The Eddy, a minissérie da Netflix sobre o submundo de Paris visto pelos olhos dos músicos do clube de jazz do título, tem muitas qualidades a seu favor. Tem um ótimo elenco: André Holland de Moonlight (2016), Joanna Kulig, de Guerra Fria (2018) e Tahar Rahim de O Profeta (2009) fazem os personagens principais. Dentre os produtores, está o cineasta vencedor do Oscar Damien Chazelle, de Whiplash (2014), La La Land (2016) e O Primeiro Homem (2018). E mesmo com esses elementos a favor, o resultado… bem, é simplesmente chato.

Chazelle dá o tom dirigindo os dois primeiros episódios. De cara, somos arremessados no universo do clube de jazz The Eddy, que já viveu dias melhores – como todos os clubes de jazz da ficção, não é mesmo? O dono, Elliot (Holland), está sob tensão, tentando atrair público e artistas de destaque para tocar com a sua banda – no passado, ele foi um pianista de sucesso, mas interrompeu a carreira por uma tragédia pessoal. Ele e a vocalista, Maja (Kulig), tiveram um caso no passado. As coisas pioram quando Elliot descobre que seu braço direito no clube, Farid (Rahim), está envolvido com uns bandidos da pesada. Quando uma figura importante do The Eddy é assassinada, as vidas de todos os personagens passam a ser afetadas, ao mesmo tempo em que Elliot começa a ser pressionado pela polícia e pelos criminosos.

Apesar do nome do diretor de La La Land ser o chamariz para o público, as principais forças criativas do seriado são os produtores Jack Thorne e Glen Ballard, que contribuem para o ecletismo da produção. Thorne é o verdadeiro criador da série, e também roteirizou filmes como Extraordinário (2017) e The Aeronauts (2019), além de ter feito a adaptação para o teatro de Harry Potter and the Cursed Child. Thorne queria escrever sobre Paris e jazz, e se aliou a Chazelle e Ballard, este último responsável por quase todas as canções ouvidas no seriado.  Ballard entrou para a história da música ao produzir o primeiro disco da cantora Alanis Morrisette, o megassucesso Jagged Little Pill (1995) e, de lá para cá, trabalhou com grandes artistas. As canções originais ouvidas em The Eddy são bem boas – destes três colaboradores, Ballard foi o que realizou o melhor trabalho.

Chazelle dirige seus episódios com uma câmera sempre na mão, tremida e tensa, o que se torna parte do estilo visual da série nos episódios subsequentes – felizmente, os diretores seguintes pegam mais leve na tremedeira. E os atores se mostram bem competentes nas interpretações: Holland é interessante – e não deixa de ser divertido vê-lo sendo dirigido por Chazelle, depois da confusão entre Moonlight e La La Land no Oscar 2017; Kulig canta bem de novo e Rahim se mostra carismático e poderia até aparecer mais. Além deles, Amanda Stenberg como a filha de Elliot e Leïla Bekthi como a esposa de Farid – e esposa de Rahim na vida real – também se destacam com seus bons trabalhos ao longo dos episódios.

EXPERIÊNCIA CANSATIVA

O que impede The Eddy de realmente encantar são os roteiros. Estruturalmente, cada um dos oito episódios é dedicado a um personagem em particular e seus dramas, enquanto a trama principal com Elliot e o mistério do assassinato prosseguem. O problema é que esses dramas não são assim tão interessantes ou envolventes. O que vemos são problemas de relacionamento entre pai e filha, ou românticos, coisas que já vimos antes milhares de vezes. O terceiro episódio é quase que inteiramente dedicado ao velório do personagem que morre, e embora seja compreensível que os personagens da série sintam a falta dele, pouco vimos desse personagem em tela para justificar tanto tempo gasto com a sua despedida. Não há nenhuma urgência na narrativa e o que vemos é clichê e igual a centenas de outros seriados e filmes, apesar do esforço do elenco.

A trama principal, com Elliot, também é conduzida a passo de tartaruga – ele próprio, com seu mau humor e introspecção, também não é um protagonista assim tão atraente, deixando a série com um buraco no centro na maior parte do tempo. E para piorar, o fim é bem manipulador e decepcionante. De maneira curiosa, algumas pontas importantes ficam soltas, talvez na expectativa de renovar a série para uma segunda temporada. O que é propaganda enganosa, visto que a Netflix anuncia The Eddy como minissérie, mas não entrega um desfecho satisfatório.

Apesar da boa música e de bons momentos isolados aqui e ali, The Eddy acaba sendo uma experiência frustrante, ainda mais tendo em conta o talento envolvido. Há várias cenas de Elliot criticando a sua banda no decorrer dos episódios, e ele é um patrão chato e exigente. Se os produtores e roteiristas de The Eddy tivessem sido tão exigentes com eles mesmos, talvez a minissérie (ou série?) que eles criaram conseguisse colocar no palco um show realmente interessante.

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 3: limitações começam a aparecer

Bem... Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Little Fires Everywhere’: clichês de novela atrapalham bom material

Existe uma bela história sobre feminilidade, privilégios e o problema racial nos Estados Unidos dentro de Little Fires Everywhere (“Pequenos Incêndios por Toda Parte”), minissérie da ABC Signature disponível aqui pelo Amazon Prime Service... Pena que essa história às...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódios 1 e 2: início promissor

Vivemos numa época curiosa, mesmo... Chegou à Netflix a série de ficção-científica Expresso do Amanhã, baseada no sensacional filme de 2013 dirigido por Bong Joon-Ho, que por sua vez era baseada na HQ francesa Le Transperceneige, publicada nos anos 1980 pelos autores...

‘The Eddy’: jazz sem ritmo e arrastado sufoca minissérie

The Eddy, a minissérie da Netflix sobre o submundo de Paris visto pelos olhos dos músicos do clube de jazz do título, tem muitas qualidades a seu favor. Tem um ótimo elenco: André Holland de Moonlight (2016), Joanna Kulig, de Guerra Fria (2018) e Tahar Rahim de O...

‘Hollywood’: Ryan Murphy entre erros e acertos

Aclamado pela crítica e público, Ryan Murphy provou ao longo de 10 anos que o sucesso de ‘Glee’ não foi ocasional. Além de colecionar Emmys e espectadores fiéis, o showrunner também deixou seu estilo de narrativa marcado nas séries e ‘Hollywood’ consolida este cenário...

‘Westworld’ – 3ª Temporada: fantasma da decepção de ‘GoT’ ronda série

Os estragos da última temporada de “Game of Thrones” ainda podem ser sentidos. Enquanto alguns abandonaram o mundo das séries sem data para retorno, outros se tornaram céticos em relação ao destino de suas produções queridas. Esse último posicionamento desperta...

‘Better Call Saul’ – Episódio 5×10: clímax de uma fantástica temporada

Pensamos que conhecemos as pessoas... E as séries. Pensamos, ao ver esta quinta temporada de Better Call Saul, que a transformação de Jimmy McGill para Saul Goodman, como o conhecemos em Breaking Bad, já estava encaminhada, até mesmo definida. No entanto, as pessoas,...

‘Better Call Saul’ – Episódio 5×09: preparação para reta final da temporada

“Nós fazemos escolhas, e elas nos colocam num caminho. Às vezes elas são pequenas, e ainda assim nos colocam no caminho”, diz Mike numa cena deste nono episódio da quinta temporada de Better Call Saul, “Estradas de Más Escolhas”. Mike e Jimmy saem do deserto no começo...