Mesmo ambientado no fim da década de 1970 com uma trilha repleta de flashbacks e o visual estiloso com ares de blaxplotaition, “Rainhas do Crime” exala o grito do movimento feminista da atualidade. Trata-se de uma produção dirigida por uma mulher estreante na função (Andrea Berloff), com um trio de mulheres protagonistas representando os mais diferentes perfis (Elisabeth Moss, Tiffany Haddish e Melissa McCarthy) a partir de uma graphic novel criada por uma mulher (Ming Doyle em parceria com Ollie Masters).

Mais do que isso: “Rainhas do Crime” utiliza dos filmes de gângsters – gênero predominantemente marcado por ícones da masculinidade desde “Inimigo Público” (1931), de  William A Wellman – para a construção de personagens femininas fortes, sendo a violência um elo entre o trio para a transformação da personalidade de cada uma delas.

Ambientado no lendário bairro de Hell´s Kitchen, em Nova York, “Rainhas do Crime” acompanha a história de um trio de mulheres levando diferentes tipos de relacionamento com os respectivos maridos: Kathy (McCarthy) tem uma vida tranquila com Jimmy (Brian d´Arcy James) e os dois filhos; Claire (Moss) sofre com a violência doméstica cometida pelo companheiro, enquanto, Ruby (Haddish) sempre está sendo maltratada por James (Kevin O´Carroll) e a sogra. A situação, porém, muda quando os ‘machos-alfas’ são presos e as três acabam se vendo sem condições financeiras para sustentar as casas onde moram. Após várias tentativas, o trio decide ingressar no ramo dos maridos, levando à rivalidade com os mafiosos locais, todos homens.

EMANCIPAÇÃO FEMININA PELA VIOLÊNCIA

Fascina na construção de “Rainhas do Crime” como o roteiro elabora todas as barreiras feitas contra as personagens seja no âmbito privado da família quanto no externo. Como prenuncia o título da música de abertura, ‘It´s a Man´s Man´s Man´s World’, de James Brown, intimidações, gritos, abuso da força, ameaças financeiras constroem um cenário de violência física e psicológica colocados em potência máxima na tela, mas, não tão longe da realidade vivenciada por tantas mulheres nos dias de hoje. Muito destes atos, aliás, são gerados pelo temor de homens inseguros e incapazes em se posicionar no lugar de suas companheiras, como demonstra a parte final do suspense.

Como todo bom filme de gângsters e também um retrato da triste faceta da cultura americana, a violência surge como catalisador desta vingança. O tiro barulhento e forte explodindo no peito ou na cabeça, a série de assassinatos cometidos por uma determinada personagem e a mutilação até quase natural de um corpo se tornam símbolos da necessidade de se impor em uma sociedade que parece apenas entender esta linguagem – a da força bruta.

Não à toa dois dos diálogos mais impactantes de “Rainhas do Crime” – Ruby com a mãe e Kathy com o pai – estão cercados do entendimento da necessidade de uma certa desumanização para encarar e interromper o processo degradante de submissão a que negros e mulheres são colocados na sociedade.

PODERIA SER PERFEITO, MAS NÃO É

Este rico subtexto tão antenado com o mundo real e capaz de subverter pilares dos filmes de gangsters merecia um roteiro melhor. Incomoda o viés feminista de “Rainhas do Crime” acabar tendo sempre uma válvula de escape masculina para salvar as protagonistas.

Gabriel (Domhnall Gleeson), por exemplo, surge em um momento tão ‘Deus Ex Machina’ a ponto das personagens explicarem qual a origem e de onde ele veio nas cenas seguintes, quase como uma tentativa de remendar uma falha gritante do roteiro. O conflito final do filme com Kathy cercada de homens prontos para estraçalhar o inimigo coroa esta incoerência.

Também responsável pelo roteiro, Andrea Berloff cai no pecado de querer fazer um final repleto de reviravoltas à la M. Night Shyamalan com uma novidade a cada cinco minutos. Porém, a apresentação destes ‘plots twists’ soa confuso demais e repleto de excessos, o que acaba por tirar o foco central da trama nas personagens femininas.

