Raramente se conhece como calçados e cactos influenciam o governo de um país, mas “The Twentieth Century mostra exatamente isso. O filme de estreia de Matthew Rankin, parte da ousada seleção do último Festival de Berlim, é um sonho delirante, altamente idiossincrático, com a quantidade certa de kitsch para torná-lo um sucesso entre o público do circuito alternativo. 

The Twentieth Century acompanha Mackenzie King (Dan Beirne) em sua busca por se tornar Primeiro-Ministro do Canadá, tentando desesperadamente provar a si mesmo, para seus pares e para uma mãe formidavelmente arquetípica (Louis Negin). No entanto, essa jornada pessoal é mostrada de uma maneira tão estilizada e exagerada que pode muito bem ser um universo alternativo. 

Aqui, a cidade de Toronto é apresentada em uma arquitetura colorida e austera, enquanto Winnipeg surge como uma fossa da depravação e Quebec parece uma comuna utópica. A brilhante direção de arte de Dany Boivin canaliza o expressionismo alemão e o agitprop soviético para criar um Canadá imaginário – um país que simplesmente não podia existir, mas parece tangível. A mise-en-scène, combinada com a edição de Rankin, cria o efeito de completa sobrecarga sensorial. 

JOGO DE PERFORMANCE  

Livre das restrições da realidade, o roteiro, também tratado por Rankin, aborda muitos temas. Algumas delas serão mais difíceis se o espectador não tiver algum histórico da história política canadense: o relacionamento do país com a Inglaterra, seu papel na Segunda Guerra dos Bôeres, o movimento de independência de Quebec e o caráter indescritível do próprio rei desempenham papéis consideráveis na trama. 

Mais evidente, porém, é a intenção do cineasta de pintar essa fantasia do Canadá em tons decididamente estranhos. O elenco está cheio de mudanças interessantes de gênero, adicionando a natureza surreal de “The Twentieth Century. Os jogos nos quais os participantes do primeiro-ministro participam são hilários, em parte porque reforçam a noção de masculinidade – e também de política – como performance. 

Para King e seu desejo de ascender ao escalão político superior de seu país, isso também significa que ele tem que parecer o mais importante: ser duro, conseguir uma esposa-troféu e controlar seus impulsos sexuais por sapatos. O filme revela uma sexualidade incomum, com a maioria dos personagens se entregando a algum tipo de torção. 

Ironicamente, não importa o quão loucamente alegórico seja “The Twentieth Century, ecos da realidade sempre se insinuam na narrativa: as conspirações da aristocracia, a maneira como os políticos são preparados para aparições públicas, as lutas ideológicas divisórias. Nesses momentos, o banquete visual do filme de Rankin se transforma em uma tela hiper-real – apesar de cactos e calçados. 

‘Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado’: sem vergonha de ser chapa-branca

Conhecido mundialmente e extremamente popular na América Latina, Walter Mercado tornou-se uma das celebridades mais amadas do Brasil no final do século passado. Porto-riquenho, Walter enrolava um “portunhol” que tornou possível o bordão “ligue djá”, tão icônico para...

‘Festival Eurovision da Canção – A Saga de Sigrit e Lars’: paródia boba e divertida

Sou apaixonada por reality shows. Gosto de acompanhar a trajetória dos concorrentes, analisar suas participações, discutir sobre o programa - no Twitter e na roda de amigos - e contemplar artistas muito bons alcançarem a oportunidade que desejavam. Essas atividades...

‘Artemis Fowl’: difícil achar o que se salva em bomba da Disney

Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu...

‘O Rei de Staten Island’: Judd Apatow desgasta própria fórmula

Scott é um jovem que ainda nem chegou aos vinte anos, cujos únicos interesses na vida são maconha e tatuagens, e que vive em Staten Island, um daqueles distritos modorrentos do Estado de Nova York – “o único para o qual Nova Jersey pode olhar com superioridade”, uma...

‘Ninguém Sabe que Estou Aqui’: surpresa chilena revela-se um tesouro na Netflix

Em “Ninguém Sabe que Estou Aqui”, seu longa de estreia na direção, o chileno Gaspar Antillo nos surpreende com uma bela e melancólica história sobre abusos na indústria fonográfica, sonhos não realizados e aceitação própria. Além de possuir uma narrativa bem...

‘A Febre’: a luta contra a dizimação de todos os tipos

“A Febre” é um filme de luta. Não aquela luta física de um John McClane ou John Wick com socos, pontapés e tiros a todo instante, mas, sim uma resistência à tentativa de dizimação identitária, cultural e de valores.   Esta resistência atende pelo nome de Justino...

‘Três Verões’: efeitos da Lava Jato encontram Regina Casé brilhante

A corrupção está no DNA do Brasil desde a Colônia até os dias atuais com os escândalos das rachadinhas e da Lava Jato. A polêmica operação, aliás, já ganhou às telas em séries (“O Mecanismo”), policiais (“Polícia Federal – A Lei é Para Todos”), documentários...

‘7500’: metade final frustra suspense razoável

Em tempos de pandemia de Covid-19 e isolamento social, é curioso assistirmos filmes que nos entretém explorando outros tipos de paranoia e ansiedade que costumavam ser mais fortes. Como 7500, suspense da Amazon Prime Video sobre o medo do terrorismo aéreo. Passados...

‘Piedade’: resistência através da dor em delicado filme

Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme...

‘A Vastidão da Noite’: ode a ‘Além da Imaginação’ e ao ato de contar histórias

Que filme curioso é este A Vastidão da Noite, do diretor Andrew Patterson, disponível no Amazon Prime Video. Parece um episódio da clássica série Além da Imaginação (The Twilight Zone) em longa-metragem, colorido, e cheio de falatório, quase como uma obra de Richard...