Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens superficiais. E, neste caso, nem todos os esforços de Kristen Stewart como protagonista conseguem retratar a história de forma interessante ao público.

“Seberg Contra Todos” reproduz o envolvimento de Jean Seberg (Kristen Stewart) com grupos ativistas de direitos civis na década de 1960. Como um dos rostos símbolos da Nouvelle Vague francesa, a atriz do clássico “Acossado”, de Jean-Luc Godard, desembarca nos Estados Unidos no auge de sua popularidade sendo cercada por polêmicas devido ao seu apoio a Hakim Jamal (Anthony Mackie) e os Panteras Negras. Logo, ela passa a ser monitorada pelo FBI por supostamente ajudar o financiamento dos ativistas, situação que interfere diretamente em sua vida pessoal e profissional.

Com uma história extremamente rica em mãos, o diretor Benedict Andrews (“Una”) adota vários caminhos óbvios ao mostrar a vida de Seberg. Para começar, pouco é mostrado sobre a carreira da atriz e sua importância no cinema francês. Tal oportunidade poderia inclusive render uma bela homenagem a Nouvelle Vague, mesmo não sendo o principal foco da produção.

Já no que seria o forte do filme, ou seja, o ativismo de Seberg, a protagonista é sufocada por diversos personagens clichês. Além de seu affair com Jamal, a existência do agente Jack Solomon (Jack O’Connell) extremamente dividido entre a ética e o dever de seu trabalho somente mostram a falta de originalidade em lidar com essa história.

Tanto no caso de Jamal quando de Solomon, suas respectivas esposas aparecem na trama primordialmente para demonstrar os ciúmes que sentem em relação a Seberg. Desta forma, Margaret Qualley e Zazie Beetz ficam restritas a posição de figurante de luxo.

Os contrapontos positivos

Se, por um lado, o longa falha em retratar a carreira e ativismo de Seberg, por outro, ele acerta ao focar na fragilidade mental da personagem após ser perseguida pelo FBI. Benedict Andrews realmente opta por seguir a protagonista como ponto central da narrativa e mostrar que, mesmo sendo uma figura pública, ela não está imune ao controle governamental.

Para coroar esta escolha, Kristen entrega uma grande atuação, sendo o principal mérito de “Seberg Contra Todos” já que ela consegue levar a história para frente quando aparentemente tudo já foi visto. Apesar deste não ser um glorioso longa em sua carreira, é um ótimo passo em sua consolidação como atriz.

No mais, a produção apresenta uma direção de fotografia que não é o melhor trabalho de Rachel Morrison (“Mudbound”) e fraca trilha sonora como outros pontos negativos. Mesmo com boas intenções e mais uma ótima atuação de Stewart, ‘Seberg Contra Todos’ fica refém de seu roteiro demasiadamente tradicional, parecendo a intenção do que seria um grande filme.

‘Você Nem Imagina’: agradável e irregular romance adolescente

Há dois pontos que ficam claros em Você Nem Imagina, novo romance adolescente da Netflix: o primeiro é que a sua realizadora Alice Wu foge do feijão com arroz tradicional dos coming of age (filmes de amadurecimento) lançados pela plataforma. Existe uma preocupação...

‘O Caminho de Volta’: Ben Affleck se destaca em filme médio

Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de...

‘Wendy’: no limbo da indecisão entre o infantil e o adulto

Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o...

‘Capone’: a esquisitice brilhante de Tom Hardy vale o filme

Alguma coisa está acontecendo com Tom Hardy. Sempre foi um bom ator – daqueles discípulos do método Stanislavski, se imerge no personagem e não sai dele – e especializado em tipos intensos, às vezes atormentados, às vezes até vilanescos. Mas aí em 2018 o cara fez o...

‘Emma’: adaptação irritante com Anya Taylor-Joy robótica

Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da...

‘Ilha da Fantasia’: candidato a episódio dos piores de ‘Lost’

“O avião! O avião!”. Essa fala e o anão Tattoo são os elementos mais lembrados do seriado da TV Ilha da Fantasia dos anos 1970. Esses elementos são suficientes para garantir a produção de uma nova versão, destinada ao grande público de cinema de hoje? Bem, alguém...

‘Sete Dias Sem Fim’: filme certo para relaxar na quarentena

 Sete Dias Sem Fim é o típico filme que você passa diversas vezes por ele no catálogo da Netflix, lê a sinopse sem dá qualquer bola para ela e decide escolher outra produção para ver no final das contas. É verdade que o resumo disponibilizado pela plataforma não ajuda...

‘Never Rarely Sometimes Always’: sororidade na angústia do aborto

Particularmente assistir produções que tenham como temáticas ou subtextos o aborto é emocionalmente desgastante. Mesmo quando elas têm um tom mais leve como “Aprendendo com a Vovó”, por exemplo, a carga emocional e unilateral que esse tipo de jornada narra me deixam...

‘A Assistente’: o retrato dos abusos na indústria do cinema

Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A...

‘Devorar’: senhoras e senhores, conheçam Haley Bennet

O título nacional do filme Devorar é impreciso e sensacionalista, como muitas vezes acontece. O original em inglês é “Swallow”, que significa literalmente “engolir”, e esse é o drama na vida na protagonista da história. É um filme que combina um olhar sobre um...