Atualmente o cinema espanhol de suspense tem dominado a Netflix. O Guardião Invisível, Calibre, Perfeitos Desconhecidos, Contratempo, Durante a Tormenta e o mais recente sucesso do streaming, O Poço, apresentaram narrativas misteriosas e psicológicas para seduzir o espectador e deixá-lo inquieto roendo as unhas para decifrar seus enigmas.

E quando se junta ao estilo de suspense espanhol, um dos astros (Pedro Alonso) da série espanhola de sucesso também da plataforma, La Casa de Papel, a esperança era que o resultado fosse bastante promissor. O Silêncio do Pântano tinha tudo para ser assim, mas acaba sendo um ponto destoante da curva e diferente dos outros exemplares espanhóis citados, o seu suspense psicológico nunca sai da esfera rasa na construção do seu thriller de gato e rato. Falta uma profundidade e nuance maior para dar escopo as ambiguidades morais que o seu texto propõe.

Em Silêncio, o público acompanha Q (Alonso) um escritor de livros policiais que leva uma vida paralela como serial-killer, buscando nos seus assassinatos, inspiração para as suas histórias, além de saciar sua compulsão por matar. A próxima vítima que servirá de inspiração para o novo livro é Ferrán Carretero (José Ángel Egido), um ex-ministro envolvido em um caso de corrupção em Valência. Enquanto Q começa a seguir os passos de Férran, acompanhamos uma trama paralela relacionada ao tráfico de drogas comandada pelo matador de aluguel Falconetti (Nacho Fresneda) que mantém negócios com o ex-ministro, situação que interferirá nos planos de Q.

Premissa interessante abandonada no meio do caminho

Hitchcock, o gênio mor do suspense clássico, sempre ensinou que o suspense de qualidade ocorre quando o artifício de retardar a ação em um momento crucial da narrativa é fundamental para manipular no espectador uma expectativa angustiante dos acontecimentos que virão a seguir. Em O Silêncio do Pântano, o diretor estreante Marc Vigil retarda isso a um ad eternum, o que produz um filme sem ritmo e faz a trama perder o seu real sentido e força.

O início do longa-metragem é até promissor. Vigil cria uma atmosfera intrigante com o uso de uma câmera e trilha sonora hitchcockiana para criar uma áurea misteriosa que combina com o enredo que entrelaça a fronteira entre ficção e realidade. O fato do escritor de Alonso não ter um nome próprio e ser conhecido como Q deixa a sensação do filme brincar com a mente do espectador, para que este duvide se o que vê é algo real ou tudo não passa de uma história literária imaginada pelo escritor.

Aqui a boa montagem de Josu Martínez – o único recurso fílmico que mantém a sua regularidade do início até o fim – mistura entre os planos, o que é real e irreal, manipulando o público em relação aos segredos até ali construídos. A edição neste momento, se revela eficaz principalmente no monólogo de Q nos primeiros minutos, quando ele dá o sentido metafórico para o pântano que dá o título do filme, situado sobre a cidade de Valência na Espanha, enquanto sua câmera passeia para mostrar os mais variados atores que compõe aquela casta social.

Essas boas intenções de início, aos poucos vão perdendo foco em relação a construção da sua narrativa. O filme se torna confuso ao misturar corrupção política, suspense, sociopatia, ganância e tráfico de drogas, sem dar profundidade a qualquer uma delas. Para completar, as próprias atitudes e as relações entre Q, Carretero e Falconetti são dispersas, sem um porquê de as coisas estarem acontecendo entre eles ou pelo menos em propor um estudo dos seus protagonistas, dando forma e camadas às suas motivações.

Enquanto, o escritor é praticamente esquecido na metade do filme (fica quase sem dar as caras por uns 20 minutos), a trama política de Carretero é praticamente deixada de lado, sobrando para o matador de aluguel o protagonismo sem que o roteiro consiga explorar muito bem seus atos violentos – uma pena que isso aconteça, afinal Falconetti entre os personagens do filme é o único que ganha um estofo dramático em relação ao seu passado para que o público compreenda suas motivações.

A verdade é que a direção de Vigil e o roteiro dos estreantes Carlos de Pando e Sara Antuna mergulham tanto no aspecto fantasioso da sua história, que acabam se perdendo nela, sem conseguirem conciliar a trama principal de Q com as subtramas dos demais personagens que giram a sua volta. A impressão é que ao trazer o suspense para o campo da ambiguidade moral das causas e consequência das ações dos seus protagonistas, o trio de realizadores em momento nenhum dá uma complexidade consistente a ela, ficando no brejo de boas ideias enterradas em um pântano onde o que reina é a falta de criatividade e a desorganização.

Ainda que nunca tenha assistido La Casa de Papel para verificar o talento serial-killer de Pedro Alonso, em Silêncio o seu sociopata entra mudo e sai calado com o ator se resumindo a fazer caras, bocas e olhares. Por isso, o grande destaque do longa-metragem é Nacho Fresneda que com sua atuação assustadora, consegue construir os momentos tensos e que injetam violência e ambiguidade as cenas que seu Falconetti aparece.

Uma pena que O Silêncio do Pântano não siga o mesmo caminho de sucesso de outras produções espanholas de suspense na grade da Netflix, citadas no início desta crítica. A mistura entre ficção e realidade fica restrita a um suspense que ao tentar ser grandioso, morre na falta de substância. Como a maioria dos pântanos, começa e termina sem ir a lugar nenhum.

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...