Pioneira nos estudos da radioatividade e a primeira mulher a receber um prêmio Nobel, Marie Curie já ganhou diversas produções biográficas no cinema com o propósito de retratar parte de sua vida. ‘Radioactive’ é o filme da vez e investe no talento de Rosamund Pike para dar vida à cientista com foco dividido entre sua vida pessoal e profissional. O resultado é um registro competente em apresentar a personalidade ao público, porém, sem ser igualmente bem-sucedido em criar uma narrativa consistente. 

A trama conta a história da Marie (Rosamund Pike) e sua luta em ser ouvida e respeitada pela comunidade científica de sua época, além de retratar seu casamento e as descobertas científicas ao lado de seu marido, Pierre Curie (Sam Riley), em especial importantes elementos químicos que trazem à tona a radioatividade. Em um segundo momento, o longa também apresenta momentos históricos em que suas descobertas impactaram a sociedade. 

Como protagonista, a “garota exemplar” Rosamund Pike consegue ser um dos principais atrativos do longa. Tanto o figurino quanto a maquiagem e cabelo fazem um grande trabalho em recriar a cientista, porém, é possível perceber que a atriz buscou entregar uma performance completa, criando gestos próprios para este papel, sendo um verdadeiro sucesso. Já o restante do elenco nem chega perto do mesmo destaque, não apenas pelas limitações de suas performances, como também devido às construções de personagem superficiais no roteiro. 

NADA ENVOLVENTE

Mantendo um ritmo acelerado, a montagem de “Radioactive” é extremamente problemática: nos primeiros 30 minutos, existem muitos cortes em uma tentativa desesperada de apresentar os primeiros anos de Marie na ciência, sendo extremamente perceptível a vontade de encurtar o filme ao máximo. Essa constância se mantém quando o assunto é a vida pessoal da personagem, onde os acontecimentos sempre se desenvolvem muito rapidamente sem deixar o público acompanhar gradualmente a evolução da cientista, entregando uma personagem já fragilizada pelo roteiro a Pike. 

Com o objetivo de enfatizar a importância de Curie para o mundo moderno, “Radioactive” passa a alternar a história da protagonista com acontecimentos futuros em que suas descobertas foram essenciais. Apesar de não contribuir nada para a montagem assumir maior dinamismo, a simulação desses momentos históricos ajuda muito a relacionar o conteúdo explicado anteriormente sobre elementos químicos e tornar fácil de entender a linha de raciocínio científico dos Curie. 

Outro ponto positivo em relacionar histórias diversas com a personagem é entender sua reação ao uso de suas descobertas indevidamente. Pois, apesar de contribuir bastante com a ciência e até mesmo medicina, os estudos de Curie também foram adaptados para desenvolver a radioatividade em armas químicas, podendo mostrar um cientista lidando com os efeitos negativos de suas descobertas sem se basear em um enfrentamento melancólico e óbvio.   

Para amenizar a montagem frenética do início ao fim do longa, a trilha sonora é muito bem adaptada para despistar momentos mais corridos, inserindo uma sensação de maior aproveitamento narrativo. Assim, mesmo com um ótimo tema, ‘Radioactive’ não consegue ser um filme extremamente envolvente, sendo seus grandes benefícios a atuação de Pike como protagonista e a própria importância de Curie e suas descobertas. Devido a temática e seu aprofundamento, o longa não é totalmente uma perda de tempo, embora a história pudesse ter sido melhor adaptada. 

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...