A angústia adolescente raramente pareceu tão efervescente quanto em “Sem Seu Sangue”, a estreia da diretora brasileira Alice Furtado. A produção, lançada na Quinzena dos Realizadores em Cannes e exibida em sessões lotadas no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary, leva a paixão do primeiro amor a graus extremos com muito estilo, embora o ritmo do filme possa limitá-lo em busca de grandes públicos. 

Nele, a adolescente Silvia (Luisa Kosovski) se apaixona pelo colega Artur (Juan Paiva), um jovem poeta e skatista que sofre de hemofilia. Quando ele morre abruptamente, a garota passa a não sentir fome e começa a vomitar sangue, desenvolvendo uma estranha doença. Os exames, entretanto, não apontam nada. Desesperados, os pais partem para o litoral para melhorar a saúde da filha, porém, ao chegarem lá, a história do lugar leva a protagonista a uma nefasta ideia com graves consequências. 

Desenvolvendo-se de forma lenta e extremamente sensorial, “Sem Seu Sangue” explora com a mente destes jovens é bombardeada com sentimentos que parecem definitivos justamente por serem inéditos. Artur, por exemplo, nunca se apaixonou até conhecer Silvia, enquanto ela era uma menina apática até entrar em contato com alguém tão distante da vida que levava. Carregado de erotismo, o roteiro escrito por Furtado e Leonardo Levis é inteligente em sua abordagem natural e empoderada da sexualidade feminina adolescente, não freando esse aspecto do relacionamento do casal. 

IMAGENS FORTES, TRAMA PREVISÍVEL

Uma vez na casa de praia, Silvia conhece a persona non grata do lugar, Matthieu (Nahuel Pérez Biscayart, fazendo sua melhor imitação de Jesuíta Barbosa), que lhe conta algo terrível de seu passado. A partir desse ponto, a ação acaba se arrastando até o desfecho. Apesar do roteiro conter diversos elementos, incluindo alguns sobrenaturais, é possível prever tudo o que vai ocorrer uma hora antes do fim. Por isso, quando as consequências das ações de Silvia começam a surgir, não há choque ou surpresa.

O que o longa não oferece em termos de trama, ele mais do que compensa com imagens arrebatadoras. As sequências delirantes que permeiam “Sem Seu Sangue” são muito bem-vindas, lembrando “Boi Neon”, de Gabriel Mascaro. Nelas, o diretor de fotografia Felipe Quintelas cria pesadelos em neon que exploram visualmente as tristezas do amor perdido – lindamente complementadas pela trilha eletrônica de Orlando Scarpa Neto.

É estranho que Furtado, uma cineasta com background em montagem, permita uma atmosfera tão glacial para a produção – a qual co-edita juntamente com Luisa Marques. O público é capaz de se perguntar quantas vezes precisará ver mais uma cena do rosto angustiado de Silvia. Sempre mal-humorada e falando pouco, a personagem se prova uma escolha difícil para protagonista. Apesar da premissa interessante, “Sem Seu Sangue” não entrega todo o potencial de sua proposta, mas revela uma nova voz criativa no cinema brasileiro.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

Semana Claire Denis – ‘35 Doses de Rum’: a magia da vida cotidiana

Para muitos, o cinema é a arte dos sonhos. Viver momentos que só existem nesse ambiente. O que importa são as grandes cenas de ação, os melodramas que comovem seus personagens a agir. É o close, é a câmera na mão correndo atrás de alguém, é a cena de solidão na morte...

Semana Claire Denis: ‘Minha Terra, África’ (2009): cinema de fluxo na guerra armada

Chega a ser curioso notar que uma das cineastas mais interessantes de sua geração, Claire Denis, seja tão pouco conhecida pelo grande público. Nome respeitadíssimo dentro do circuito dos festivais de arte e do meio audiovisual europeu, Denis é uma diretora que você...

Semana Claire Denis – ‘Bom Trabalho’ (1999): ótica inovadora do cotidiano militar

Constantemente, eu falo nos textos e vídeos do Cine Set sobre a massiva presença de diretores e roteiristas homens ao retratarem narrativas femininas. Entretanto, confesso que nunca pensei na chance do contrário acontecer e, felizmente, pude contemplar esta...

Semana Claire Denis – ‘Chocolate’ (1988): memórias de uma África Colonial

A pandemia de Covid-19 fez com que a distância se tornasse uma convenção social em prol da saúde. Talvez este seja o motivo que, ao observar um filme como “Chocolate”, ela se torne algo incômodo. Em 1988, Claire Denis estreava na direção de longas-metragens com um...

‘Não é o homossexual que é perverso, mas a situação em que ele vive’: o ácido tratado de Rosa von Praunheim

O Brasil de 2019 vive um momento no qual nosso presidente acha pertinente vetar o financiamento de produção audiovisual que trabalhe a temática LGBT+ e o prefeito do Rio de Janeiro decide agir como um típico censor ao mandar recolher livros por causa de um beijo. Ao...

‘Old-Timers’: humor na busca de vingança gera ótima comédia tcheca

Com pouco tempo de vida pela frente, dois velhos amigos partem para encontrar e matar um promotor comunista que os prendeu na década de 1950. Essa é a premissa de “Old-Timers”, comédia que teve uma recepção muito calorosa no Festival Internacional de Cinema de Karlovy...

‘Monos’: coming-of-age da Colômbia com ecos de ‘O Senhor das Moscas’

Crescer não é fácil, mas certamente fica ainda mais complicado se você é membro de um esquadrão paramilitar em uma região selvagem e desolada. “Monos”, novo filme do diretor colombiano Alejandro Landes, cria uma psicodélica jornada de crescimento que pode ser estranha...

‘Na Fábrica’: o vestido assassino do mestre da estranheza da atualidade

Nova produção do diretor britânico Peter Strickland, “Na Fábrica” conta a bizarra história de um vestido com instinto assassino. Você pode ler isso de novo. Depois de aclamadas passagens pelos festivais de Londres e Toronto em 2018 e uma ótima recepção no Festival...

‘My Thoughts Are Silent’: ótima viagem sarcástica em road movie ucraniano

A procura por uma saída move os protagonistas de “My Thoughts Are Silent” – comédia excêntrica lançada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Ganhador do prêmio especial do júri na competição East of the West, que reúne filmes...

Três Razões para Assistir ‘Jeannette: A Infância de Joana D´Arc’, de Bruno Dumont

A mítica figura de Joana D'Arc sempre mexeu com o imaginário coletivo, seja pelas inúmeras retratações na arte da sua breve mas intensa vida, como pela fascinação instantânea com ela. Nessa nova representação feita cineasta Bruno Dumont, de "Camille...