Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela ao lado do jovem Ibrahima Gueye. Os dois protagonizam uma trajetória permeada por conflitos geracionais, traumas e identificação.

Baseado no livro “A Vida Pela Frente” de Romain Gary, a trama acompanha Momo (Gueye), um adolescente órfão senegalês, que leva a vida fazendo pequenos furtos e traficando drogas. Em uma dessas situações, ele conhece Rosa (Loren), uma ex-prostituta que cuida dos filhos de suas ex-colegas de profissão. Convencida pelo Dr. Coen (Renato Carpentieri), Rosa o acolhe em seu apartamento.

A partir disso, o roteiro se desenrola como um melodrama que visa a identificação, aceitação e transformação de seus protagonistas. Infelizmente, Ponti não foge dos batidos clichês dos dramas mornos do serviço de streaming como “Milagre na Cela 7” e “18 Presentes”. As jornadas escolhidas para os personagens são previsíveis e, de certa forma, pesadas emocionalmente para atingir ao espectador que se deixa conduzir pela narrativa apresentada. Rosa e Momo são dois opostos diametrais e banhados visualmente para isso. E é nesse aspecto que se concentra o grande mérito da produção.

Esbanjar das Cores

Apesar dos caminhos óbvios e das viradas de trama (plots) pouco sutis, visualmente o filme é um primor. As cores são muito bem trabalhadas e expressam as relações propostas pela produção. Enquanto Momo se mantém isolado e fechado para um elo com Rosa, por exemplo, o azul permeia suas cenas. A iluminação sobre seu corpo negro é delicada e lembra bastante a utilizada em “Moonlight” e “Queen & Slim”, a fotografia comprime o menino, o deixando em quadros distantes dos outros personagens. Essa situação muda gradativamente, conforme ele permite que Rosa entre em sua vida, abrindo espaço para que o amarelo e o vermelho substituam o azul.

Ele não é o único, no entanto, que cede a resistência e permite conhecer o outro. Rosa também passa por um processo de transformação marcado pela opacidade do vermelho. Mas com ela, as mudanças são mais nítidas por meio das temáticas utilizadas na produção e são importantes para a compreensão do pano de fundo de Rosa e Momo.

Conexões e traumas

A conexão entre os personagens, contudo, se alicerça por meio dos traumas. São os medos embalados por Rosa responsáveis para que ela enxergue Momo de forma diferente. Para que veja nele a mesma busca por sobrevivência que guiou a sua trajetória. Os pontos baixos da personagem de Loren fazem com que se aproximem e que ela se abra para a criança que precisava de alguém que se importasse consigo. Isso permite a percepção de que apesar de todas as diferenças projetadas em torno das duas personas, os dois são iguais. E é a partir de então que a empatia arregimenta uma amizade improvável.

Mais do que uma história de aceitação, o longa de Ponti arranha temas ainda vistos como melindrosos na sociedade contemporânea. O menino órfão que encontra abrigo na casa de Rosa simboliza a questão dos refugiados na Europa e as divergências político-culturais que o choque entre pontos de vista tão divergentes ocasiona. Há uma preocupação, ainda que solta, para que o garoto não perca laços com sua cultura natal, mesmo que as pessoas que o circundem não professem o mesmo rito. É interessante observar essa construção e a lição que deixa para o público. Mas quando digo que ele apenas arranha é porque falta um aprofundamento maior a temática, mesmo que essa não seja sua prioridade, como pode ser visto em produções como “Ciambra” e “Years and Years”, por exemplo.

Como um todo, “Rosa e Momo” destaca-se pelo seu visual e direção bem orquestrada, mas principalmente pelas interpretações. É ótimo para a geração contemporânea apegada aos produtos disponíveis no serviço de streaming contemplar Loren em cena e poder vislumbrar a delicadeza e a veemência como encarna seus personagens e que fica nítido em cada marca do tempo presente em seu rosto. Mas o mérito também se estende ao jovem Gueye e a Ponti, que consegue sensibilizar seu público, especialmente quando os créditos sobem e a voz de Laura Pausini irrompe. Seria essa uma aposta na Netflix para o Oscar?

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...