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. Mais do que o...

‘Wander Vi’: protagonista segura filme no limite do correto

Candidato do Distrito Federal na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Wander Vi”, de Augusto Borges e Nathalya Brum, é, ao lado de “Blackout”, verdadeira incógnita desta seleção. Trata-se, sem dúvida, de uma produção com boa...