Dirigido por Gavin Hood (“X-Men Origens: Wolverine”), “Segredos Oficiais” se junta a narrativas de vazamentos oficiais como “O Quinto Poder” (2013) e “Snowden” (2016), para mostrar ao público outro lado da Guerra no Iraque. O filme torna a publicação de uma troca de mensagens entre os governos americano e britânico um suspense político em que o maior destaque está nas atuações. 

“Segredos Oficiais” se baseia na história verídica de Katharine Gun (Keira Knightley), uma funcionária do GCHQ – agência de inteligência britânica ligada ao setor de comunicação -, que, em 2003, pouco antes de iniciar o conflito no Iraque, vazou um e-mail em que a NSA – Agência de Segurança Nacional dos EUA – pedia ao governo britânico que espionasse membros do Conselho de Segurança da ONU para adquirir informações que pudessem ser usadas para convencer as delegações a votarem a favor da Guerra no Iraque. A questão é que no Reino Unido existe uma lei que proíbe a divulgação de informações oficiais qualquer empregado do governo. O e-mail, porém, acaba sendo publicado pelo The Observer e Gun, enquadrada pela quebra da lei.  

Inspirações em ‘Spotlight’ e ‘Todos os Homens do Presidente’

O roteiro de Sara e Gregory Bernstein acompanha o período de um ano, que corresponde ao momento da publicação do e-mail no jornal e o julgamento da protagonista. Em sua construção, é interessante notar o cuidado para não colocar a personagem central como vítima e nem tampouco como militante anti-guerra. Ao mesmo tempo em que o espectador observa as atitudes de Gun, a narrativa apresenta outros pontos de vista como a repercussão do escândalo na mídia e o debate popular para preencher as várias peças que correspondem a importância dessa informação vir a público.  

Toda essa articulação cria tramas paralelas dentro da narrativa, que, embora se cruzem poucas vezes ou em nenhum momento, são complementares e interligadas. Por um lado, há a situação de Gun, suas conversas com o advogado (Ralph Fiennes) para evitar a condenação, as ameaças a permanência de seu esposo (Adam Bakri) no país; e, por outro lado, temos o núcleo da investigação jornalística de Martin Bright (Matt Smith). Mesmo que nunca haja um diálogo entre eles, as ações de Gun refletem diretamente no trabalho de Bright, que afeta a vida dela a cada palavra que publica sobre o tema. 

Neste emaranhado, embora possa soar confuso, o que se percebe é uma coesão que consegue transformar um filme sobre guerra em um drama que ora soa como um jogo de espiões ora como um drama jornalístico, uma mistura de “Todos os Homens do Presidente” (1976) com “Spotlight”(2016).  

Sutilezas no elenco

E o que mais auxilia a tornar o filme coerente é a forma como os personagens são construídos: gente como a gente. Gun, por exemplo, é vista em vários momentos assistindo aos noticiários políticos e indignada com o que vê; da mesma forma ela afirma, mais de uma vez, que tomou a decisão de divulgar os documentos para salvar vidas.

Essas atitudes a aproximam do público e criam um fator de identificação com a personagem. Contudo, essa aproximação se torna mais plausível devido a atuação do elenco.

Knightley possibilita ver o sofrimento de sua personagem com apenas o movimento dos olhos, trazendo a maior parte da carga emocional do filme. Sua interpretação é contida, mas cheia de pequenas inserções que permitem se colocar no lugar da personagem. Enquanto isso, Matt Smith e Ralph Fiennes equilibram a balança, oferecendo novas camadas à narrativa.  

URGÊNCIA NÃO ALCANÇADA

Apesar disso, “Segredos Oficiais” tem como pontos fracos o último ato, que perde o ritmo conforme a história tenta flertar com um final agridoce, e o timing fora de hora de uma narrativa voltada à Guerra no Iraque, embora a forma como a explora seja bastante inteligente.

Por conta dessas escolhas, no entanto, o filme nunca consegue atingir a urgência pretendida, pairado sempre no drama dos personagens e dificilmente levando a reflexão de como essa decisão do governo foi catastrófica em vários patamares.

“Segredos Oficiais” é um filme de várias camadas que consegue dar um tom diferente a uma história real e intrigar o espectador com o que é visto em tela. Fica a lembrança de uma guerra que poderia ter sido evitada. 

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...