Particularmente, acredito que uma importante parte da crítica cinematográfica é descobrir de qual forma uma produção consegue passar sua razão de ser para o público. O que realmente aquele filme quis dizer? Qual o recorte que o diretor realizou daquele universo? Quem os personagens retratam? Alguns filmes tornam essa reflexão uma tarefa bem árdua ao apresentarem narrativas praticamente vazias. E, infelizmente, admito que ‘O Olho e a Faca’ é exatamente este tipo de produção. 

Estrelado por Rodrigo Lombardi, o longa apresenta Roberto, trabalhador de uma plataforma petrolífera. Ao ser promovido, ele se afasta cada vez mais da família e de seus amigos do trabalho, o que lhe leva para uma vida solitária e perturbadora. 

A primeira metade de “O Olho e a Faca” consegue segurar uma trama interessante ao apresentar o trabalho de Roberto. A plataforma no meio do mar é muito bem aproveitada pela direção de fotografia ao criar extensos ângulos contemplativos do cenário, um ótimo contraste à trama de pequenos detalhes jogados ao espectador rapidamente. Assim, entre companheirismo e riscos de trabalho, acompanhamos a rotina dos trabalhadores que passam seus dias em alto mar. 

Neste ponto é bem importante reconhecer de que forma os perigos do trabalho recaem sobre cada um dos personagens, os quais, apesar de numerosos, não são aprofundados. Na verdade, além do protagonista, é difícil apontar uma outra presença que seja realmente complexa na trama ou sequer verdadeiramente relevante para além de influenciar acontecimentos na vida de Roberto. 

Voltando para o cenário inicial, os sons da plataforma também são ótimos e ajudam a dar vida na trama. Desde os incômodos sons até os momentos raros e estranhamente silenciosos são bem aproveitados. Neste caso, apenas o entendimento das falas fica a desejar já que, devido aos cenários barulhentos, o recurso de dublagem é utilizado, sendo difícil não notá-lo muitas vezes. 

VAZIO E MAIS VAZIO

Quando a trama passa a se distanciar deste cotidiano, “O Olho e a Faca” desanda realmente. Na família, Roberto possui tramas comuns e mal exploradas com diversos personagens sendo jogados fora, inclusive Débora Nascimento no papel de amante com participação restrita a duas cenas. A impressão passada é de que este contexto familiar em nada era necessário para a construção do personagem, se salvando apenas a presença de alguns diálogos pontuais. 

Daí para frente, “O Olho e a Faca” explora ao máximo a capacidade de atuação de Rodrigo Lombardi ao lhe oferecer poucos elementos para contracenar. Os minutos finais do longa passam a buscar metáforas e conceitos quase que aleatórios: o personagem passa a ver gatos e corvos por onde anda e o personagem de Caco Ciocler protagoniza um monólogo que se alonga por demais. 

Infelizmente, o filme não se tornou mais um trabalho marcante de Paulo Sacramento (“Riocorrente“) na montagem. O diretor, roteirista e editor da produção peca ao organizar as cenas do filme pelo simples fato de inserir momentos claramente desnecessários, os quais poderiam ser substituídos pelo alongamento de cenas realmente importantes para a trama pessoal de Roberto. 

Assim, apesar de possuir acertos pontuais, as boas intenções de Sacramento na direção não se sobressaem no filme. Sobre a questão inicial do que o longa quer dizer ao seu público acredito que exista sim um argumento sobre as especificidades da vida de um petroleiro, uma intenção ofuscada por diversas subtramas superficiais, dando uma impressão de verdadeiro vazio quando pensamos sobre o conteúdo de “O Olho e a Faca” . 

 

‘Nada a Perder 2’: cinebiografia chega para dividir em vez de unir

Salvo raríssimas exceções, cinebiografias tendem à exaltação e serem chapas brancas com os seus retratados - “Bohemian Rhapsody” é o caso mais recente disso. Porém, “Nada a Perder 2” extrapola essa característica ao adotar uma quase santificação do protagonista, o...

‘Dor e Glória’: terapia pública de Almodóvar rende grande filme

Logo nas primeiras cenas de “Dor e Glória”, Salvador Mallo (Antonio Banderas) está mergulhado no fundo de uma piscina de olhos fechados. Em seguida, a câmera dá um close e mostra a cicatriz por todo o tórax, fruto de um procedimento cirúrgico. Ali, Pedro Almodóvar dá...

‘Era uma Vez…Em Hollywood’: melancólica fábula sobre a fantasia do cinema

Hollywood, 1969. Em agosto daquele ano, Sharon Tate e seus convidados, que passavam a noite na mansão dela, foram brutalmente assassinados pelos seguidores do fanático Charles Manson. Sharon era uma jovem atriz em ascensão, a um passo de virar superestrela. Era casada...

‘Rainhas do Crime’: Girl Power chega aos filmes de gangsters

Mesmo ambientado no fim da década de 1970 com uma trilha repleta de flashbacks e o visual estiloso com ares de blaxplotaition, “Rainhas do Crime” exala o grito do movimento feminista da atualidade. Trata-se de uma produção dirigida por uma mulher estreante na função...

‘The Lodge’: dupla de ‘Boa Noite, Mamãe’ decepciona em segundo filme

Cinco anos depois de assustar o público com “Boa Noite, Mamãe”, Severin Fiala e Veronika Franz retornam com seu novo terror, “The Lodge”. A co-produção entre o Reino Unido e os EUA, que estreou em Sundance este ano e foi exibido em sessões de meia-noite no Festival...

‘Old-Timers’: humor na busca de vingança gera ótima comédia tcheca

Com pouco tempo de vida pela frente, dois velhos amigos partem para encontrar e matar um promotor comunista que os prendeu na década de 1950. Essa é a premissa de “Old-Timers”, comédia que teve uma recepção muito calorosa no Festival Internacional de Cinema de Karlovy...

‘Monos’: coming-of-age da Colômbia com ecos de ‘O Senhor das Moscas’

Crescer não é fácil, mas certamente fica ainda mais complicado se você é membro de um esquadrão paramilitar em uma região selvagem e desolada. “Monos”, novo filme do diretor colombiano Alejandro Landes, cria uma psicodélica jornada de crescimento que pode ser estranha...

‘Hobbs & Shaw’: filme recupera o espírito da franquia ‘Velozes e Furiosos’

Mesmo com um universo todo construído ao longo dos anos e podendo contar com fiéis seguidores, o primeiro spin-off de “Velozes e Furiosos” chegou aos cinemas cercado de desconfiança. Tudo porque os dois últimos filmes da turma de Dominic Toretto (Vin Diesel) foram um...

‘Na Fábrica’: o vestido assassino do mestre da estranheza da atualidade

Nova produção do diretor britânico Peter Strickland, “Na Fábrica” conta a bizarra história de um vestido com instinto assassino. Você pode ler isso de novo. Depois de aclamadas passagens pelos festivais de Londres e Toronto em 2018 e uma ótima recepção no Festival...

‘El Hombre del Futuro’: jornada reflexiva sobre vidas separadas no Chile

"El Hombre del Futuro", longa de estreia do chileno Felipe Ríos, é um conto delicado sobre a distância física e emocional entre pai e filha. Com uma passagem premiada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary, a produção faz da Patagônia um verdadeiro...