Em um mundo diferente, talvez um tratado sobre a colher de plástico fosse um sucesso estrondoso. O mundo já viu muitos cineastas célebres investigando temas potencialmente bobos e saindo com obras deslumbrantes. No entanto, “Spoon”, da diretora Laila Pakalniņa, parece destinado a um nicho de quem gosta de filmes excessivamente lentos.

Mesmo esse público pode ter dificuldade: inserindo uma citação de Leonardo Da Vinci no começo (“Tudo aqui se conecta com todo o resto. De verdade.”), a diretora se propõe a apresentar um quebra-cabeça cinematográfico. As cenas, vagamente relacionadas entre si, mostram diferentes estágios da produção de colheres de plástico. Cabe ao espectador juntar todos os pontos e atribuir significado ao que é visto.

A abordagem de Pakalnina é extremamente séria – algo que pode não parecer próprio para um filme sobre um objeto tão esquecível, mas que se apresenta com clareza durante a produção. É possível sentir o cuidado dado à composição de cada momento, desde o enquadramento até o senso de proporção e geometria. O empenho da diretora em fazer com que o público se concentre chega ao ponto de que ela faça com que apenas uma sequência em todo o filme – a segunda – contenha um movimento de câmera.

Infelizmente, o ritmo glacial e o rigor clínico do processo têm um efeito distanciador. Depois de aparecer pela primeira vez aos cinco minutos de filme, a colher – a coisa mais próxima de um centro de ação que ele oferece – só reaparece a 12 minutos do final. A essa altura, muitas cenas envolvendo trabalhadores e máquinas diluíram a mensagem que “Spoon” tenta transmitir. O fato de que a realizadora dispensa uma narrativa – ou mesmo uma narração – significa que o projeto inevitavelmente funcionará melhor com públicos que apreciam o cinema de forma livre e lenta. 

CAPITALISMO E GLOBALIZAÇÃO A PARTIR DA COLHER

“Spoon” estabelece com sucesso a natureza transitória da colher de plástico através de aparições constantes de navios, trens e carros. De fato, apesar da falta de movimento da câmera, a maioria das pessoas e objetos descritos parecem estar se movendo. No entanto, sendo um trabalho meramente observacional, ele parece extremamente longo apesar de sua curta duração de 65 minutos.

Há alguns comentários pungentes feitos sobre a longa corrente humana necessária para fazer um objeto que tenha uma vida útil de uma única refeição. Fábricas inteiras em lugares como a China e a Noruega estão envolvidas nisso – o que, na verdade, fala muito sobre o atual estágio do capitalismo.

Além disso, os segmentos curtos que mostram a colher em ação deixam a clara lacuna econômica entre produtores e usuários ser entrevista. O objeto descartável encontra seu fim em grandes festas de aniversário e eventos de ciclismo – atividades que a maioria das pessoas pobres, incluindo as que trabalham nas fábricas mostradas, não podem participar. Infelizmente, no entanto, nada disso é suficiente para sustentar o filme.

*o jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa, no qual esta crítica foi originalmente publicada em inglês.

‘Frozen 2’: repetitivo, sequência não empolga igual filme original

Desde crianças, Elza e Ana demonstram perspectivas opostas: enquanto a primeira acredita que uma mulher sozinha poderia salvar a floresta, a caçula está presa à figura do príncipe salvador. Apesar dessas diferenças, a relação entre elas segue sendo o elo principal de...

‘Synonymes’: fuga errante das próprias raízes gera drama intrigante

Dirigido por Nadav Lapid, “Synonymes”, ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2019, surge como um olhar interessante sobre a nacionalidade e suas raízes. O filme começa com Yoav (Tom Mercier), um jovem israelense que se auto-exila em Paris para fugir do...

‘Ameaça Profunda’: clone de ‘Alien’ mantém maldição de janeiro

Ah, janeiro...   Caro leitor, você não sente uma preguiça no comecinho de janeiro, como se o ano demorasse um pouco para engrenar depois das celebrações de dezembro? Eu sinto. E Hollywood também sente, pelo visto. O que vemos estrear no começo do ano, geralmente? Ora,...

‘Adoráveis Mulheres’: versão moderna perde algo de sua alma

Adiar a leitura do último capítulo daquele livro que você tanto gostou de acompanhar. Enveredar os caminhos de novas séries no serviço de streaming enquanto o finale daquela que você assistiu por anos aguarda na lista de espera. Guardar o download daquele filme...

‘O Caso Richard Jewell’: o modus operandi da truculência do Estado

‘O Estado me mete mais medo do que terroristas’.  A frase no canto inferior esquerdo de um quadro pendurado na parede do advogado Watson Bryant (Sam Rockwell) sintetiza “O Caso Richard Jewell”. O novo filme de Clint Eastwood articula melhor a proposta pautada em...

‘The Aeronauts’: filme morno celebra a ciência em tempos obscuros

“The Aeronauts” traz como grande mérito celebrar a ciência através da busca incansável por mais conhecimento. Pode parecer pouco (e, de fato, é), mas, em uma época de terraplanistas, descrença em dados científicos sólidos relativos a aquecimento global e desmatamento,...

‘Cats’: juro que tentei gostar, mas, é um desastre épico sim

Podem me chamar de chato, sem graça, mas, não tenho paciência para estas empolgações de redes sociais. Nem para achar um filme a coisa mais maravilhosa surgida na face da Terra, como acontece com nos lançamentos de 90% dos blockbusters ou do cult da vez, muito menos...

‘As Golpistas’: fraternidade feminina se destaca em boa surpresa

Se em ‘Os Bons Companheiros’ Martin Scorsese encantou o público com sua abordagem glamorosa da vida de um mafioso, em “As Golpistas”, a cineasta Lorene Scafaria tenta e, de certa forma, consegue alcançar o mesmo feito. Vinda das comédias “A Intrometida” e “Procura-se...

‘Star Wars: A Ascensão Skywalker’: vitória do lado sombrio de Hollywood

Talvez a maior polêmica de 2019 no mundo do cinema tenha sido a fala de Martin Scorsese sobre os filmes do Marvel Studios – leia-se, aquela história de que as produções Marvel “não são cinema”. Pessoalmente, não concordo; mas algumas semanas depois Scorsese detalhou...

‘Esquadrão 6’: Michael Bay prova ser capaz de sempre piorar

Michael Bay é famoso por sua máquina de destruição explosiva que compõe a narrativa de todos os seus filmes: “A Rocha”, “Bad Boys”, “Armageddom” e a franquia “Transformers”. Apesar da crítica ser impiedosa com a forma como Bay faz cinema, o público e bilheteria sempre...