A Netflix está com tudo em 2020, não é? Power, filme de ação e fantasia dos diretores Henry Joost e Ariel Schulman que surfa na onda de super-herós atual, chega para ser mais um tijolinho na fundação do já grande catálogo de obras esquecíveis e preguiçosas do mais popular serviço de streaming do mundo. Justiça seja feita, ele é um pouquinho melhor que outras porcarias recentes do streaming com propostas e gêneros semelhantes, como The Last Days of American Crime e The Old Guard. Mas só um pouquinho… Se a Netflix tem algum superpoder este ano é o de conseguir lançar tantos filmes tolos em sequência, tantos chicletes mentais como este, cujo gosto começa a desaparecer bem antes da obra chegar à metade da sua duração.

Na história do filme – que parece saída de alguma HQ, mas não foi o caso – existe uma nova droga chamada Power, que confere ao seu usuário algum superpoder aleatório durante cinco minutos. Esta é a premissa high-concept, aquela do tipo facilmente resumida e compreendida do filme. Agora, imagine como seria viver num mundo onde isso é possível… E ignore tudo que você imaginar, porque o longa também vai fazer isso.

Acompanhamos Robin Reilly (interpretada por Dominique Fishback), traficante de Power e cheia da grana – a razão pela qual ela nunca foi roubada ou morta por algum cliente com super-força ou raios laser saindo dos olhos nunca é fornecida pelo roteiro. Sério, vender esse tipo de droga deveria ser um negócio bem ruim… Enfim, no decorrer da história, Robin se alia ao policial esquentado Frank (Joseph Gordon-Levitt) e ao misterioso Art (Jamie Foxx) para deter a companhia que desenvolveu o Power e está testando-o junto à população de Nova Orleans.

A ideia de Power é, em si, até interessante e a história poderia seguir por vários caminhos interessantes. O problema é que o filme sempre pega a rota do menor esforço. Os diretores e o roteiro nem se preocupam em definir o mundo onde se passa a história ou questões básicas sobre seus personagens, que permanecem rasos como pires – a única a ganhar algo semelhante a um arco dramático é a Robin, e ainda assim é clichê. Era para a sociedade mostrada em “Power” estar à beira do caos, aliás, com vários crimes ligados a superpoderes irrompendo, mas, nada disso é explorado, tudo se contentando em seguir a cartilha genérica do filme de ação. Não faltam nem a cena do policial rebelde sendo repreendido pelo chefe ou o clímax ambientado no porto, em meio a containers…

Joost e Schulman – diretores que já demonstraram um pouco de inventividade, por exemplo, em Atividade Paranormal 3 (2011), a melhor das sequências da franquia – até criam alguns bons momentos visuais aqui e ali durante o filme. Por exemplo, uma cena de ação vista pelo lado de dentro de um tanque transparente, com uma pessoa dentro dele sofrendo os efeitos da droga; ou alguns ângulos “holandeses” (inclinados) bem aplicados para aumentar a estranheza de certos momentos. A melhor cena de “Power” aliás, é o momento no qual Frank persegue pela cidade um assaltante com o poder de se camuflar – é uma cena vibrante, bem montada e visualmente interessante.

No entanto, pela maior parte do tempo, “Power” parece contente em apenas se sustentar nos efeitos – o CGI nem sempre é convincente, aliás – e no carisma dos atores. Fishback se mostra interessante, e Foxx e Gordon-Levitt – especialmente este último – demonstram ter se divertido em cena. Rodrigo Santoro e seu cavanhaque do mal também participam do filme, e o ator também se diverte exalando o ar de malvadeza do seu vilão com gosto. Mas é claro que todos os atores estão tirando leite de pedra, pois o roteiro em si lhes dá muito pouco com que trabalhar.

Existem, salpicados dentro da narrativa, algumas tentativas de comentário social: o fato da história se passar em Nova Orleans, que ainda sofre os efeitos do furacão Katrina e parece dilapidada, não é acidental; ou o fato de a heroína buscar no rap uma alternativa para a sua vida de traficante. Mas são apenas tentativas, ideias jogadas ao longo do filme. São mais alguns elementos que poderiam tornar Power mais interessante, mas que estão perdidos no meio da ação, da trama idiota e dos efeitos visuais. É o tipo de filme que desaba se você pensar só um pouquinho enquanto o assiste, e isso vem ocorrendo frequentemente com produções que vêm saindo da linha de montagem da Netflix. É um filme de poderes muito pequenos e que some da mente do espectador depois de cinco minutos, tal como a droga da história.

Aguardemos o próximo grande lançamento.

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...