Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o diretor Benh Zeitlin, consagrado por ‘Indomável Sonhadora’, coloca o menino que não queria crescer em segundo plano para apresentar ‘Wendy’. Apesar de ser uma grande oportunidade para reafirmar a estética de Zeitlin, o longa torna-se uma versão menos interessante do que já foi visto sobre a Terra do Nunca anteriormente. 

A história apresenta a personagem-título Wendy (Devin France) como uma menina normal, que vive uma rotina simples, ajudando a mãe com seu restaurante. Entretanto, ela e seus irmãos gêmeos constantemente reafirmam a vontade em realizar aventuras, a qual se idealiza quando os três decidem pular a bordo de um trem com o jovem Peter (Yashua Mack) para uma ilha onde ninguém envelhece. 

Mesmo sendo a protagonista da história, Wendy ainda possui um Peter para se apoiar, porém, seu protagonismo é desenvolvido gradualmente, apoiado principalmente na relação com seus irmãos. Com essa proposta mais realista da história clássica, o longa consegue adaptar bem elementos originais como nomes, cenas memoráveis e até mesmo o desenvolvimento do Capitão Gancho como vilão.  

Entre a fantasia e realidade 

Apesar de não ser tão cativante quanto o longa anterior de Zeitlin, ‘Wendy’ consegue destacar pontos fortes do diretor: tramas infantis e a fantasia misturada com realidade. Neste sentido, o protagonismo infantil é realmente bem aproveitado já que o elenco escolhido é intrigante e igualmente carismático. Já a fantasia torna-se apenas um detalhe, afinal, a proposta apresenta uma versão realista de Peter Pan, porém, sem deixar elementos fundamentais de lado. 

Entretanto, o problema envolvendo os elementos fantasiosos começa a partir da escolha de limitar a magia apenas na criação de problemáticas, existindo poucos momentos de apreciação ou mesmo fuga da realidade. Isso poderia até mesmo permitir ao espectador respirar um pouco durante os consecutivos plots twists que são apresentados. Algumas reviravoltas até são interessantes e contribuem simbolicamente para a evolução de seus personagens, entretanto, o timing é bem problemático pois um plot se sobrepõe ao outro sem dar tempo para o espectador realmente se surpreender. 

Na tentativa de equilibrar a fantasia com realidade, Zeitlin trabalha elementos adultos em uma trama protagonizada por crianças. A proposta, entretanto, não funciona como o esperado, assim, temos um filme interessante para o público infantil até uma cena de mutilação. Já para o público adulto, a trama não possui questionamentos mais tangíveis ou necessários, sempre apresentando uma discussão superficial. 

Desde que ‘Indomável Sonhadora’ foi destaque em diversas premiações, incluindo o Oscar, Benh Zeitlin tornou-se um diretor para acompanhar de perto. Infelizmente, ‘Wendy’ não se tornou a melhor escolha para seguir o sucesso e capacidade do diretor. Entretanto, mesmo sem explorar seu potencial totalmente, o longa permanece fiel ao estilo de Zeitlin, característica que pode voltar a render bons frutos em breve.   

‘The Old Guard’: saudades da Furiosa, né Charlize Theron?

Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela...

‘Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado’: sem vergonha de ser chapa-branca

Conhecido mundialmente e extremamente popular na América Latina, Walter Mercado tornou-se uma das celebridades mais amadas do Brasil no final do século passado. Porto-riquenho, Walter enrolava um “portunhol” que tornou possível o bordão “ligue djá”, tão icônico para...

‘Festival Eurovision da Canção – A Saga de Sigrit e Lars’: paródia boba e divertida

Sou apaixonada por reality shows. Gosto de acompanhar a trajetória dos concorrentes, analisar suas participações, discutir sobre o programa - no Twitter e na roda de amigos - e contemplar artistas muito bons alcançarem a oportunidade que desejavam. Essas atividades...

‘Artemis Fowl’: difícil achar o que se salva em bomba da Disney

Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu...

‘O Rei de Staten Island’: Judd Apatow desgasta própria fórmula

Scott é um jovem que ainda nem chegou aos vinte anos, cujos únicos interesses na vida são maconha e tatuagens, e que vive em Staten Island, um daqueles distritos modorrentos do Estado de Nova York – “o único para o qual Nova Jersey pode olhar com superioridade”, uma...

‘Ninguém Sabe que Estou Aqui’: surpresa chilena revela-se um tesouro na Netflix

Em “Ninguém Sabe que Estou Aqui”, seu longa de estreia na direção, o chileno Gaspar Antillo nos surpreende com uma bela e melancólica história sobre abusos na indústria fonográfica, sonhos não realizados e aceitação própria. Além de possuir uma narrativa bem...

‘A Febre’: a luta contra a dizimação de todos os tipos

“A Febre” é um filme de luta. Não aquela luta física de um John McClane ou John Wick com socos, pontapés e tiros a todo instante, mas, sim uma resistência à tentativa de dizimação identitária, cultural e de valores.   Esta resistência atende pelo nome de Justino...

‘Três Verões’: efeitos da Lava Jato encontram Regina Casé brilhante

A corrupção está no DNA do Brasil desde a Colônia até os dias atuais com os escândalos das rachadinhas e da Lava Jato. A polêmica operação, aliás, já ganhou às telas em séries (“O Mecanismo”), policiais (“Polícia Federal – A Lei é Para Todos”), documentários...

‘7500’: metade final frustra suspense razoável

Em tempos de pandemia de Covid-19 e isolamento social, é curioso assistirmos filmes que nos entretém explorando outros tipos de paranoia e ansiedade que costumavam ser mais fortes. Como 7500, suspense da Amazon Prime Video sobre o medo do terrorismo aéreo. Passados...

‘Piedade’: resistência através da dor em delicado filme

Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme...