Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como se costuma ver nas histórias de muitos santos católicos – e é justamente essa a ideia presente no cerne de Noite Escura da Alma, estreia de Breno Castelo na direção: como se quebra um homem tão fiel a Deus?

Depois de ter trabalhado como ator em curtas amazonenses como A Última no Tambor, Et Set Era e O Necromante, Breno se lança como diretor pela primeira vez neste longa, também roteirizado e protagonizado por ele. Noite Escura da Alma acompanha a história de Augusto, um empresário de classe média alta, religioso e pai de família dentro dos moldes tradicionais, que, depois de ter uma visão profética e demoníaca, vê sua vida e a de seus familiares entrar em uma espiral de terror.

Desde o começo do filme, Breno deixa bem claros os paralelos bíblicos que norteiam sua narrativa: Augusto é um católico fiel, que frequenta a missa com a esposa, Beatriz (Ana Oliveira), e até tem projetos para incentivar a participação dos jovens na catequese. A religião é uma constante na vida do personagem, e, se por um lado alguns diálogos reforçam esse aspecto de maneira um tanto expositiva, por outro, a direção de arte de Igor Falcão faz um bom trabalho ao inserir aqui e ali quadros religiosos e crucifixos nos ambientes em que o protagonista convive.

Assim, ao estabelecer o contexto que cerca Augusto, o filme funciona bem ao preparar o terreno para poder investir na derrocada moral e espiritual do personagem. A metáfora religiosa muitas vezes passa bem longe da sutileza – em alguns momentos, Augusto tem visões em que atravessa literalmente um deserto, tal qual os quarenta dias de tentações enfrentados por Jesus Cristo. Ainda assim, porém, a ambientação é um dos pontos altos do longa: Breno entende que não precisa recorrer a jump scares como muleta narrativa, e prefere investir num terror atmosférico e psicológico, brincando com a mente do personagem e do público. Até mesmo as aparições de eventuais criaturas são rápidas o suficiente para que os efeitos utilizados não incomodem tanto em sua concepção visual.

CHOQUES GRATUITOS E TRAMA CONFUSA

É uma pena, portanto, que o longa perca força justamente ao se lançar na espiral de loucura e paranoia em que seu próprio protagonista descende. Se filmes como Coração Satânico (1987), inspiração confessa de Breno, ou até mesmo o recente Hereditário (2018), mesclam bem em seus últimos atos as fronteiras entre o sobrenatural e a loucura de seus personagens, Noite Escura da Alma peca por apresentar um terceiro ato inchado, recheado de situações diferentes que buscam “quebrar” o espírito de Augusto e pura e simplesmente chocar o espectador no caminho.

Qual a razão, por exemplo, de duas cenas longas de estupro além do puro valor de choque, se uma duração menor ainda acarretaria em um impacto na vida do personagem? Ou da longa conversa expositiva com o padre na igreja, ou mesmo o grande monólogo no “embate final”? Nesse ponto, uma melhor montagem poderia contribuir muito para acompanharmos o impacto da trajetória do protagonista: em certo ponto, o caos se instala de maneira em que não sabemos mais o que é real ou não, mas corremos o risco de não nos importar mais pela longa duração e confusão oferecidas pelo último ato.

Ainda assim, “Noite Escura da Alma” apresenta algumas soluções elegantes trazidas pela direção de Breno, como os intervalos em que o vermelho invade a tela ou mesmo os efeitos sonoros de zumbidos, ecos e ruídos que nos colocam na mesma posição incômoda em que o protagonista se encontra. No fim das contas, embora o resultado funcione mais como um portfólio das referências que Breno Castelo carrega consigo, Noite Escura da Alma também é um exemplo digno de nota de um autor disposto a não deixar de lado em momento nenhum a temática da qual procura tratar – tanto para o bem quanto para o mal.

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...

‘Boto’ – Episódios 6 e 7: série cresce independente de obstáculos

Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: o protagonismo da enigmática Manaus

Se a política pública de regionalização do audiovisual brasileiro adotada na última década tinha como um dos objetivos dar voz a artistas locais apresentarem realidades de locais pouco vistos na TV e cinema, “Boto” consegue ser um representante certeiro deste processo...

‘O Céu dos Índios’: afeto marca fascinante viagem por culturas indígenas

Em sua produção como diretora – que, até então, compunha-se dos curtas Strip Solidão (2013) e Dom Kimura (2016) –, Flávia Abtibol já vinha mostrando uma disposição especial para aproximar-se do mundo de seus personagens: é a empatia a qualidade que redime a narrativa...

‘Travessia’: dor e poesia na dura vida de imigrantes do Haiti em Manaus

Após uma carreira bem-sucedida em festivais com o documentário performático “Maria”, a diretora Elen Linth apostou num projeto de temática igualmente relevante, mas com uma pegada mais diferente. Trata-se de “Travessia”, longa-metragem de não-ficção dirigido em...

‘Príncipe da Encantaria’: simpático curta expande lenda do boto cor de rosa

O Amazonas é repleto de lendas folclóricas, oferecendo um potencial inestimável para produções culturais. Aproveitando essa bagagem regional que Izis Negreiros ("Santo Casamenteiro") escreveu e dirigiu “Príncipe da Encantaria”. A produção é inspirada em uma das lendas...