O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo: vários filmes de terror ao longo da história do cinema fizeram isso, e o gênero sempre foi uma ferramenta eficaz para discutir os tabus, preconceitos e o lado negro da sociedade. Mas como estamos em 2020 e esta produção se encaixa na corrente do chamado “pós-terror”, para muita gente, os filmes do gênero só ficaram inteligentes de uns poucos anos para cá – o que não é verdade, claro. Felizmente, em O Que Ficou para Trás, o medo e o comentário social estão em concordância um com o outro.

Na história, acompanhamos o casal Majur: Bol (vivido por Sope Dirisu) e Rial (vivida por Wunmi Mosaku) escaparam da pobreza e do horror do Sudão para a Inglaterra. A viagem num barco foi terrível, mas eles conseguiram, apenas para trazer consigo outro tipo de horror. Ao chegarem à Inglaterra, são mandados para um condomínio, onde terão que se submeter às leis de imigração inglesas. Não podem trabalhar nem deixar sua casa pelo período de tempo em que serão avaliados. O oficial da imigração, interpretado por Matt Smith, diz a eles: “Sejam dos bons”, ou seja, comportem-se e não criem confusão. A situação se complica quando ambos começam a presenciar estranhos fenômenos na casa e aparições fantasmagóricas que lhes ameaçam a vida. Com o tempo, percebem que foram eles quem, inadvertidamente, despertaram este terror.

De cara, Weekes (também um dos autores do roteiro) subverte certas convenções. Uma das maiores reclamações – e um clichê irritante, também – que se pode fazer sobre filmes de casa assombrada é a muitas vezes absurda inabilidade dos protagonistas de simplesmente caírem fora dos imóveis amaldiçoados. Weekes cria uma narrativa na qual não é possível questionar isso, ou seja, seus personagens são forçados a ficar e confrontar a fonte dos seus temores, e daí vêm algumas cenas realmente criativas e assustadoras. E o filme tem, sim, momentos assustadores…

HORROR FUNDAMENTADO NA HUMANIDADE BÁSICA

A história do longa é claramente alegórica, permitindo ao diretor abordar temas como racismo estrutural e abismo social, que são na verdade universais – O Que Ficou para Trás poderia ser ambientado no Brasil sem grandes mudanças no roteiro, por exemplo. É emblemática a forma como Bol deseja fazer parte da sua nova sociedade – a cena no bar com torcedores acompanhando um jogo de futebol representa isso. Já Rial é a primeira a perceber que o caminho para escapar do pesadelo ainda é longo, especialmente quando sofre racismo ao andar na rua – e curiosamente é um rapaz negro quem a manda “voltar pra África”. O feito do filme é realmente admirável, ao combinar essas duas vertentes narrativas – o terror e o aspecto social – sem que uma tire muito a força da outra.

É um filme de ritmo deliberado, sem pressa, e que se preocupa em construir sua atmosfera, acima de tudo – espectadores impacientes talvez tenham problemas com isso… De fato, o ritmo não é dos mais envolventes, nem a história consegue deixar de ser meio previsível, caso o espectador já tiver visto alguns filmes de terror na vida. Mas para quem investe nela, a experiência acaba sendo recompensadora. Não chega a ser um grande filme, mas a condução de Weekes é segura, o casal central de atores está ótimo – e parecem com gente real, o que torna a situação ainda mais forte – e, acima de tudo, é uma obra bastante humana, que fala sobre como os fantasmas mais assustadores, na maioria das vezes, são os que levamos dentro de nós, aonde vamos. O terror de O Que Ficou para Trás é um horror fundamentado numa humanidade básica, e na herança que, quer queiramos ou não, sempre nos acompanha, apesar de nossos esforços para deixá-la para trás e recomeçar.

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...