Claire é uma moça irlandesa vivendo na Austrália colonial, que sofre uma tragédia e começa a percorrer uma região selvagem em busca de vingança contra os oficiais ingleses que mataram seu marido e filho. Logo nos primeiros minutos de The Nightingale, a vemos ser estuprada; pouco tempo depois uma violência ainda mais terrível (acredite) ocorre contra ela diante dos nossos olhos, de novo. O filme da diretora Jennifer Kent, o primeiro depois do seu impactante longa de estreia, o ótimo terror Babadook (2014), não é fácil de assistir. É incômodo mesmo, longo (2h16) e repleto de momentos violentos, mas apropriados ao retrato que a diretora faz do período selvagem da colonização australiana.

Em The Nightingale, Kent trabalha com elementos do western e do subgênero “estupro/vingança”, imbuindo-os de uma perspectiva feminista e também de uma noção de diversidade. As agressões sexuais que a protagonista sofre nunca são mostradas de modo gratuito ou sensacionalista pela câmera de Kent e do diretor de fotografia Radek Ladczuk, o mesmo de Babadook.

O inicio já deixa claro que o filme vai trabalhar a temática da opressão feminina, quando vemos Claire sendo exibida diante dos soldados ingleses para cantar para eles com sua voz delicada – ela é apelidada de “rouxinol” pelos homens que a olham com voracidade, e daí vem o título original do filme. A cena, aliás, parece a inversão perversa da cena final do clássico de guerra Glória Feita de Sangue (1957), de Stanley Kubrick.

A FORÇA DE ‘THE NIGHTINGALE’

O ângulo da diversidade surge na figura de Billy, o único aliado de Claire na sua busca. Billy é um guia aborígene, um jovem rapaz que odeia os brancos, mas que se afeiçoa um pouco à protagonista quando descobre que ela é irlandesa, e não inglesa. Na história de Kent, então, temos os dois rejeitados do mundo, uma mulher e um negro, as castas mais inferiores da sociedade da época, se aliando numa busca por justiça. O extermínio das populações aborígenes da época, pelos ingleses, é abordado tangencialmente pela narrativa, mas, mesmo assim, há também cenas de violência e abuso sexual contra essas pessoas no filme.

Billy tem o apelido de “pássaro preto”, e Claire é o rouxinol, o que adiciona mais uma camada de simbolismo à história. Os dois intérpretes dos personagens têm atuações simplesmente fantásticas: Aisling Franciosi e Baykali Ganambarr, como Claire e Billy, carregam o filme. Seus rostos jovens tornam ainda mais chocantes algumas das atitudes dos seus personagens, e suas atuações comunicam com eficácia as mudanças que eles experimentam durante essa jornada de horrores. Além deles, o geralmente simpático Sam Claflin aqui se mostra extremamente competente ao viver um sujeito terrível, o tenente Hawkins, principal antagonista da narrativa. Ele é um daqueles vilões que o público odeia com gosto.

Os atores são o principal recurso do filme, pois The Nightingale basicamente se resume a eles e a floresta por onde andam durante quase toda a sua duração. São poucas as cenas internas, e elas se concentram mais no inicio e no fim do filme. Sentimos a desorientação dos personagens, e Kent filma no formato de tela estreito, o de 4:3, fazendo com que a imagem pareça um quadrado confinador, comprimindo os personagens mesmo quando estão no mato ou no alto de uma montanha. A montagem do filme é bem ágil: as cenas são, em geral, curtas; e as situações que os personagens enfrentam na viagem ocorrem de maneira rápida, dando ao longa um ritmo ágil e até meio desorientador.

PRISÃO CONTINUA

Infelizmente, chega um momento em que Jennifer Kent se perde na floresta igual a seus personagens: No terço final do filme começam a aparecer cenas que deixam a narrativa estagnar, ou até momentos repetitivos. Felizmente, a diretora/roteirista se reencontra perto do desfecho, criando um clímax forte e que acaba deixando uma sensação de vazio no espectador.

