Quando Adam McKay lançou “A Grande Aposta” em 2015, este se tornou um dos melhores exemplares sobre o universo de Wall Street. Com uma estética própria, levando ao espectador o ambiente acelerado e caótico dos agentes de bolsas de valores, o filme indicado ao Oscar conseguia discutir as ideias a partir de sua técnica. Infelizmente, o mesmo não é visto em “The Hummingbird Project”, dirigido e roteirizado por Kim Nguyen.

Apesar de terem de estilos distintos, é possível verificar um esforço de Nguyen em apresentar recursos visuais semelhantes ao que fazia “A Grande Aposta”. Porém, aqui, feitos sem muita criatividade. “The Hummingbird Project” apresenta os irmãos Vincent (Jesse Eisenberg) e Anton Zaleski (Alexander Skarsgård), funcionários de uma empresa que cuida de ações na bolsa de valores de Nova York. Ambiciosos, os dois resolvem se demitir e começam um novo empreendimento: construir um cabo de fibra ótica, superior à concorrência, entre a Bolsa de Valores do Kansas e a de Nova York. Caso consigam ser bem-sucedidos, isso os fará ter uma grande vantagem nos negócios, tornando-os milionários.

O tempo é um fator determinante no universo dos personagens principais. Quanto mais rápido realizarem seus negócios, mais dólares recebem. Enfim, é a máxima do “tempo é dinheiro”. O problema de “The Hummingbird Project” surge justamente de tentar e não alcançar de forma satisfatória essa questão, debruçando-se em um roteiro básico que não apresenta nenhuma surpresa ao espectador em seu desenvolvimento.

Números e mais números ocupam as relações entre Vincent e seu irmão Anton, porém, o texto de Kim Nguyen prefere apostar em falas alongadas e rápidas de Eisenberg e na timidez do personagem de Skarsgård para dar ênfase em seus discursos. A comédia, que deveria surgir desses momentos, não aparece e o longa fica em um constante prolongamento de assuntos desinteressantes. O roteiro até inclui momentos de virada para os irmãos Zaleski, mas eles não recebem o aprofundamento necessário para haver uma empatia com o que vai acontecer com os dois.

Não é só na questão do roteiro que “The Hummingbird Project” deixa a desejar, visto que a fotografia se prende em planos e composições padrões, além de uma montagem bastante irregular em algumas sequências. Por exemplo: boa parte das ações do filme ocorrem de forma normal, sem interrupções na montagem. Porém, em cenas voltadas para alguma descoberta de Anton o filme inclui cenas em câmera lenta. Essas inserções além de serem confusas, remetem a uma metáfora muito óbvia sobre a preciosidade do tempo para seus personagens, sendo, portanto, soluções sem criatividade para o desenvolvimento do filme.

BOAS PROPOSTAS FICAM PELO CAMINHO

É possível notar uma boa intenção na história de “The Hummingbird Project”. Ao contar com um elenco bastante diverso e personagens de origem hispânica e negra em posições de poder em sua história, Kim Nguyen busca apresentar, em alguns momentos, sobre o preconceito derivado da cultura norte-americana em torno do capital. Isso é visível em uma troca de falas entre um proprietário de terra branco e “americano” que segue à risca a cultura do dinheiro e um personagem de origem hispânica, também “americano”, que é destratado pelo proprietário, apenas por seu tom de pele.

Em outro momento, Anton é questionado por uma garçonete se o retorno financeiro na casa dos milhões que os acionistas tanto especulam, irão chegar para plantadores de limão, em um caso hipotético discutido entre os dois. O personagem de Skarsgård diz de forma natural que não, pois, estes não estão nem sequer incluídos neste sistema financeiro. Os resultados dessa discussão depois se tornam um dilema para Anton, mas, como boa parte do que acontece em “The Hummingbird Project”, é apenas desperdiçado.

São visíveis as críticas ao modelo capitalista e ao sistema de bolsa de valores, voltado apenas para o lucro de poucos. É interessante também como Kim Nguyen tenta incluir no roteiro a forma como o capitalismo se impregna na cultura de uma nação e perpetua ainda problemas derivados como exclusão e preconceitos sociais. O problema é mesmo a falta de criatividade para transformar “The Hummingbird Project”, de fato, um filme mais atrativo.

‘A Última Coisa Que Ele Queria’: Dee Rees afunda-se em mar de narrativas sem fim

Quando assisti “Joan Didion: The Center Will Not Hold” – documentário sobre Joan Didion disponível na Netflix –, percebi que adentrar no universo da escritora é uma tarefa um tanto complexa. Pelo visto, muitos cineastas possuem esse mesmo sentimento, visto que, apesar...

‘Chicuarotes’: Gael García Bernal faz lição de casa na direção

Astro mexicano surgido no já clássico “Amores Brutos”, de Alejandro González Iñarritu, Gael García Bernal tornou-se um dos principais rostos do cinema latino dos últimos 20 anos. Estrelou obras importantes como “E Sua Mãe Também”, “Diários de Motocicleta”, “O...

‘Dolittle’: Robert Downey Jr passa vergonha em filme constrangedor

Robert Downey Jr saiu de “Vingadores: Ultimato” nas alturas, afinal, a maior bilheteria da história do cinema não apenas celebrava e alçava ao ápice o Universo Marvel, mas, também, era a celebração de seu astro-mor. O intérprete do Homem de Ferro é o centro de uma...

‘Sonic – O Filme’: diversão bobinha para iniciar nova franquia em Hollywood

Divertido, lúdico e sem maiores ambições: essa poderia ser a descrição exata de “Sonic – O Filme”. Baseado no personagem/mascote da Sega, a criatura é um dos personagens mais queridos e famosos do mundo do entretenimento digital e, pela primeira vez, chega à tela...

‘Dilili em Paris’: os encantos e perigos da capital francesa em ótima animação

Famoso pela conceituada franquia de animação ‘Kiriku’, o francês Michel Ocelot destaca novamente a cultura africana com ‘Dilili em Paris’. Apesar da animação em 2D não surpreender visualmente com as técnicas adotadas, a trama cercada de críticas sociais e...

‘O Preço da Verdade’: sobra ativismo e falta cinema em drama banal

Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que...

‘Harriet’: Cynthia Erivo se salva em cinebiografia decepcionante

Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking...

‘Aves de Rapina’: Arlequina e cia. apagam ‘Esquadrão Suicida’ com humor e violência

Depois do fatídico ‘Esquadrão Suicida’ ficou a cargo da personagem Arlequina seguir em frente com parte do universo estendido da DC nos cinemas. Assim, com uma roupagem totalmente diferente, o estúdio aponta para uma nova e animadora direção repleta de violência...

‘Jojo Rabbit’: arte para satirizar a cultura do ódio e da ignorância

Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se...

‘O Paraíso Deve ser Aqui’: ironia para ilustrar um estranho mundo

O cinema de Elia Suleiman sempre foi pautado pelo humanismo e pela metalinguem cinematográfica. O Que Resta do Tempo e Intervenção Divina são obras que reproduzem o toque delicado do seu autor em tratar questões da existência humana, ao mesmo tempo, em que se coloca...