O Amazonas é repleto de lendas folclóricas, oferecendo um potencial inestimável para produções culturais. Aproveitando essa bagagem regional que Izis Negreiros (“Santo Casamenteiro“) escreveu e dirigiu “Príncipe da Encantaria”.

A produção é inspirada em uma das lendas mais populares da região: o boto cor de rosa.  O que Negreiros faz é ampliar a visão que se tem do conto, trazendo outros elementos folclóricos para enriquecer a trama e a experiência visual do espectador. O curta-metragem, desse modo, reforça o imaginário e o realismo fantástico muito presente na literatura amazonense.

“Príncipe da Encantaria” acompanha uma avó e sua neta que passeiam pela praia e observam o rio. A senhora narra para a criança à história de Benito e Manu. Enquanto isso, as imagens intercalam entre a caminhada das duas e a narrativa contada em formato de animação. E é neste ponto que encontramos os melhores momentos da produção, os quais, entretanto, vêm acompanhados das falhas pontuais do filme.

Expansão visual da lenda

Visualmente “Príncipe da Encantaria” é belíssimo. Os planos utilizados na animação nos fazem mergulhar nas profundezas de um Solimões de tonalidade alaranjada.  No primeiro momento, isso pode ser estranho. Mas a coloração do rio remete tanto ao que se enxerga ao mergulhar de olhos abertos quanto ao pôr-do-sol na Amazônia.

Tal decisão é simbólica para a narrativa, afinal a escolha pela cor quente conduz a lembrança do calor encontrado na região. É possível notar como “Príncipe da Encantaria” explora isso, por exemplo, com a presença desse elemento visual em praticamente todas as cenas.

Como já foi dito, há muita beleza e bagagem cultural na animação. Isso se torna palpável quanto entramos em “Príncipe da Encantaria” e vemos que a figura dos cidadãos são os dos nossos mitos e lendas, abrindo espaço, para que se Negreiros quiser explorar um multiverso amazônida no futuro, seja plausível.

Som problemático

Ao desenvolver a lenda, o roteiro é cuidadoso em apresentar os personagens e seus dramas, no entanto, a montagem fragmentada torna a trama confusa e irregular. Parte disso se deve, também, ao fato de Manu e a neta serem interpretadas pela mesma atriz. Apenas no final da história é possível distinguir que não se trata do mesmo personagem. Acrescenta-se a isso a dificuldade de interpretação dos atores, ampliada na dublagem da animação que soa mais como uma leitura do que uma busca por características dos personagens.

Essa falha, no entanto, se torna mais perceptível à medida que se trava um duelo entre a dublagem e a trilha sonora, que se mostra presente na maior parte da projeção e impede em dados momentos – como a cena do encontro entre a Mãe das Águas e Benito – de compreender o diálogo que se trava. Isso prejudica bastante a experiência de assistir ao filme.

Apesar desses percalços, “Príncipe da Encantaria” consegue expor em linguagem acessível à cultura amazonense e aproveitar as lendas da região para construir um universo visual e reforçar o imaginário da região de forma humana e respeitosa.

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...