Para mim, as comédias românticas sempre foram filmes com diferentes tramas, mas todas com uma única proposta: fazer seu público refletir sobre a dinâmica dos relacionamentos amorosos. Entretanto, a insistência pela padronização dessas produções nas últimas duas décadas resultou em um conceito diferente, que geralmente aponta para obras cheias de clichês com tramas previsíveis e superficiais. A partir deste panorama, pode-se imaginar minha felicidade ao assistir ‘Um Amor Inesperado’ e encontrar não apenas um longa que possui a essência das comédias românticas, como também surpreende com questionamentos existenciais e um ótimo humor.

Para contextualizar “Um Amor Inesperado”, o cineasta argentino Juan Vera apresenta a história do casal Marcos (Ricardo Darín) e Ana (Mercedes Morán). Na primeira metade da história, observamos ambos lidando com a mudança do filho para Europa, juntamente com as expectativas para o futuro do casal com a ausência de um terceiro integrante em sua rotina. Já na metade final, Ana e Marcos decidem, em comum acordo, se separar e é a partir disto que as jornadas individuais de autodescoberta começam.

Com esse enredo, “Um Amor Inesperado” poderia ser apenas uma comédia romântica sobre a crise de meia-idade de um casal, porém, a forma que a história é trabalhada a torna totalmente necessária. Isto ocorre, principalmente, devido ao filme apresentar um início o qual seria o perfeito final feliz para qualquer casal, exceto para Marcos e Ana. Os dois entendem que o próximo passo para o relacionamento e vidas pessoais é uma renovação ou a tão cruel rotina.

Esta escolha inteligente no roteiro continua a refletir nos diálogos entre seus protagonistas. Apesar de ambos aceitarem o divórcio, esta escolha não se torna menos dolorosa, momento que resulta em uma grande cena do longa. A partir desta separação, o grande mérito de “Um Amor Inesperado” é saber lidar com duas histórias distintas e como unir Ana e Marcos de formas menos óbvias.

Em suas jornadas individuais, os dois descobrem aspectos bons e ruins sobre si mesmos, porém, para a felicidade do clichê romântico, ambos dão sinais que irão acabar voltando para o antigo casamento. Entretanto, mesmo esta união com toque de final de feliz não é óbvia: Ana e Marcos afirmam que não estão apaixonados um pelo outro e, finalmente, descobrem o benefício desta afirmação.

SIMPLICIDADE COM TOQUES SOFISTICADOS

Apesar de ter uma lista longa de trabalhos como produtor, função que desempenha muito bem, Juan Vera estreou na função de diretor em ‘Um Amor Inesperado’ e sua presença por trás das câmeras é muito notada. Neste primeiro momento, sua característica mais marcante se torna a boa caracterização e produção de cenas, o que em ‘Um Amor Inesperado’ consegue mostrar a diferença gritante entre como Ana e Marcos encaram a solteirice.

Para além disto, o diretor também dá indícios de buscar uma fotografia mais ousada, com planos longos e o direito a introduzir slowmotion em uma cena protagonizada por Morán. Este momento, inclusive, mostra bastante sobre a capacidade de Juan Vera em construir cenas engraçadas sem se apoiar apenas nos diálogos ou em recursos visuais, utilizando um pouco de cada para criar o tom cômico e leve no filme.

Esta facilidade em apresentar uma trama orgânica do gênero é muito bem-vinda em uma história que, na verdade, fala sobre o divórcio, momento geralmente complicado e dramático para qualquer um. Toda esta densidade sobre o tema é uma constante na trama, afinal, os veteranos Mercedes Morán e Ricardo Darín não foram escalados por acaso: os dois conseguem encarar a carga dramática do longa com facilidade e, ao mesmo tempo, serem carismáticos e até bobos para voltar à comicidade.

A presença de dois fortes atores no elenco sobressai até mesmo os esforços que Juan Vera possui em aproximar o casal do público, tornando estas escolhas excessos no filme. Um exemplo disto são as poucas cenas que os atores narram a história, olhando diretamente para a câmera em uma espécie de diálogo com o espectador. A força do elenco e até mesmo do roteiro por si só já são suficientes para conduzir a trama, tornando estes momentos desnecessários.

Assim como seu título sugere, ‘Um Amor Inesperado’ é uma grata surpresa dentre as produções argentinas mais recentes. Tanto o trabalho de Juan Vera na direção quanto a condução que o roteiro apresenta para a trama consegue justificar os clichês utilizados na produção, tornando-os simples detalhes narrativos. Utilizando a mensagem final do longa, posso afirmar: não é preciso se apaixonar pela trama para reconhecer os méritos deste filme.

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...