A pandemia de Covid-19 fez com que a distância se tornasse uma convenção social em prol da saúde. Talvez este seja o motivo que, ao observar um filme como “Chocolate”, ela se torne algo incômodo. Em 1988, Claire Denis estreava na direção de longas-metragens com um projeto que busca resgatar suas memórias da infância na África colonial e desperta questões interessantes quanto a relações sociais, políticas e raciais.

“Chocolate” acompanha uma família francesa que vive em Camarões e a relação que estes estabelecem com o empregado da casa. A história é contada em flashback sob o ponto de vista de France (Mireille Perrier), a jovem filha do casal. A partir dessas memórias, a trama se desenrola sob os vieses de quatro personagens principais e reverbera em discussões latentes do processo de colonização da África, mesmo que essas colocações nunca estejam postas em palavras.

Silêncio, solidão e conflitos culturais em cena

Vale ressaltar a importância da mise-en-scène no cinema de Claire Denis. Se a distância foi algo que me incomodou bastante durante os 105 minutos de projeção, isso se deve a percepção da diretora que busca transmitir a sensação de distanciamento e não pertencimento àquele lugar.  O ambiente é carregado de isolamento e ausências que são indicados, por exemplo, pelo silêncio, a solidão e o conflito cultural que imergem entre Aimée (Giulia Boschi) e a filha.

Parte disso se deve a ausência de Marc (François Cluzet), que, devido ao seu posto na administração francesa naquela região, passa distante por longos períodos do convívio familiar e, tal qual como muitos casos reais, mostra-se alheio ao que ocorre em seu lar. Assim, France cresce cercada por inseguranças e enxerga em Protée (Isaach de Bankolé) uma referência e refúgio.

O empregado, por sua vez, procura mostrar à criança um caminho diferente da atmosfera vivida por seus pais. Isso pode ser notado por meio da ligação entre eles e da presença das formigas sempre que ela o busca como alicerce. Curiosamente, “Formiga” é a forma carinhosa como o pai a trata.

O VERDADEIRO DONO DA TERRA

Todas essas interações formam um mapa das relações políticas, sociais e raciais da África colonial, convergindo na imagem de Protée. Ele é o eixo principal para onde as ações de “Chocolate” se voltam com a postura de Bankolé evidenciando a importância política do personagem.

O empregado não se mistura ao contexto em que os outros se inserem e deixa claro, sempre, que não é submisso, que possui livre arbítrio e o direito de escolha de estar ali. Mesmo em silêncio, fazendo seu trabalho, a presença de Protée relembra a todos onde estão e quem é o verdadeiro dono da terra.

Por compreender esta construção, a pequena France parece pertencer ao ambiente e sua face adulta mostra-se perdida, sem passado e presente. Claire Denis insere em constante evidência – seja nas mínimas colocações entre os personagens – as condições políticas do ambiente. Ressaltando que, apesar de se adequar ao ambiente, a menina não é um ser pertencente aquela terra: ela apenas se encontra em isolamento cultural. Isso é demonstrado pelo choque e o distanciamento na relação com a mãe.

France assusta sua mãe por ter posicionamentos de alguém que só conhece aquilo e vive como tal, já as decisões de Aimée e sua postura diante do conflito cultural atingem diretamente France e sua inocência. Um exemplo disso é a quebra abrupta da relação da menina com Protée justamente por ele se impor as vontades da matriarca. Mesmo assim, a conexão entre eles não é quebrada, passa por ressignificações, mas permanece.  Seguindo o caminho oposto das escolhas de Aimée.

“Chocolate” é um bom filme para estudar a construção das relações na África colonial e apresenta os primeiros traços do que viria a consagrar o cinema de Denis. O fato dela ter vivenciado essa experiência e ter ecos disso na produção só a enriquece mais.

Semana Claire Denis – ‘35 Doses de Rum’: a magia da vida cotidiana

Para muitos, o cinema é a arte dos sonhos. Viver momentos que só existem nesse ambiente. O que importa são as grandes cenas de ação, os melodramas que comovem seus personagens a agir. É o close, é a câmera na mão correndo atrás de alguém, é a cena de solidão na morte...

Semana Claire Denis: ‘Minha Terra, África’ (2009): cinema de fluxo na guerra armada

Chega a ser curioso notar que uma das cineastas mais interessantes de sua geração, Claire Denis, seja tão pouco conhecida pelo grande público. Nome respeitadíssimo dentro do circuito dos festivais de arte e do meio audiovisual europeu, Denis é uma diretora que você...

Semana Claire Denis – ‘Bom Trabalho’ (1999): ótica inovadora do cotidiano militar

Constantemente, eu falo nos textos e vídeos do Cine Set sobre a massiva presença de diretores e roteiristas homens ao retratarem narrativas femininas. Entretanto, confesso que nunca pensei na chance do contrário acontecer e, felizmente, pude contemplar esta...

Semana Claire Denis – ‘Chocolate’ (1988): memórias de uma África Colonial

A pandemia de Covid-19 fez com que a distância se tornasse uma convenção social em prol da saúde. Talvez este seja o motivo que, ao observar um filme como “Chocolate”, ela se torne algo incômodo. Em 1988, Claire Denis estreava na direção de longas-metragens com um...

‘Não é o homossexual que é perverso, mas a situação em que ele vive’: o ácido tratado de Rosa von Praunheim

O Brasil de 2019 vive um momento no qual nosso presidente acha pertinente vetar o financiamento de produção audiovisual que trabalhe a temática LGBT+ e o prefeito do Rio de Janeiro decide agir como um típico censor ao mandar recolher livros por causa de um beijo. Ao...

‘Old-Timers’: humor na busca de vingança gera ótima comédia tcheca

Com pouco tempo de vida pela frente, dois velhos amigos partem para encontrar e matar um promotor comunista que os prendeu na década de 1950. Essa é a premissa de “Old-Timers”, comédia que teve uma recepção muito calorosa no Festival Internacional de Cinema de Karlovy...

‘Monos’: coming-of-age da Colômbia com ecos de ‘O Senhor das Moscas’

Crescer não é fácil, mas certamente fica ainda mais complicado se você é membro de um esquadrão paramilitar em uma região selvagem e desolada. “Monos”, novo filme do diretor colombiano Alejandro Landes, cria uma psicodélica jornada de crescimento que pode ser estranha...

‘Na Fábrica’: o vestido assassino do mestre da estranheza da atualidade

Nova produção do diretor britânico Peter Strickland, “Na Fábrica” conta a bizarra história de um vestido com instinto assassino. Você pode ler isso de novo. Depois de aclamadas passagens pelos festivais de Londres e Toronto em 2018 e uma ótima recepção no Festival...

‘My Thoughts Are Silent’: ótima viagem sarcástica em road movie ucraniano

A procura por uma saída move os protagonistas de “My Thoughts Are Silent” – comédia excêntrica lançada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Ganhador do prêmio especial do júri na competição East of the West, que reúne filmes...

Três Razões para Assistir ‘Jeannette: A Infância de Joana D´Arc’, de Bruno Dumont

A mítica figura de Joana D'Arc sempre mexeu com o imaginário coletivo, seja pelas inúmeras retratações na arte da sua breve mas intensa vida, como pela fascinação instantânea com ela. Nessa nova representação feita cineasta Bruno Dumont, de "Camille...