Ambos dirigidos por Ari Aster, Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” “Hereditário” guardam semelhanças e diferenças. Se o longa de estreia era uma produção mais intimista fechada em um pequeno núcleo familiar e ambientada em grande parte em uma casa escura e fechada, aqui, a história se passa em longa campos verdes cercado por uma floresta com personagens das mais diversas idades e um sol incessante presente em quase 24 horas do dia. 

Por outro lado, traumas familiares desencadeiam uma vulnerabilidade enorme nos protagonistas que acabam se vendo dentro de uma espiral de loucura e misticismo enlouquecedora. Tudo isso conduzido por um diretor criativo, hábil suficiente para construir atmosferas imagéticas e sonoras perturbadoras e inquietantes, muito longe do que o mainstream hollywoodiano confortavelmente oferece dentro do terror. 

Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” inicia quando Dani (Florence Pugh, excelente) perde os pais de forma trágica. Abalada, ela busca o apoio do namorado Christian (Jack Raynor), antropólogo que se sente sufocado no relacionamento de quatro anos, mas, sem coragem para terminar o caso. Dias depois, os dois recebem um convite do amigo de Christian: passar algumas semanas em uma comunidade rural na Suécia para observar como funciona a vida dos moradores, seus hábitos, costumes e religiosidade. Evidente que o local guarda terríveis segredos e as coisas não saem como se espera. 

De longe, o maior mérito de Ari Aster em “Midsommar” é construir uma atmosfera de paranoia e estranhamento quase próxima da perfeição. Seja para trabalhar o deslocamento de Dani junto ao grupo de amigos e do próprio namorado ao chegar em uma casa, no deslocamento de carro em uma estrada na qual a câmera vira 180 graus ou na transição muito bem construída de um sonho para um plano-sequência dentro do quarto da comunidade, o diretor elabora, junto com o precioso auxílio da trilha sonora de violinos cortantes composta pelo músico britânico The Haxan Cloak e da equipe de som, um cenário em que deixa o espectador sem rumo, afinal, as bases daquele universo soam sempre enganosas. 

Nos primeiros minutos, por exemplo, “Midsommar” coloca em dúvida uma possível instabilidade de Dani ao sugerir uma pessoa exagerada e possessiva ou se as preocupações com o namorado e a família são críveis. Este elemento clássico do terror, porém, não vem gratuitamente, afinal, o roteiro observa os componentes machistas nesta observação ao colocar elementos de um relacionamento abusivo e depreciativo de Christian e dos próprios amigos dele quanto à personagem de Florence Pugh, além do nosso próprio como sociedade ao sempre avaliar os problemas de uma mulher como histeria.  

ESPIRAL DE LOUCURA 

Ari Aster, porém, se torna ainda mais ácido e provocador no momento em que os personagens chegam ao vilarejo sueco. Aqui, “Midsommar” escancara gradualmente as hipocrisias dos dogmas religiosos e os males do fanatismo levados ao extremo. 

Tudo começa com a abordagem suave e pacífica feita por missionários, os quais aproveitam as fragilidades emocionais de uma pessoa para arrebatar novos fieis, como ocorre com Dani após a perda dos pais e toda a situação turbulenta do relacionamento com Christian. Daí por diante, a espiral de loucura só aumenta através dos sacrifícios em nome de um Deus regados a muito sangue, a estrutura rígida da sociedade, a intolerância com outras crenças, a morte de pessoas inocentes em nome da proteção daquele povo, entre outros. 

Apesar da inevitável comparação com “O Homem de Palha”, cult de terror dirigido por Robin Hardy em 1973, e do próprio clima de horror instaurado pelo diretor, é possível enxergar uma certa ironia em “Midsommar” semelhante ao visto em “Divino Amor”, de Gabriel Mascaro. O deformado líder religioso, por exemplo, guia a todos com rabiscos coloridos em um livro semelhante à Bíblia assim como os rugidos e grunhidos incompreensíveis dos rituais deixam tudo ainda mais sentido.  

A presença dos jovens convidados vindos dos EUA, sentados à mesa com roupas informais enquanto todos vestem branco como no século XV, somente amplifica o anacronismo deste universo. Isso tudo culmina na fantástica sequência final em que gritos dominam a cena, gerando risos angustiados e nervosos da plateia. 

Com uma duração levemente excessiva (10 minutos a menos não faria mal), subtramas desnecessárias (a rivalidade das teses de doutorado) e personagens coadjuvantes mal aproveitadas (pobre Will Poulter), “Midsommar” pode até não ser perfeito, porém, revela-se mais um grande exemplar do terror recente. A produção consolida Ari Aster como um autor inventivo e corajoso suficiente para tocar em assuntos polêmicos de maneira original. Isso para um cinema americano cada vez mais convencional, é um grande feito. 

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...