De todos os filmes de ação/ficção-científica dos anos 1980 que fizeram sucesso, O Exterminador do Futuro (1984) era, em tese, o que tinha a menor probabilidade de virar franquia. Vigoroso e impactante longa que impulsionou as carreiras do seu roteirista/diretor, James Cameron, e do seu astro, Arnold Schwarzenegger, o filme tinha pegada B, com uma trama bem fechadinha e cujas regras da viagem no tempo pareciam ser definitivas – os personagens até dizem, numa cena, que a máquina do tempo que enviou o exterminador e o soldado humano ao passado, um para matar Sarah Connor e o outro para protegê-la, foi destruída, inviabilizando novas viagens. 

Todavia, O Exterminador do Futuro acabou, sim, virando uma máquina de continuações. O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1991), também de Cameron, é mais épico e espetacular, um marco dos efeitos visuais e considerado com justiça uma das melhores continuações de todos os tempos – particularmente, prefiro o original com seu clima de terror e condução implacável. Depois vieram outros, porque Cameron teve de largar mão de sua criação e outros produtores e diretores assumiram até o negócio virar uma salada mista de viagens no tempo e cenas de ação. Há poucos anos, os direitos da marca retornaram para Cameron, que se aliou com Tim Miller, do sucesso Deadpool (2016), para realizar este Destino Sombrio, a retomada da franquia que ignora as sequências anteriores e continua a história a partir do segundo filme. 

Outra pessoa que teve a carreira impulsionada por Exterminador do Futuro foi a atriz Linda Hamilton, a intérprete de Sarah Connor, a futura mãe do salvador da humanidade na vindoura guerra contra as máquinas. E Hamilton é a melhor coisa de Destino Sombrio, retomando a personagem que ficou de fora das outras continuações. Sarah volta à ação quando dois novos personagens chegam do futuro para causar destruição no México e nos EUA: um novo exterminador (Gabriel Luna), com a missão de matar a jovem Daniela (Natalia Reyes), e uma humana aprimorada, Grace (Mackenzie Davis), com a missão de protegê-la.  

A voz está mais rouca, os cabelos mais brancos, mas é a mesma Sarah. E Linda Hamilton não é o único elemento familiar dos filmes de Cameron a retornar. Destino Sombrio é praticamente um repeteco do segundo filme, com alguns conceitos do primeiro, e homenagens salpicadas por cima. Até as sequências de ação têm como molde as do segundo filme: perseguição numa rodovia; um confronto numa prisão na fronteira substituindo o hospital psiquiátrico; e o final apocalíptico em um grande ambiente industrial só troca o fogo pela água, uma siderúrgica por uma hidrelétrica. 

HORA DE DAR ADEUS 

A intenção de Cameron, Miller e do pequeno batalhão de roteiristas é clara: depois de tanta bagunça ao longo das décadas, este novo Exterminador do Futuro chega para ser o Jurassic World (2015), o Star Wars: O Despertar da Força (2015) da sua franquia. É um reboot/refilmagem disfarçado de continuação, que se contenta em proporcionar aos fãs uma experiência o mais próxima possível das suas lembranças dos filmes antigos.  

Funciona? Bem, até que sim. Destino Sombrio é divertido, desde que o espectador não pare para pensar muito no que está vendo, e é realmente o melhor Exterminador desde o segundo filme. Mas essa opção é também meio preguiçosa e demonstra que a franquia já deu o que tinha para dar no cinema. Quando o único caminho para renovar uma franquia é reciclar seus “melhores momentos”, é de se perguntar se ainda vale a pena continuar fazendo esses filmes, do ponto de vista criativo. 

Para ser justo com o filme, aqui e ali há alguns elementos novos: o protagonismo feminino no roteiro é a progressão natural da concepção de Cameron, que fazia de Sarah a verdadeira heroína de Exterminador do Futuro. As três atrizes, Hamilton, Davis e Reyes, atuam com garra e força. Hamilton revisita com óbvio prazer aquele nervo exposto de emoção e poder que é Sarah, e Davis, com seu visual meio alienígena, convence como figura poderosa. Pena que nem mesmo elas consigam superar alguns diálogos ruins e situações estranhas, especialmente no começo da história…  

A opção de colocar Schwarzenegger como coadjuvante – ele só aparece no terceiro ato do filme – também é corajosa. Quando ele entra em cena, não decepciona e seu carisma de astro rapidamente o torna a figura mais querida do filme. E de novo, é uma pena que a sua aparição não faça muito sentido dentro da trama e levante perguntas que o roteiro não consegue responder… 

Miller dirige sequências de ação com clima meio cartunesco de maneira eficiente, e as atrizes seguram o peso dramático. O filme flui bem até seu desfecho. Mas não consegue deixar de ser só mais um Exterminador: Apesar das promessas de Cameron, do seu envolvimento na produção e na elaboração da história, da nostalgia e da presença dessas mulheres poderosas, falta a Destino Sombrio a força, a “pegada” que os dois primeiros longas possuíam. É um filme sem “poder de fogo”, bem feito, mas, no fim das contas, apenas outro produto hollywoodiano meio calculado demais para agradar ao público. 

Parece que, como seus personagens, o criador do Exterminador quis voltar no tempo, para apagar alguns erros do passado. Mas acabou apenas demonstrando a própria futilidade de sua empreitada: Cameron, junto com seus colegas, acabou fazendo só mais uma continuação esquecível do seu próprio filme que não deveria ter tido continuação. Ou melhor, devia ter tido apenas uma. 

‘Honey Boy’: Shia Labeouf exorciza os próprios demônios em bom filme

Crescer é difícil e ainda mais quando se está no showbiz... O ator Shia LeBeouf se destacou e ficou famoso muito cedo, trabalhando em seriados da Disney que levaram a papéis no cinema. Então vieram os três primeiros filmes da franquia Transformers, dirigidos por...

‘Waves’: um drama excelente de partir o coração

Em um primeiro momento, confesso que “Waves” me tapeou. Uma Flórida ensolarada, jovens sorrindo, cores e amor no ar, a câmera girando. O novo filme de Trey Edward Shults (“Ao Cair da Noite”), porém, se transforma de uma hora pra outra em um drama competente com efeito...

‘O Jovem Ahmed’: lacunas na história deixam Dardenne pelo meio do caminho

A radicalização é um problema que se arrastou para o século XXI, encontrando na era da informação um período fértil para sua proliferação. Pode até parecer contraditório achar que em uma época onde se pode saber absolutamente tudo, a ignorância ainda capture pessoas e...

‘Escape From Pretoria’: personagens esquecidos em nome da ação

Escrito e dirigido por Francis Annan (“Woyzeck”), “Escape From Pretoria” apresenta a história real de Tim Jenkin (Daniel Radcliffe, o eterno 'Harry Potter') e Stephen Lee (Daniel Webber), dois ativistas anti-apartheid levados para a prisão de segurança máxima de...

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...