Ainda há núcleos e subtramas em excesso (Margo Martindale tenta fazer às vezes de Livia Soprano, mas, some rapidamente), somos obrigados a ver o momento do vilão explicando o seu plano com direito a flashback e uma construção de cena mal feita quase que implorando para o espectador prestar a atenção naquele personagem franzino, pois, ele fará algo grandioso mais adiante.

Auxiliado por uma trilha sonora ótima repleta de clássicos, belos figurinos e uma direção de fotografia de Maryse Alberti com ecos de Scorsese dos anos 70 e 80, “Rainhas do Crime” pode até pecar pelos excessos e até inexperiência natural de Berloff no comando de um filme, mas, nada que atrapalhe uma subversão necessária para os manjados filmes de gangsters.

‘O Juízo’: terror nacional sobrenatural no piloto automático

Nos últimos anos, o cinema de horror nacional experimenta uma fase promissora, deixando os fãs alegres com a boa safra de filmes lançados no gênero considerado o mais maldito da sétima arte. As produções nacionais têm extraído o que de melhor há para se tirar do...

‘The Nightingale’: vingança à opressão colonialista em western inclusivo

Claire é uma moça irlandesa vivendo na Austrália colonial, que sofre uma tragédia e começa a percorrer uma região selvagem em busca de vingança contra os oficiais ingleses que mataram seu marido e filho. Logo nos primeiros minutos de The Nightingale, a vemos ser...

‘Atlantique’: coesão de Mati Diop fascina em drama de diversos enfoques

Atlantique, primeiro longa-metragem de ficção da diretora Mati Diop e produzido pela Netflix, é acima de tudo um filme que surpreende. Quando ele se inicia, achamos que a história seguirá por uma direção, mas não demora muito uma tangente se apresenta, e depois outra,...

‘Segredos Oficiais’: Keira Knightley domina bom suspense político

Dirigido por Gavin Hood (“X-Men Origens: Wolverine”), “Segredos Oficiais” se junta a narrativas de vazamentos oficiais como “O Quinto Poder” (2013) e “Snowden” (2016), para mostrar ao público outro lado da Guerra no Iraque. O filme torna a publicação de uma troca...

‘Pássaro do Oriente’: raro bom suspense da Netflix

Em meio a tantas produções de gosto duvidoso nos últimos anos em seu catálogo, não deixa de ser animador encontrarmos, eventualmente, alguns bons lançamentos na Netflix. “Meu Nome é Dolemite” foi uma novidade positiva em outubro e, agora, “Pássaro do Oriente” cumpre a...

‘Klaus’: muito além de um simples filme natalino

Faltando um mês para o Natal, a Netflix já encheu seu catálogo de diversas produções para serem conferidas neste fim de ano. Nos longas-metragens, a grande maioria é apenas uma cópia natalina de outros longas do streaming, entretanto, a animação ‘Klaus’ mostra que é...

‘Midway: Batalha em Alto Mar’: os eternos acertos e erros de Emmerich

O alemão Roland Emmerich é um diretor que fez a carreira em Hollywood dirigindo filmes de ação, ficção cientifica e virou sinônimo de grandes espetáculos visuais de destruição. Isso pode ser observado nos principais sucessos da carreira, entre eles, “Independence Day”...

‘Ford vs Ferrari’: Christian Bale arrasa em cinebiografia hipnotizante

A 24 horas de La Mans é uma das corridas mais tradicionais do mundo automobilístico. Uma prova de velocidade, técnica e resistência que acontece todos os anos na França e onde, nos anos 1960, a Ford Motors Company fez história. É com este pano de fundo e na disputa...

‘As Panteras’: recomeço honesto com pitadas de girl power

Depois de ‘MIB’ e ‘O Iluminado’, a franquia ‘As Panteras’ ganhou reboot neste ano, sendo quase um revival da série e longas anteriores. Apesar de encarar um público saturado de remakes e antigas propostas recicladas de Hollywood, a produção consegue se tornar...

‘Cadê Você, Bernadette?’: Cate Blanchett reina em melodrama simpático

Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e...