Vale a pena tanto banho de sangue? Isso, Kent não responde, deixando a intepretação final a cargo de cada espectador. Mas sua recriação de um mundo opressivo e brutal é, sem dúvida, poderosa: muitos filmes de vingança nos deixam satisfeitos e vibrando ao final, mas The Nightingale foi feito para incomodar e consegue, mesmo apesar de apresentar algumas ideias mal desenvolvidas aqui e ali. Na visão da diretora, aparentemente a mulher e o negro ainda não saíram da floresta.

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #21

Filme: Love Story Direção: Arthur Hiller Elenco: Ali McGraw, Ryan O'Neal, Ray Milland, Katharine Balfour Sinopse: Drama acompanha Oliver Barrett IV (Ryan O'Neal), um estudante de Direito de Harvard que conhece Jenny Cavilleri (Ali MacGraw), uma estudande de música de...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #20

Filme: Jim & Andy Direção: Chris Smith Elenco: Jim Carrey, Danny DeVito, Milos Forman, Judd Hirsch Sinopse: Um olhar sobre os bastidores de O Mundo de Andy, lançado em 1999, registrando detalhadamente como o ator Jim Carrey adotou a peculiar persona do...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #19

Filme: Victoria e Abdul Direção: Stephen Frears Elenco: Judi Dench, Ali Fazal, Eddie Izzard, Adeel Akhtar. Sinopse: 1887, Agra, Índia. Dois jovens locais são escolhidos para viajar até Londres de forma a presentear a rainha Victoria (Judi Dench) com uma valiosa moeda...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #18

Filme: Era uma vez no Oeste Direção: Sergio Leone Elenco: Henry Fonda, Charles Bronson, Frank Wolff, Gabriele Ferzetti Sinopse: Em virtude das terras que possuía serem futuramente a rota da estrada de ferro, um pai e todos os filhos são brutalmente assassinados por um...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #17

Filme: Sombras da Vida Direção: David Lowery Elenco: Casey Affleck, Rooney Mara, Liz Franke, Barlow Jacobs Sinopse: Um homem recém-falecido (Casey Affleck) retorna como fantasma para sua casa no subúrbio com a intenção de consolar sua esposa (Rooney Mara). Em sua nova...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #16

Filme: Ninguém Sabe que Estou Aqui Direção: Gaspar Antillo  Elenco: Jorge Garcia, Millaray Lobos, Luis Gnecco, Solange Lackington Sinopse: Filme traz a história de Memo (Jorge Garcia), morador de uma remota fazenda de ovelhas no Chile e que esconde sua linda voz do...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #15

Filme: Carol Direção: Todd Haynes Elenco: Cate Blanchett, Rooney Mara, Kyle Chandler, Sarah Paulson Sinopse: A jovem Therese Belivet (Rooney Mara) tem um emprego entediante na seção de brinquedos de uma loja de departamentos. Um dia, ela conhece a elegante Carol Aird...

Cinema em Tempos de Coronavírus: Dicas de Filmes no Streaming #14

Filme: Destacamento Blood Direção: Spike Lee Elenco: Chadwick Boseman, Jean Reno, Delroy Lindo, Veronica Ngo Sinopse: Filme acompanha um grupo de quatro veterinários afro-americanos que retornam ao Vietnã buscando os restos mortais do líder de seu antigo esquadrão e...

7 dicas de Cursos de Cinema Online na quarentena

Com aulas suspensas e o isolamento social vigente em diversos países devido a pandemia do coronavírus, muitos estudantes e profissionais em busca de uma atualização no currículo se voltaram para a possibilidade de estudar em cursos online.  É claro que ninguém é...

Festival We Are One: Quais são as melhores atrações do evento online?

Por causa da pandemia do Covid-19, quase não tivemos festivais de cinema em 2020. Nada de Cannes, Veneza provavelmente também não vai acontecer, e o setor de entretenimento em geral, não só o do cinema, deve passar por mudanças substanciais nestes próximos anos, mesmo...