Em meio a tantas produções de gosto duvidoso nos últimos anos em seu catálogo, não deixa de ser animador encontrarmos, eventualmente, alguns bons lançamentos na Netflix. “Meu Nome é Dolemite” foi uma novidade positiva em outubro e, agora, “Pássaro do Oriente” cumpre a cota de novembro. O novo filme do streaming é charmoso, tem um elenco competente e entrega um bom suspense.

Baseado no livro “Delito Sem Provas”, escrito por Susanna Jones, “Pássaro do Oriente” se passa no final dos anos 1980 e acompanhamos Lucy Fly (Alicia Vikander), uma tradutora vivendo no Japão para fugir do passado. A protagonista conhece a garçonete Lily (Riley Keough) e o fotógrafo Teiji (Naoki Kobayashi), iniciando um estranho relacionamento com o rapaz e se sentido, ao mesmo tempo, atraída e incomodada por Lily. Tudo vira de cabeça para baixo quando sua nova amiga desaparece e ela se torna suspeita de um suposto assassinato.

Vencedora do Oscar por “A Garota Dinamarquesa”, Alicia Vikander se destaca ao transmitir toda a personalidade disciplinada da tradutora através de pequenos atos, como, por exemplo, arrumar as roupas e amarrar o cabelo. Esse estilo metódico também se dá na inserção de Lucy ao Japão, seja visitando monumentos ou no interesse da cultura e história local.

Por tudo isso, não deixa de ser justificado a decepção e frustração da personagem ao se dar conta de que está perdendo o controle de algo que ela tinha certeza que já estava morto no passado. Isso aliado à sua desconfiança e ciúme passam a sufocá-la não importa onde esteja. O simbolismo da morte, do sentimento de culpa de seu passado – os grandes fardos da personagem – só alimentam uma melancolia bem construída pelo diretor e roteirista Wash Westmoreland (“Para Sempre Alice”) junto com a trilha de Atticus Ross (“A Rede Social”).

INTENSO JOGO SEDUTOR

A relação da protagonista com Lily e Teiji também cria um interesse jogo de mistério e sedução em “Pássaro do Oriente”. Inicialmente uma amizade, os personagens de Vikander e Kobayashi desenvolvem uma tensão sexual crescente apenas com poucos diálogos e troca de olhares. Não apenas a beleza dele a atrai: a sinceridade e aparente falta de timidez, tão tradicional nos jovens japoneses, a conquistam.

A forma como o desejo, admiração, dependência crescem faz até mesmo ela sugerir tolerar abusos, que automaticamente, são descartados pelo rapaz. “Não, você não quer”, responde repreendendo a moça de maneira doce.

Já Lily traz um paralelo com os terremotos que sacodem “Pássaro do Oriente” regularmente. Imprevisível, ela chega ao Japão sem saber o idioma e conquista por sua espontaneidade em meio à desorganização, algo completamente oposto à Lucy. Talvez isso fascine tanto a protagonista.

Instigante e bem construído, “Pássaro do Oriente” pode até cair em determinados clichês, porém, acaba por ser uma boa surpresa no catálogo da Netflix.

‘Você Nem Imagina’: agradável e irregular romance adolescente

Há dois pontos que ficam claros em Você Nem Imagina, novo romance adolescente da Netflix: o primeiro é que a sua realizadora Alice Wu foge do feijão com arroz tradicional dos coming of age (filmes de amadurecimento) lançados pela plataforma. Existe uma preocupação...

‘O Caminho de Volta’: Ben Affleck se destaca em filme médio

Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de...

‘Wendy’: no limbo da indecisão entre o infantil e o adulto

Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o...

‘Capone’: a esquisitice brilhante de Tom Hardy vale o filme

Alguma coisa está acontecendo com Tom Hardy. Sempre foi um bom ator – daqueles discípulos do método Stanislavski, se imerge no personagem e não sai dele – e especializado em tipos intensos, às vezes atormentados, às vezes até vilanescos. Mas aí em 2018 o cara fez o...

‘Emma’: adaptação irritante com Anya Taylor-Joy robótica

Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da...

‘Ilha da Fantasia’: candidato a episódio dos piores de ‘Lost’

“O avião! O avião!”. Essa fala e o anão Tattoo são os elementos mais lembrados do seriado da TV Ilha da Fantasia dos anos 1970. Esses elementos são suficientes para garantir a produção de uma nova versão, destinada ao grande público de cinema de hoje? Bem, alguém...

‘Sete Dias Sem Fim’: filme certo para relaxar na quarentena

 Sete Dias Sem Fim é o típico filme que você passa diversas vezes por ele no catálogo da Netflix, lê a sinopse sem dá qualquer bola para ela e decide escolher outra produção para ver no final das contas. É verdade que o resumo disponibilizado pela plataforma não ajuda...

‘Never Rarely Sometimes Always’: sororidade na angústia do aborto

Particularmente assistir produções que tenham como temáticas ou subtextos o aborto é emocionalmente desgastante. Mesmo quando elas têm um tom mais leve como “Aprendendo com a Vovó”, por exemplo, a carga emocional e unilateral que esse tipo de jornada narra me deixam...

‘A Assistente’: o retrato dos abusos na indústria do cinema

Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A...

‘Devorar’: senhoras e senhores, conheçam Haley Bennet

O título nacional do filme Devorar é impreciso e sensacionalista, como muitas vezes acontece. O original em inglês é “Swallow”, que significa literalmente “engolir”, e esse é o drama na vida na protagonista da história. É um filme que combina um olhar sobre um...